Governança

Ξ Deixe um comentário

Planejamento Estratégico no Serviço Público

publicado por Rogério Di Magalhães

Quando se necessita estruturar o desenvolvimento estratégico de uma empresa e/ou organização existem vários instrumentos disponíveis, porém para o setor público restringem-se as opções.

Pensando apenas nos mais conhecidos, podemos seguir, por exemplo, os pontos de vista de Adriano Freire [1], de Henry Mintzberg [2], de Kaplan & Norton [3] e também daquele que nos apresentou a todos esses importantes autores Aguinaldo Arangon Fernandes [4].

Uma organização que não possui estratégia e cujas operações não funcionam bem tem os dias contados. Portanto um instrumento capaz de alinhar a estratégia à atividade operacional se faz necessário.

Dos vários métodos disponíveis apenas alguns são aplicáveis ao Setor Público, pois faltam dados de produção de serviços e de caracterização das competências dos indivíduos. Os dados disponíveis são em regra desatualizados e não estão completos para que se possam extrair os elementos necessários à determinação do capital humano.

Não há necessidade de dados de produção de serviços porque o financiamento é orientado para manutenção de recursos (funcionários, edifícios, carros, etc.) e não para produção de serviços com qualidade e preço estabelecidos.

A limitação quanto ao cálculo do capital humano é um entrave ao desenvolvimento e alinhamento estratégico dos ativos intangíveis, porque não podemos gerir o que não conhecemos.

Pedir aos dirigentes do setor público atuais, que adotem uma nova filosofia baseada em critérios modernos de gestão, ao invés dos textos legais que conhecem, é um grande desafio. Tradicionalmente, ele é treinado para seguir regulamentos, a inovação é algo indesejado neste ambiente estável de procedimentos altamente regulados.

Contudo, a necessidade de mudança organizacional já está presente na administração pública.

A inclusão do BSC, no planejamento das atividades de uma empresa pública, será um grande passo e uma decisão oportuna que dará muitos frutos, quando os dirigentes aplicarem os princípios deste instrumento na identificação dos seus clientes e serviços, na definição da estratégia e dos objetivos.

Trata-se de uma metodologia desenvolvida pelos Professores David Norton e Robert Kaplan no início dos anos 90 que pretende ampliar a visão dos sistemas de controle tradicionais, para além dos indicadores financeiros.

O BSC é um instrumento útil para gerir e ajudar a concretizar a mudança. A inclusão das perspectivas de cliente, de processos internos e desenvolvimento o tornam ideal para qualquer organização não lucrativa e muito especialmente para a administração pública.

Os objetivos desta metodologia vão muito além do que se pode extrair de um mero conjunto de indicadores. Obriga a definição de objetivos consistentes, indicadores e metas.

Neste sistema tudo é quantificado, o vocabulário vago cede o lugar à objetividade. O BSC quando aplicado adequadamente pode apoiar transformações organizacionais profundas. Portanto apresenta-se a grande oportunidade para o setor público reavivar e evidenciar a utilidade dos serviços produzidos.

A Reforma da administração pública é um grande objetivo dos nossos tempos, e só pode ser alcançado se todos os dirigentes, todas as organizações públicas e todas as pessoas estiverem alinhados.

Nestas circunstâncias, o formato do mapa estratégico do BSC para um serviço público moderno poderá ser orientado para a utilidade em vez do lucro.

Num contexto moderno a atuação de TI se torna cada vez mais importante ao negócio. Extrapolando os limites ora estabelecidos de simples processo de suporte, deixando de ser TI por TI e gerando valor à estrutura organizacional, auxiliando a tomada de decisões, alinhada ao planejamento estratégico das corporações.

[1] Freire, Adriano – Estratégia, Ed. Verbo, 1997. ISBN 972-22-1829-8.
[2] Mintzberg, Henry – Tracking Strategies, Toward a General Theory. Oxford, 2007.
[3] Kaplan, Robert S. & Norton, David P. – Strategy MAPS. Converting Intangible Assets into Tangible Outcomes.  HBS Press, 2004.
[4] Fernandes, Aguinaldo A. & Abreu, Wladimir F. – Implantando a Governça de TI, da Estratégia à Gestão dos Processos e Serviços. Brasport, 2008.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Sou graduado Analista de Sistemas, pela Universo, OCA e OCP Oracle DBA e MBA de Governança de TI, pelo IBTA, com mais de 9 anos de atuação em tecnologia, experiência em gerenciamento de ambientes críticos, complexos e grandes corporações. Consultor em Tecnologia e Governança de TI. Instrutor Oficial Oracle. Sempre beirei a pia batismal das letras. Iniciando meu próprio percurso aos oito anos. Nascia ali minha primeira impressão poética sobre o mundo que me cercava. Sou autor de quatro livros que expressam minha visão sobre o ser humano e suas interações. Venho agora colaborar, deixando minha impressão sobre negócios e TI. e-mail: rogerio.magalhaes@gmail.com Twitter: rogeriodimaga Skype: rogerio.dimagalhaes Blog: http://rogeriodimagalhaes.blogspot.com/

Rogério Di Magalhães

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes