Mercado

Ξ 1 comentário

Os potenciais malefícios do Outsourcing

publicado por Alexandre Fernando

Outsourcing.

Os benefícios são bem conhecidos, alguns importantes:

Para a contratante :

  • Garantia de atendimento (24×7 em alguns casos);
  • Atendimento por pessoal qualificado;
  • Melhores soluções para os problemas da companhia;
  • Nada de preocupações com a gerência do pessoal especializado em tecnologia e encargos sociais decorrentes das contratações.

Para a empresa contratada:

  • Desenvolvimento de equipes;
  • Lucros consideráveis;
  • Histórico de portfólio de clientes aliados a grandes e possibilidades de crescimento.

 

Tudo lindo e maravilhoso.

A Solução ideal.

A situação ideal é válida apenas quando bem aplicada, planejada e dimensionada.

Entretanto, a comunidade tecnológica deve discutir e ressaltar que a empresa contratada, neste caso, uma empresa de tecnologia, a fornecedora de recursos humanos qualificados e especializados para a empresa contratante, deve dimensionar e planejar o desenvolvimento desta mão de obra.

Este planejamento inclui:

  • Treinamento;
  • Condições de trabalho;
  • Políticas motivacionais;
  • Remuneração adequada;
  • Benefícios;
  • Atendimento aos princípios básicos de acordo com maslow.

Figura 1. A pirâmide de maslow.

O fator motivacional dos profissionais envolvidos no processo devem atender as necessidades do alto da pirâmide:

  • Auto-Realização;
  • Necessidade de Status;
  • Necessidades Sociais.

A auto-realização é uma das mais importantes. Aplicando-se técnicas de coaching, tendo em vista ter as pessoas certas nas funções certas dentro da organização. A pessoa tem que querer estar naquela função. Sem que esse premissa seja atendida será difícil ter êxito no projeto de Outsourcing. Porque? Porque o sucesso de um projeto desses depende exclusivamente das pessoas. Em todos os níveis da equipe.

A necessidade de status é um fator motivacional, vejo como uma consequência lógica do sucesso do profissional e do projeto em si.

As necessidades sociais são muito importantes também, pois, normalmente afetam a família e a relação do profissional com outras pessoas externas ao projeto e a empresa. A vida do profissional é afetada diretamente.

Essa gestão complexa de pessoal deve ser administrada com maestria pela empresa contratada no outsourcing. A falha na gestão do pessoal afeta diretamente a qualidade do serviço prestado, gera insatisfações na contratante e consequentemente diminui a rentabilidade do projeto.

Um profissional de outsourcing mal administrado, refém da falta de planejamento da contratada, pode ser muito prejudicial para a imagem da empresa, bem como, fazer um belo estrago na auto-estima e na vida daquela pessoa.

A maioria das empresas contratantes tendem a tratar os funcionários das empresas contratadas, chamados de terceirizados, de forma despersonalizada, como colaboradores de segunda classe e isso gera um grande estresse, porque embora o contrato preveja isenção total dos “problemas” de pessoal pela contratante o processo não funciona, não operacionaliza sem a ação de uma “pessoa” e o comportamento humano é complexo e algumas vezes imprevisível.

O mercado vai ter que encarar e absorver os custos de um profissional de TI no mesmo patamar que a importância desse trabalho está passando a ter na rentabilidade do core business das empresas.

Um profissional de TI custa.

O processo de TI custa.

E o que não custa?

Os custos implícitos do outsourcing envolvem:

  • Aposentadoria digna;
  • Horas extras;
  • Adequação de carga de trabalho;
  • Desenvolvimento;
  • Treinamento;
  • Qualificação.

Todo o processo é complexo. Ninguém questiona a importância do processo de TI, mas, ninguém também quer arcar com todos os custos envolvidos e desse questionamento nasce aberrações jurídicas como CLT-Flex, PJ, etc.

Quem arca com esse custo oculto?

Mas o processo de TI não é importante?

Ao longo do tempo, as pessoas passam a mudar suas necessidades sociais, e tendem a se preocupar mais com o futuro, assim, algumas situações criadas para burlar a lei não servem mais, mas, por uma questão de “mercado” aceitam condições que muitas vezes não lhes faz trabalhar com tranquilidade. Isso deve fazer parte do planejamento da contratada, ela deveria ter um esquema muito bem traçado para lidar com essas situações e assim manter o equilíbrio da relação.

Para que tudo isso funcione as gestões de RH das empresas têm que estar em sintonia.

É muito comum que empregados da contratante se refiram aos colaboradores da contratada como se a pessoa jurídica representada por ele fosse de carne e osso. Isso é inimaginável, pois, o colaborador que ali está tem sentimentos, necessidades e pensa. A pessoa jurídica é fria e não passa de um processo burocrático para existir.

O esquema perde-ganha não equilibra a relação e sim a deteriora.

Uma empresa não se mantém e não se desenvolve sem o envolvimento e comprometimento das pessoas. Nenhum trabalho ou serviço prestado podem ter sucesso sem que a gestão dos recursos humanos seja criteriosa e convirja para o desenvolvimento em parceria, benefícios para ambas as partes.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Programador Sênior e Consultor ERP. Atua em projetos na área de desenvolvimento de sistemas corporativos desde 1995. Graduado Tecnólogo em Informática para a Gestão de Negócios (2010) FATEC - Faculdade de Tecnologia de Jundiaí http://www.fatecjd.edu.br BLOG

Alexandre Fernando

Comentários

1 Comment

  • Let’s practice my português, hopefully I have not harmed your language! kkkkk

    Muito boa informação Alexandre!

    De minha própria experiência, o ganho é sempre com a disponibilidade rápida de máquinas e recursos treinados. Se uma empresa tem que confiar em seus próprios recursos para resolver os problemas, poderia haver atrasos, como resultado de outras prioridades que precisam de atenção, sendo tanto mais importante por razões de conformidade ou do cliente é um executivo.

    Onde tudo pode se tornar “frazzled” (trapo), estão com as expectativas que estão implícita ou mal interpretado, não importa quão clara do Acordo de Nível de Serviço (Service Level Agreement — SLA) foi elaborada. O que eles podem considerar importante e necessária, pode não ser o mesmo que o seu cliente. Portanto, temos um barco com remos indo em direções diferentes – alguém é obrigado a ficar molhado, se não cair dentro! Tanto a empresa utilizada como terceirizar eo cliente têm os mesmos objetivos, mas é mais provável, eles terão roteiros diferentes para chegar ao mesmo objetivo.

    As empresas de terceirização primeira regra mais vai se lembrar, mas acho mais difícil de cumprir? O cliente tem sempre razão … O cliente paga as contas e os salários do serviço terceirizar … Mas a terceirização também é um negócio – o que significa que ele tem para manter suas despesas gerais minimizados e seu lucro maximizado, de alguma forma encontrar um equilíbrio entre queixas e manter um lucro.

    Quando um monstro tem duas cabeças – apenas um ganha … Quando um cliente tem dois mestres, um ou ambos os senhores têm de compromisso. O ganho de um terceirizar é equilibrado contra os modelos de negócios que tanto o cliente como o outsource usar – se o confronto modelos de negócios, nunca haverá uma vitória para qualquer um. Quando os modelos de negócios são paralelos, e na melhor das hipóteses – em sincronia, então há dois têm algo a ganhar, mas ambos são ainda a necessidade de atender às necessidades do outro …

    Soa como um casamento real, o que talvez seja necessário adicionar ao seu triângulo muito bom … kkkkkkkkk

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes