Gerência de Projetos

Ξ 1 comentário

O resultado do mau planejamento

publicado por Uilson Souza

Saudações,

Essas últimas semanas tem sido meio complicadas. Estou trabalhando no troubleshooting de uma infra estrutura de proxies juntamente com a Microsoft.

O ambiente é complicado e já serviu várias vezes de inspiração para muitos dos artigos que postei aqui.

Como o caso está bem complexo, comecei a correr atrás de informações sobre a infra estrutura e o planejamento como um todo. Falei com algumas pessoas de uma época mais longínqua e pude verificar que, os problemas que ocorrem hoje, são frutos de um planejamento mal elaborado.

O responsável por este ambiente enfrentou resistência da parte de muitos ali, mas, conseguiu o que queria. Creio eu, mais por uma questão pessoal do que pela convicção de que aquilo era o melhor na época, ou seja, o simples fato das coisas serem feitas como ele quis já significava uma vitória.

O retorno disso tudo é um problema de instabilidade no acesso internet. Não encontramos nada até agora no proxy e sofremos com a insistência do cliente e não analisar o ambiente como um todo, sem se prender a uma única ferramenta.

Situações como esta nos mostram o porque o planejamento é essencial. Além disso, podemos montar algo que não é o mais adequado. Somos humanos e podemos errar. É por isso que,  nesta hora, é bom saber analisar uma crítica, extrair algo de bom e ter humildade suficiente ao ponto de entender que, algo está errado, preciso mudar!

Postei aqui artigos como “Planejamento, o segredo do sucesso – partes 1 e 2”, “Implementando um projeto da forma correta”, entre outros. Todos visavam mapear os passos necessários a uma implementação correta, buscando alinhar todos os pontos, envolver todos os recursos possíveis e procurar gerar o mínimo possível de impacto ao usuário final.

Os pontos que cito nos artigos acima são simplesmente aquilo que procuro seguir em cada projeto que trabalho e muitas vezes, pelo bem do projeto em si, tivemos que repensar alguns pontos e mudar o foco.

Todos conhecem o ditado que diz “o que começa torto, acaba torto”. Pois bem, esse refrão é válido também em TI, principalmente em ambientes como o citado acima.

Se o responsável não tem bem claro na mente, o negócio principal do cliente, a necessidade em si, os tempos de resposta aceitáveis, SLA’s, enfim, aquilo que o cliente espera do ambiente para cumprir com os objetivos, teremos muitos problemas lá na frente. No momento em que o negócio começa a tomar proporções maiores e componentes adicionais  precisam ser implementados.

As vezes, o resultado do mal planejamento fica escondido nos primeiros meses, ou até anos, de operação, mas, fatalmente aparece nos piores momentos para o cliente.

O grande problema nisso tudo é que, em muitos casos, o foco de análise fica preso a uma ferramenta específica, fazendo com que nunca se chegue no ponto principal do problema.

Em um ambiente mal planejado, os problemas ocorrerão justamente na ferramenta e/ou serviço de maior acesso e do qual se espere maior retorno.

Em quase todos os casos, o responsável pela implementação do ambiente (aquele lá do começo do texto) tenta esconder a razão principal ao máximo, jogando para outros componentes a culpa do problema, pois, o medo fala mais alto e em sua cabeça, as conseqüências de determinadas conclusões podem se voltar contra ele.

Com base em tudo o que foi dito aqui, procure planejar sua infra como um todo, sem invenções mirabolantes e nem colocando componentes aqui ou ali, porque você achou bonito.

Entenda bem o funcionamento de determinado componente de sua infra. Procure saber quais impactos ele pode gerar no ambiente, quais outros componentes ele depende para funcionar, quais outros componentes dependem dele, etc.

Não leve para o lado pessoal quando um analista pede a análise de outras vertentes do ambiente. A intenção é somente resolver o problema e fazer as adequações necessárias para que nenhuma outra instabilidade ocorra.

Lembre-se do efeito dominó de um ambiente mal implementado…instabilidade do serviço, problemas para usuáros finais, impactos no negócio principal da empresa, stress e desgastes entre cliente e fornecedores, etc.

Outra coisa muito importante…quando você pensa ter problemas em uma determinada ferramenta e a causa não é encontrada na mesma, pode ser que o problema não esteja ali. Pode ser que esta ferramenta esteja sendo vitima de um fluxo errado ou mal pensado do seu ambiente. Não hesite em aumentar o foco de análise para outros componentes para mitigar e até mesmo resolver o problema.

Se a sua empresa possui mais de um fornecedor de TI (o que sou totalmente contra), faça com que eles tenham uma sintonia tal entre si para que possam estar sempre trocando idéias e se ajudando mutuamente. O fato de um fornecedor ficar jogando o problema de um para o outro, só prejudica você, gestor de TI.

Abraços

Uilson

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Autor

Formado em Tecnologia em Processamento de Dados pela UNIBAN. Analista de Projetos de TI, atua no design, planejamento e implementação de projetos de tecnologias Microsoft, tais como ISA Server, Forefront TMG, servidores Windows, Windows Clustering e Hyper-V. Também trabalhou como IT Specialist na IBM e como Consultor de TI em empresas como Alcoa, Credicard, Bradesco Seguros, Unilever, Caterpillar e Banco Merril Lynch. Profissional certificado como MCTS em ISA Server, participa do grupo MTAC (Microsoft Technical Audience Contributor), publica artigos técnicos em seu blog no endereço http://uilson76.wordpress.com e também no portal TechNet Wiki (http://social.technet.microsoft.com/wiki) Linkedin: http://www.linkedin.com/in/uilsonsouza Twitter - http://twitter.com/usouzajr

Uilson Souza

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade


Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.