Tecnologia

Ξ 1 comentário

Do jargão da TI para a aplicação prática

publicado por Gilberto Lanzer

Rotinas, sistemas, produtos, soluções , desde muito , pelo menos por aqui no Brasil, desde a decada de 60, lidamos com o desafio constante de aplicar tecnologia da informação de forma racional e objetiva  para apoiar as constantes mudanças nas relações de negócios. Por outro lado, estas mudanças não seriam impostas pela industria de TI? Bom, isto é outra história e certamente algum tema de dissertação deve abordar o assunto. Alias, o termo “ TI “  é contemporâneo, pois já usamos outros que perduram por anos como: processamento de dados. É, até nos tivemos que nos adaptar a novos tempos.

Vamos começar aqui uma serie de reflexões de  como   as famosas “sopas de letras” de TI são introduzidas no cotidiano do objeto de nossa produção: vossa majestade “O Usuário”.

Não pretendo aqui rever a historia de TI, mas se nos colocamos no lugar daqueles que vão utilizar produtos de TI, quaisquer que sejam estes produtos, com certeza vemos como poderíamos melhorar nossas vidas. Sem dúvida, estamos num estagio diferente dos anos 70 , 80, 90, contudo  a evolução é continua. Mas grande parte do insucesso do projetos ainda é a relação entre quem desenha a nova solução e quem a usa.

Quem já não ouviu estas frases do seu usuário: Olha, não era bem isto que eu imaginava – Esta tela pede muita informação – Não é tão fácil encontrar a informação que quero. E assim por diante.

O que nós usuários queremos, então? Algo simples, objetivo, fácil de usar, rápido de preferência, que entregue a informação que buscamos, que sempre funcione.. Esta é a nossa visão, eu digo nós, os profissionais de TI, ou seja somos iguais a qualquer outro ser humano.

Então o desafio permanece,  de como desenhar e produzir algo que atenda a pelo menos estes requisitos e ainda seja flexível, fácil de modificar, que tenha formas relativamente simples de adaptar-se a novas interfaces de uso.

Nosso cliente pouco se interessa  se a solução, esta escrita para o Main Frame, para o cliente – servidor, para Java, para .NET, se o banco é DB2 ou Oracle ou SQL Server.

Nosso exercício constante é escolher a melhor plataforma que atenda as demandas da empresa para a qual estamos desenhando as soluções de TI. Até aqui nada de novo, mas podemos começar a refletir a partir de: desenhar soluções que atendam a demanda do negócio.   Neste caso, no há dúvida que a área de TI tem mais sucesso quanto mais alinhada ao planejamnto estratégico da empresa ela estiver. Mas é preciso que o gerente de TI ou CIO ou diretor de TI seja alguém que possa traduzir  as necessidades de negócio com uso de tencologia e que sem dúvida não descuide da usabilidade, obsolecência, controle de custos, se mantenha atualizado, tenha o olho no concorrente do segmento, possa gerir a equipe, delegar, motivar e outras tarefas de um dignas de um  administrador.

A tarefa do CIO não é das mais fáceis, a essência é fazer com que o nível mais alto da empresa, aquele de finalmente decide e paga a conta, e consequentemente o segundo e terceiro escalão, tenham percepção clara que a TI realmente pode fazer a diferença quando:   em uma situação de competitividade,  em uma situação de expansão dos negócios, em uma modificação de regras , em uma situação de ter o controle sobre o negócio.

Definir o uso correto de plataformas , SOA, Java/.Net, Mobile, Web 2.0, BPM, ECM (nossa sopa de letras) pode ser crucial. Ao final é isso que pretendo abordar daqui em diante, apresentando de alguma maneira, como poderíamos agir para ter sucesso em nossas iniciativas de TI para suportar o negócio, conquistar e manter firme a relação entre TI e aqueles que finalmente nos demandam, nosso cliente: “o Usuário”

No próximo comentário vamos abordar casos em que podemos aplicar estas tecnologias com foco em resolução de problemas sem pensando no impacto da mudança e da conquista e manutenção do patrocínio para os projetos.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Gerente de Vendas na IBM para família Websphere, soluções de BPM, Regras de negócios, Gestão de Eventos e integração de sistemas, plataforma JAVA - SOA Experiência em vendas de solução de Enterprise Content Management (EMC Documentum). Experência em vendas de soluções de Portal e Web 2.0 Experência sobre gestão de conhecimento, Atuou por 10 anos na ORACLE, 4 anos na EMC e atualmente em vendas na IBM Brasil. 30 anos de atuação na área de TI, como gerente de suporte e infra estrutura

Gilberto Lanzer

Comentários

1 Comment

  • Giba, Bem vindo! Excelente post!!

    Embora eu nascesse na década de 70, vivi a 80 (para você menino OK, rss), venho sentindo day by day na pela a necessidade de atualização diante de tecnologias emergentes, afinal, penso eu, que o gerente de projetos de tecnologia deveria estar atualizado e navegar bem nessa sopa!

    É fato que a TI vem se reinventando ao longo dos anos, cada vez mais estratégica do que tecnicista.

    Minha opinião é que sopas de letras no contexto empresarial são de grande importância para o business, são grandes oportunidades de esclarecimento e acima de tudo gera novos serviços, diante das novas necessidades que o mercado requer.

    Quiçá um dia tenhamos um dicionário de acrônimo para tomada de decisão! o desafio ai será desenvolver uma matriz de relacionamento, compliance e sobrevivência

    Grande agraço,
    Fabiano

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.