Carreira

Ξ Deixe um comentário

O paradoxo do novo líder

publicado por Helio Soares

Figura - O paradoxo do novo líderCom certa frequência, deparo-me com charges ou textos sobre a diferença do Chefe e do Líder. Em resumo, o chefe é o ser autoritário que manda a equipe trabalhar por ele e o líder é o ser participativo, que leva a equipe ao cumprimento das metas.

Claro que isto faz um certo sentido. Não nos permitimos mais trabalhar em um ambiente de autoritarismo. Mas, nem sempre é assim que se interpreta tal comparação.

Quando vejo um líder “puxando” sua equipe rumo a um objetivo e os textos que geralmente acompanham esta caricatura, parece-me uma intenção de vender uma imagem de que o líder deve ser uma pessoa boazinha, pronta para assumir todas as dores e problemas da equipe, os seus próprios e aqueles que deveriam ser dos liderados. Parece-me uma tentativa de transferir a responsabilidade de tudo para o grande líder.

Neste momento, nasce o paradoxo. Ser líder requer participação, inclusão, colaboração, motivação, enfim. Mas, ser líder também requer delegar, cobrar, acompanhar, reprimir e corrigir a rota.

Em tempos de gerações de A à Z, fazer-se compreendido quando se lidera não é uma tarefa trivial. As maturidades entre líderes e liderados são, em geral, diferentes. A ação de liderança, às vezes, requer uma legenda, para que a equipe compreenda melhor a intenção do conteúdo e da forma com que uma comunicação tenha sido feita à equipe, o que não é possível na prática.

Achar que o líder deve saber executar as atividades de qualquer um de sua equipe, bem como assumir toda a responsabilidade pelos erros e tratar seus liderados como seres intocáveis e protegidos deveria ser considerado crime hediondo. Fazer isto, é tolher o crescimento profissional da equipe. Não se aprende a nadar assistindo o professor e não se aprende a dirigir sentando-se no banco do passageiro. Maturidade profissional se conquista assumindo suas próprias dores e responsabilidades e pagando o preço dos erros, da falta de comprometimento e das irresponsabilidades.

Quando uma equipe comprometida, competente e consciente de suas responsabilidades cobra maior participação do seu líder e espera que ele blinde a equipe de falsas percepções de outros, calo-me. Mas, quando uma equipe descomprometida transfere toda responsabilidade para o líder e o classifica como Chefe para servir de desculpa, sinto pela equipe que tem uma visão equivocada e pelo líder que terá um grande desafio pela frente.

Ser líder, definitivamente, não é ser bonzinho nem malvado. Não é ser autoritário nem fraternal. Tampouco, não é ser mandão ou centralizador. Ser líder é ter a capacidade de tornar a equipe eficiente o suficiente para o cumprimento das obrigações a ela atribuídas, com o mínimo possível de efeitos colaterais. Uma tarefa para poucos.

Como em todo relacionamento, cada um deve fazer sua parte. O gestor conduz no sentido de comandar e guiar, não no sentido de carregar. Refinar a relação líder-liderado é uma tarefa para ser feita a quatro mãos e com todos os desafios inerentes às relações interpessoais. Sucesso a todos que se aventuram neste fantástico mundo.

[Crédito da Imagem: Novo Líder – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Mestre em Ciência da Computação pela UNICAMP, Especialista em Gestão Empresarial pela FGV e Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU. Atuação direta na gestão estratégica de TI com fortes conhecimentos em gerenciamento de projetos de Inovação Tecnológica e participação efetiva nas definições Tecnológicas e Operacionais nas empresas. Envolvimento com equipes de produtos, apoiando as áreas de negócio através de tecnologia para implementação de projetos de inovação. 25 anos de experiência com Tecnologia da Informação com sólidos conhecimentos em gestão estratégica de TI, governança, gerenciamento de projetos e equipes, gestão de contas, gestão de serviços críticos, incluindo os seguimentos de Educação, Cartão de Crédito, Instituições Financeiras, Callcenter, atacadistas e varejistas. Experiência na gestão de grandes projetos como ERP, BI, migração de tecnologia, roll-outs, mapeamento e otimização de processos e forte atuação no relacionamento com áreas de negócio. Responsável pela gestão e planejamento de fábricas de software, outsourcing e prestação de serviços baseados em COBIT, ITIL, PMI, PMO.

Helio Soares

Comentários

You must be logged in to post a comment.

botão emergência ransomware (1)

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.