Carreira

Ξ Deixe um comentário

Ambiente de teste

publicado por Vanessa Gomes

FIgura - Ambiente de testeNa fase que antecede a elaboração dos cenários de teste, devemos planejar o ambiente em que a aplicação será testada. O ambiente não é apenas uma configuração de hardware, mas toda a estrutura onde o teste será executado. (BASTOS, Aderson et al., 2007)

Figura 1: Ambiente de teste

Figura 1: Ambiente de teste

O escopo do ambiente será definido pelo nível de teste a ser executado:

Quanto maior o nível, mais o ambiente de teste deverá ser capaz de reproduzir as características do ambiente de produção. (BASTOS, Aderson et al., 2007)

Quadro1: Distribuição do ambiente por atributo

Quadro 1: Distribuição do ambiente por atributo

Equipe

 De acordo com (RIOS, Emerson & MOREIRA, Trayahú, 2003), na maioria dos casos, podemos considerar como responsáveis pela execução dos testes os seguintes profissionais.

  • Lider do projeto de teste;
  • Arquiteto de teste;
  • Analista de teste;
  • Testador. 

No processo de teste, as responsabilidades desses profissionais são estabelecidos pela matriz mostrada no Quadro.

Quadro 2: Fonte (RIOS, Emerson & MOREIRA, Trayahú, 2003).

Quadro 2: Fonte (RIOS, Emerson & MOREIRA, Trayahú, 2003).

A criação, pela equipe de teste, de um ambiente isolado, organizado, representativo e mensurável garante a descoberta de erros reais. (BASTOS, Aderson et al., 2007)

A criação desse ambiente possibilita a realização dos testes de iteração e sistema, de modo a permitir a integração das diferenças camadas e/ou ambientes. (BASTOS, Aderson et al., 2007)

É preciso que a preparação do ambiente seja discutida (equipamentos, softwares, browser em aplicação Web etc.) devem ser identificadas no momento inicial do projeto. (RIOS, Emerson & MOREIRA, Trayahú, 2003)

De acordo com (RIOS, Emerson & MOREIRA, Trayahú, 2003), ao definir  o ambiente de teste, devemos considerar:

  • O sistema operacional;
  • A arquitetura do sistema;
  • A identificação dos componentes;
  • O meio de acesso ao sistema;
  • A linguagem de programação utilizada;
  • A conectividade entre os ambientes.

Segundo (RIOS, Emerson & MOREIRA, Trayahú, 2003), a criação de um ambiente de teste isolado deve contar com algumas características capazes de garantir a integridade dos testes realizados. São elas:

  • Ambiente isolado, com processamento independente e características similares ao ambiente de desenvolvimento e produção;
  • Ambiente restrito à equipe de teste;
  • Criação da massa de teste com dados conhecidos e representativos quantidade e qualitativamente, de modo a atender aos cenários de teste a serem executados e garantir a cobertura do código.

Segundo (RIOS, Emerson & MOREIRA, Trayahú, 2003), para a criação da massa de teste podem ser empregados dados de produção, mas, para isso, dois procedimentos devem ser adotados:

  • Definição algoritmos de filtragem para reduzir a massa de dados, conservando a apresentação do universo de teste;
  • Mascarar os dados, garantindo a integridade da informação.

É aconselhável que a base de teste tenha no máximo 30% do tamanho da base de produção. Para que o ambiente de teste esteja o mais próximo do ambiente real.

Segundo (MECENAS, Ivan & OLIVEIRA, Viviane, 2005), os ganhos para o processo de qualidade dos projetos, com a criação de um ambiente independente, são:

  • Ambiente controlado;
  • Dados íntegros;
  • Base de dados reduzida;
  • Utilização de massa de dados construída, e não real;
  • Facilidade no gerenciamento;
  • Processo pró-ativo (trabalhar na prevenção dos erros, e não na correção deles);
  • Garantia da utilização das normas e dos padrões especificados;
  • Teste de todos os módulos, e não apenas dos que sofreram alteração, garantindo que nada tenha sido alterado após a manutenção.

A garantia da integridade do ambiente de teste está diretamente relacionada à garantia de qualidade do produto. (BASTOS, Aderson et al., 2007)

Uma outra alternativa que vem ganhando espaço no que concerne à preparação do ambiente de teste, são os ambientes virtuais ou emuladores de ambiente, também conhecidos como virtual machines, maquinas virtuais como o VMware.

Essas maquinas possibilitam ao analista de teste criar diversos ambientes, em diferentes configurações de sistemas operacionais e browsers, e até mesmo criar instalações de software e componentes em várias máquinas, utilizando, na realidade, a mesma máquina física. (BASTOS, Aderson et al., 2007)

[Crédito da Imagem: Ambiente de Teste – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Atua profissionalmente como Analista de Desenvolvimento e Analista de Teste em Qualidade. - Certificação em ITIL V3 Foundation - CTFL - Certified Tester Foundation Level - SFPC - Scrum Foundation Professional Certificate - DEPC - Devops Essencial Professional Certificate - Linguagens: PHP, SQL, HTML, Java,.NET, Groovy; - Automação de Testes com JUnit, Selenium e Cucumber - Big Data Foundation - Scrum Master (fundamentos),

Vanessa Gomes

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes