Carreira

Ξ 3 comentários

Mas por que os jovens questionam tanto?

publicado por Sidnei Oliveira

O comentário que mais ouço de gestores a respeito da geração Y é sobre os constantes questionamentos. Diversos gestores alegam ser esse um dos comportamentos mais irritantes com que tem que lidar.

Muitos conflitos com seus subordinados acontecem exatamente por estes jovens questionarem constantemente as decisões de seus gestores. O desafio do líder é estabelecer um comportamento sereno quando os próprios subordinados colocam em dúvida sua capacidade de liderá-los. Na verdade, as perguntas precisam ser melhor entendidas, pois são uma característica marcante na geração Y.

Talvez esse desconforto tenha origem na forma de desenvolvimento da liderança nos últimos 20 anos, que aconteceu através de modelos mais estruturados, com papéis bem definidos, uma ordem hierárquica definida e com uma regra bem clara – jamais contestar seus “superiores”.

O fato é que precisamos considerar que o questionamento nem sempre é uma contestação ou desafio ao conhecimento. Quando um jovem da geração Y está questionando, raramente ele está duvidando do conhecimento de seus “superiores hierárquicos”, sejam pais, professores ou gestores.

Essa postura é, na verdade, uma busca de interação e tem origem na infância desenvolvida em um ambiente de constantes desafios, mesmo nos mais simples jogos de videogames. Para esse jovens, é muito importante interagir com o mundo que os cercam, pois buscam constantemente uma conexão com as coisas e com as pessoas.

Eles consideram todo relacionamento como um processo de integração. Querem respostas diretas e claras, sem coisas subentendidas e obscuras. Exigem transparência de seus líderes e estão dispostos a lutar por seus sonhos.

Não devemos subestimar a capacidade destes jovens em entender todo o contexto; temos que tirar proveito de suas impressionantes habilidades de trabalhar em múltiplas dimensões simultaneamente e apresentar-lhes todas as informações e possibilidades, assim como as consequências das escolhas que vierem a fazer.

Os jovens dessa geração não são infalíveis – pelo contrário, eles são extremamente vulneráveis, pois não possuem referências suficientes para agir com todas as habilidades que conseguem obter no curto espaço de tempo. Contudo, cresceram questionando seus pais a respeito de tudo e por isso, hoje questionam seus líderes nas empresas.

Questionar é a forma que eles encontraram de se conectar!

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

SIDNEI OLIVEIRA – MINI CV Consultor, Autor e Palestrante, expert em Conflitos de Gerações, Geração Y e Z, desenvolvimento de Jovens Talentos e Redes Sociais, tendo desenvolvido soluções em programas educacionais e comportamentais para mais de 35 mil profissionais em empresas como Vale do Rio Doce, Petrobras, Gerdau, Santander, TAM, Unimed entre outras. Formado em Marketing e Administração de Empresas, autor de vários livros sobre Liderança e Administração. É sócio-fundador da Kantu Educação Executiva, Vice-presidente do Instituto Atlantis de preservação ambiental e membro do conselho de administração da Creditem Cartões de Crédito e e do Fórum de Líderes Empresariais. É também colunista com artigos publicados nos portais Exame.com, Catho Online, Click Carreira, Café Brasil e InformationWeek Brasil

Sidnei Oliveira

Comentários

3 Comments

  • Por não atuarmos num setor maduro, e por causa da falta de casos de sucesso da nossa área, questionar se torna essencial para que tenhamos um vislumbre dos efeitos de cada decisão do projeto.

    A área de TI é nova se considerarmos as outras áreas do mercado, como Engenharia, Direito, Medicina ou Administração. Nova, porém importante e essencial. Dinâmica, diferente, orgânica, essa é a natureza de TI, e ao mesmo tempo, sua beleza. Porém, isso tudo torna difícil a formulação de metodologias herdadas de áreas menos dinâmicas (como as citadas anteriormente), e acaba exigindo que nós, profissionais, sejamos flexíveis, e sempre prontos para aprender mais e mais sobre tudo que nos cerca: Plataformas, Técnicas, e o principal: Pessoas.

    Software é feito por pessoas, e é o reflexo direto do que elas entenderam de outras pessoas. Desenvolver software envolve tarefas complexas, por mais simples que as entradas e saídas possam parecer. E por isso, questionar é sempre necessário, para que o aprendizado seja evoluído, e para que as dúvidas sejam mais esclarecidas.

    Se um profissional de TI apenas faz sem questionar, estará fadado a cometer erros. É necessário APRENDER, e só se aprende QUESTIONANDO (a origem de todo o resto vem a partir disso). E isso independe de qual geração o profissional pertence. Cientistas vivem questionando sobre o desconhecido, e vivem se questionando se as conclusões nas quais eles chegaram estão corretas: Para que eles as refinem constantemente, e a melhore; para que haja motivação às novas descobertas a partir delas.

    E esse é o espírito de desenvolver Software: Evolução. É isso que me motiva a acordar todos os dias, modelar a arquitetura, expor as idéias ao time, responder aos questionamentos, questioná-los, questionar meus superiores, ser questionado por eles, abrir a IDEs, e fazer a minha parte para concretizar os projetos que nós idealizamos.

    Abraços!

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.