Carreira

Ξ Deixe um comentário

As empresas escolhem os profissionais, ou os profissionais escolhem as empresas?

publicado por Luciano Malavazi

Em continuidade ao artigo que escrevi anteriormente, “Visão de mundo da geração Baby Boom, X , Y e Z com as gerações anteriores na Gestão da Carreira Profissional”, tive a necessidade de abrir este novo tema, questionando se seria o caso de se “criar” cursos de capacitação para todas as áreas (saúde, educação, empresariais) esclarecendo o perfil de cada geração para um melhor aproveitamento das potencialidades e menor conflito entre as gerações? Será que os envolvidos estariam dispostos a mudar os seus paradigmas?

Vejo que aproveitando a onda de palestras motivacionais, devamos divulgar uma nova era no mercado profissional.

Ao invés de motivar o funcionário a “gostar” de seu ambiente de trabalho, fazendo-o se adequar á empresa, porque não divulgarmos essa nova filosofia, onde a empresa respeitando o profissional busca ela a se adequar à novas tendências procurando melhor recolocação e melhores metodologias afim de obter melhores resultados, tanto para a empresa quanto para o funcionário.

Muito se fala em cuidar do funcionário, em empresas de pessoas não de máquinas, mas pouco se faz para mudar esse conceito. As palavras não saem das cartilhas para a vivência do profissional, gerando muita contradição, descrédito e infelicidade aos profissionais.

Na busca pela contratação de um profissional, as empresas procuram os melhores profissionais, os que melhor se adequem aos dogmas da empresa, onde muitas vezes para atrair o profissional, promessas infundadas são feitas, castelos de areia são criados, mas ao notar a verdade o profissional se afasta e retoma a busca por recolocação no mercado, ocorrendo um ciclo sem fim, com alto custo administrativo para retreinar e realocar pessoas, gerando conflitos inclusive nos profissionais que permanecem e antes estavam felizes com seu ambiente.

A troca constante de profissionais, de cargos e de estrutura é um meio de stress que já torna-se comum aos profissionais, mas que tem grande carga negativa sobre suas vidas, podendo ser comparada com a separação dos pais, que por mais cotidiano que seja, deixa marcas.

Porque então ao invés de “vender” a imagem da empresa aos profissionais, não é efetuado um acordo de forma transparente entre Contratante x Contratado?

Porque ao invés de ao fim de 90 dias, se a empresa não se adaptar ao profissional, o mesmo é demitido? Onde fica o receio da empresa em, ao fim de noventa dias, não perdê-lo e permanecer buscando o melhor para manter o profissional?

Porque a empresa contratar o profissional e não o profissional contratar a empresa ao qual trabalhará?

Muitas empresas que se adaptaram a essa nova era, já obtiveram sucesso e tornaram-se as mais rentáveis, então porque não mudar?

A exemplo da Área da Saúde, muito é gasto para corrigir problemas de saúde, enquanto pouco é investido em sua prevenção!!!

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Profissional de TI, com mais de 10 anos de experiência, com conhecimento da rotina de Contact Centers / Operadoras PSTN e VoIP / Empresas de Disaster Recovery / Implantação, Desenho de Soluções e Consultoria. Experiência em Gerenciamento de Processos, Projetos e Pessoas. Especialista em Telecom, tem entre suas certificações APDS e APSS - Unified Communication APDS e APSS - Contact Center APDS e APSS - Data Network APSS - Small & Medium Enterprises

Luciano Malavazi

Comentários

You must be logged in to post a comment.

botão emergência ransomware (1)

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.