Carreira

Ξ 1 comentário

Aplicando coaching em sua equipe

publicado por Cleyton dos Santos Sousa

Entendendo fundamentos, técnicas e praticas para implantar coaching de maneira estruturada na sua equipe.

Fui convocado para uma reunião com meu DBA, o mesmo fez a convocação com a pauta da reunião: planejamento de carreira. Esse profissional está no time cerca de oito anos, com vasto conhecimento, experiência e segurança, tem o salario compatível com o mercado, mais os benefícios de uma grande corporação.

Começou a reunião ele sem rodeios, foi direto ao assunto:

Gostaria de saber de você o que tem planejado para mim, estou contente com meu salario, com benefícios, mas não estou contente com o que tenho aprendido, estou oito anos trabalhando com Oracle e gostaria de conhecer novas ferramentas, gostaria de conhecer outros bancos. Fiquei surpreso com a indagação, porém contente, que não tenho um profissional acomodado na equipe, respondi para ele:

Sabe que a padronização do banco de dados facilita para a corporação, a manutenção, negociar as taxas e principalmente a manutenção, mas conheço sua preocupação e no seu lugar faria o mesmo questionamento.

Isso que acabou de aconteceu foi à falta de um coaching mais estruturado, ou seja, atualmente em vários relatos, destacam que o profissional de TI acaba mudando muito de empresas, não somente devido ao salário, estabilidade e tamanho da corporação, mas sim devido à direção da sua carreira, em termos de conhecimentos, desafios e cargo.

Um estudo da Public Personel Management Journal destacou que os colaboradores que participaram e que tiveram coaching, a produtividade aumentou em 88%.

Coaching é o planejamento focado em ações, para aprimorar o colaborador a progredir em direção às suas metas estabelecidas de carreira.

Os benefícios do coaching para corporação são:

  • Tarefas executadas com mais qualidades.
  • Aumento de produtividade.
  • Participação dedicada para alcance da missão corporativa.
  • Formações de lideres.
  • Retenção de funcionários.
  • Melhor relacionamento do profissional com sua equipe.
  • Satisfação com a empresa, cargo e tarefas.
  • Facilidade na propagação do conhecimento.
  • Desenvolvimento profissional.
  • Ações planejadas.
  • Reduz o modismo.

Benefícios para o colaborador:

  • Planejamento da carreira.
  • Define e esclarece os objetivos da carreira.
  • Feedback sobre seus pontos fortes e fracos.
  • Melhora no desempenho e no desenvolvimento.
  • Reforço das competências individuais.
  • Alinha as expectativas do colaborador com a corporação e vice versa.
  • Adquire conhecimento através de experiências.

Algumas técnicas são confundidas com o coaching, entre elas: andragogia, mentoring, couselling, guiding e teaching. Mas essas ferramentas utilizo no coaching conforme o caso que estamos aplicando, ou seja, utilizo essas ferramentas como processos. Nota que em um paragrafo, chamei de técnicas, ferramentas e processos, como isso? Conforme a aplicação existe a variação, vamos conhecer cada um:

Andragogia ‐ orienta o colaborador conforme a experiência, com a experiência o conhecimento foi adquirido e será propagado com a andragogia.

Mentoring ‐ indica os caminhos para evolução através do ensino de um para um, em resumo, do mestre para o discípulo.

Couselling ‐ o aconselhamento aborda no colaborador, seus problemas e aconselha com suas orientações, ou seja, orienta o colaborador através de sugestões. O foco do couselling seria procurar uma solução para uma dificuldade do colaborador.

Guiding ‐ tem como finalidade ajudar o colaborador ou equipe o caminho que leve da condição atual (como se encontra o profissional) até a condição final (o objetivo).

Teaching ‐ foca em ajudar o colaborador ou equipe a desenvolver as habilidades e assim promover a capacidade para alcançar o objetivo.

Aplicação:

  1. Foi analisado na equipe o coaching de todos os funcionários, em carreira, conhecimento, hábitos, ações e comportamentos.
  2. O coaching seria estabelecido de cargo em cargo, ou seja, de analista júnior para pleno, não poderia pular de analista júnior para sênior.
  3. Criado a ficha de conhecimentos, onde exibe os conhecimentos de tecnologias atual do colaborador e onde deve estar seu conhecimento em um período de um ano.
  4. Cada colaborador tem um padrinho do Coaching, um exemplo o Analista de Sistemas Master é padrinho do Analista de Sistema Sênior, ele está destacando e passando sua experiência de maneira gradativa, conforme a ocasião, conforme os projetos (Adragogia).
  5. O padrinho ira discutir com o afilhado e definir suas metas, e mostrará como conquista-las, irá acompanhar para um melhor entendimento (Mentoring).
  6. Terá uma ficha de avaliação do afilhado, onde o padrinho em conjunto do afilhado, irão discutir sobre os pontos fortes e pontos fracos do afilhado, indicando sugestão para melhorias e manutenção (Couselling).
  7. Criado o mapa de características, indicando todas as características do analista sênior e as características do analista master, com isso, traçando o caminho (ações e projetos) para adquirir essas características (Guiding).
  8. Cursos internos ou externos para o afilhado adquirir conhecimento em determinada característica do seu objetivo (Training).
  9. Para evitar que o padrinho não passe o conhecimento, o padrinho tem como contrato de metas, uma meta que o foco é coaching do afilhado, onde o peso é de 30% do total.

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

CIO, autor, colunista, professor. Contato: cleyton_sousa@yahoo.com.br e twitter: @cleyton_keu

Cleyton dos Santos Sousa

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes