Carreira

Ξ Deixe um comentário

Sobre a necessidade de uma Gestão de Portfólio de Software

publicado por Roberto Andrade

Sobre a necessidade de uma Gestão de Portfólio de SoftwareAdquirir e manter softwares, no tipo, quantidade, edições e atualizações necessárias, tem-se mostrado uma tarefa cada vez mais complexa, que demanda boa parte dos recursos financeiros e humanos da área de Tecnologia da Informação (TI).

A simples aquisição de licenças de uso de software, no modelo mais econômico disponível num determinado momento e baseada em estimativas de volume, não encerra a melhor prática no tratamento desses ativos. Afinal, a necessidade de uso dos softwares muda, continuamente, de acordo com novos requisitos e exigências, movimentações de pessoas, crescimento do negócio, mudanças de processos e regulamentações, dentre outros.

Assim, uma efetiva prática de gestão deve contemplar todo o ciclo de vida do software na organização e acompanhar de maneira constante as mudanças que afetem esse ciclo.

A necessidade de uso de um software surge a partir de uma pressão da organização no sentido de se tornar mais produtiva ou responder de forma rápida e apropriada a um problema ou oportunidade de negócio. Uma vez identificada a necessidade, inicia-se um ciclo que vai demandar, dentre outros, especificação detalhada, análise de impacto, alternativas técnicas, reutilização de licenças, modalidades de contratação, seleção de fornecedor, processo de aquisição, acolhimento e registro, distribuição, monitoramento do uso, atualização, interrupção com remanejamento ou arquivamento temporário, descarte. Tudo isso, em conformidade com direitos de uso dos produtos e preceitos legais e regulatórios.

Em 2003, iniciaram-se os primeiros esforços no sentido de reunir e normalizar as melhores práticas de gestão dos ativos de software (SAM – Software Asset Management), originando a ISO 19770-1:2006. Apesar de possibilitar um conjunto completo de processos, metodologia e ferramentas, a abordagem SAM, muitas vezes, é confundida apenas como inventário e conciliação de licenças de uso de software.

Por outro lado, existem inúmeros outros aspectos relacionados a tratativas comerciais e avaliações tecnológicas que ficam de fora de uma abordagem SAM. Por exemplo, desvendar peculiaridades de licenças e contratos, estar preparado para negociações com fornecedores, conhecer melhores práticas de implementação e uso, antecipar roadmap de produtos, são alguns dos importantes aliados para o domínio mais amplo do cliente sobre o seu portfólio de software.

Assim, defendemos a adoção de uma abordagem SAM completa, acompanhada de consultoria especializada em especificação e processos de aquisição de software, associada ao suporte agnóstico (vendor independent) na avaliação de cenários tecnológicos. Esta abordagem encerraria uma completa gestão de portfólio de software.

[Crédito da Imagem: Licença de Software – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Iniciei minha carreira em 1984, ocupando diversas posições na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Desde 1996, tenho atuado na implantação e expansão de unidades de negócio de empresas de TI na região norte/nordeste. Considero-me um gestor preocupado em traduzir complexidade, ambiguidades e incertezas de uma forma que viabilize a realização de potencial das pessoas, alinhada com os objetivos estratégicos da organização, mas sem perda da tensão criativa necessária às grandes conquistas.

Roberto Andrade

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes