Cloud Computing

Ξ Deixe um comentário

O status do Cloud Computing hoje

publicado por Cezar Taurion

O status do Cloud Computing hojeNesta semana, por curiosidade, pesquisei no Google Trends pelo termo Cloud Computing. O resultado é muito interessante. Mostra uma curva em sino, com o assunto começando a despertar interesse em 2008, acelerando-se em 2009 (quando até escrevi um livro sobre o assunto), atingindo ápice em  2011/2012 e dai começando  descer. Não é que o conceito esteja em desuso, pelo contrário, a tendência de queda nas buscas pelo tema mostra que cloud computing está deixando de ser novidade para entrar no uso diario, no mainstream das empresas.

Os sinais de fumaça já estavam claros. Lembro que em torno de 2011 conversando com alguns investidores do vale do Silicio em um evento promovido pela IBM (Smart Camp), alguns deles falaram coisas interessantes. Observaram que praticamente todas startups criadas nos EUA já nasciam em cloud. Isto significava criar uma empresa praticamente a partir de uma idéia, sem necessidade de investimentos upfront em servidores. O processo de inovação de negócios em tecnologia estava em ebulição, devido a esta mudança de paradigma. Um deles comparou com a época do estouro da bolha da Internet, em torno dos anos 2000, quando segundo ele, cada aporte de capital se situava em torno   de 2 a 3 milhões de dólares, a maior parte construindo data centers e os enchendo de servidores. Hoje uma startup pode crescer e conquistar market share de forma rápida e pagando apenas pelo uso, afetando os negócios estabelecidos, que usam os modelos tradicionais de TI e que demoram a responder, pela caracteristica mais lenta de reação do modelo on-premise.  Os investidores, segundo eles mesmos, podiam agora aportar uma pequena fração do que aportavam antes. Com isso apostavam em muitos mais empreeendedores e o processo torna-se extremamente benéfico, pois acelera o ciclo de inovação.

Esta transformação que começou nas startups da Internet está começando a chegar em praticamente todas empresas. O período de gestação do conceito acabou e as iniciativas estão pipocando por tudo quanto é canto. Observo nas palestras sobre cloud nas quais constantemente me envolvo que o debate com os participantes já deixou para trás a questão se devo ou não ir para cloud, mas como faço para ir e que caminhos devo tomar para acelerar a adoção. Novos tempos…tenho a convicção que o ritmo de adoção vai se acelerar em muito. Estamos no momento que conhecemos como tipping point e a partir deste ponto o rimo de adoção cresce de forma exponencial. A curva de adoção até  hoje, mais lenta e gradual, não será mais a direção dos proximos 2 a 3 anos. Esta será muito mais acentuada.

Interessante também observar que o movimento de “ida para cloud” está deixando de ser apenas voltado para custos, mas como plataforma de integração das demais ondas tecnológicas convergentes (social, big data e mobilidade), permitindo novas maneiras de pensar e criar soluções de negócio. Está ficando claro que cloud não é mais uma questão de tecnologia, mas uma questão do negócio se manter competitivo. Vale a pena ler o paper “Under cloud cover: how leaders are accelerating competitive differentiation” . É uma pesquisa feita pela IBM entre mais de 800 executivos sobre o uso de cloud e fica claro na sua leitura que a importância estratégica de cloud já é indiscutivel. Mostra também que as empresas que começam a perder o timing para cloud estão dando os primeiros sinais de perder competitividade. É uma preocupação para seus executivos c-level…

As dúvidas também estão se deslocando e mostrando uma maior maturidade e conhecimento do conceito de cloud. Antes os questionamentos concentravam-se exclusivamente em segurança. Claro que segurança continua a ser uma questão importante, mas outros temas já são alvo de intensos debates como interoperabilidade entre nuvens e entre sistemas que estão em nuvens e on-premise, e as questões de como gerenciar um ambiente em nuvem, como costurar um acordo eficaz de SLA com os provedores e já começam também a separar o joio do trigo entre os próprios provedores. Os relacionamentos entre o que conhecemos como TI e os provedores de serviços e soluções de tecnologia, bem como TI e o próprio negócio já começam a ser afetados pelo uso mais intenso de cloud. Muitas iniciativas isoladas de cloud por parte dos usuários, que se encaixam no chamado “shadow IT” forçaram as áreas  de TI a sairem da inércia. Muitos CIOs que se mostravam inicialmente relutantes, mudaram sua opinião. Não mergulham de cabeça em cloud, mas querem avançar rapido, com as precauções que acham necessárias. E a mudança nos modelos de uso de tecnologia  começaram a pressionar os fabricantes a mudarem os relacionamentos com seus clientes e as suas próprias ofertas.

Nas conversas com muitos CIOs fica claro que cloud é estratégia prioritária para muitas aplicações, principalmente aquelas que envolvem diretamente inovação e engajamento com clientes (suportadas por mobilidade, big data e social business). Para estas o conceito cloud-first já está se tornando o modelo mental. Para as demais aplicações, mais estáticas e diretamente envolvidas com processos de negócio mais estáveis (conta corrente de um banco é um bom exemplo), o modelo on-premise continua sendo o preferido. É provavel que veremos nos proximos anos um modelo hibrido como base da tecnologia para a maioria das empresas. O modelo exclusivo de software on-premise, provavelmente se tornará até o fim da década um nicho de mercado. A maioria dos modelos de comercialização será cloud-only ou hibrido.

Este contexto tem implicações para o atual setor de TI.  De controlador e provedor de serviços e infra (estes muitas vezes delegados a terceiros) passam a atuar como um broker, coordenando as demandas e as implementando seja internamente (cloud privada) e/ou em cloud publicas. Posicionam-se como os responsaveis pela integração entre sistemas on-premise e em cloud, e pela coordenação e gestão das “personal clouds” com as politicas da empresa. Como cloud passa a ter papel estrátegico, TI assumindo o perfil de acelerador do processo acelera sua transição para um setor que realmente é um “value center” e não apenas  um “cost center”. Nos proximos anos,  cloud computing, pelo próprio desgaste e fatiga do termo passará a ser apenas computing. Todas as empresas estarão usando em maior ou menor grau a computação em nuvem.

[Crédito da Imagem: Cloud Computing – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Cezar Taurion é head de Digital Transformation da Kick Ventures e autor de nove livros sobre Transformação Digital, Inovação, Open Source, Cloud Computing e Big Data.

Cezar Taurion

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.