Carreira

Ξ 3 comentários

Demanda e Mercado de TI

publicado por Alexander Pinheiro

Recentemente diversas publicações veem mostrando a necessidade do mercado em profissionais capacitados em TI, muitas vagas estão em aberto no cenário nacional, e a expectativa com os eventos esportivos internacionais é muito grande. Quanto mais específica função de TI ainda maior é a demanda.

Parece muito bom para quem está pretendendo ingressar na carreira, mas as coisas não são tão literais assim, como muitas veiculações não especializadas vem mostrando.

Existe realmente uma grande demanda em crescimento, entretanto é cada vez mais difícil conseguir o primeiro emprego na área de TI, é um grande paradoxo.

É quase um clichê dizer que quem faz um curso universitário ser bom ou não é o “aluno”, em TI essa realidade é levada a sério, com diversas carreiras cada vez mais específicas, dificilmente uma graduação “sozinha”, vai dar condições de atuar imediatamente nesse mercado “aparentemente” tão bom. É preciso ter perfil e Skill, além de gostar e saber onde está se inserindo.

Alguns requisitos são considerados cada vez mais comuns, como proficiência em Inglês, liderança e capacidade autodidata são alguns dos principais recursos que o aspirante deve se dedicar a construir.

Quando falamos de carreiras “especialistas” mais específicas, o investimento para entrar no mercado quase sempre é muito alto, indo muito além da graduação. Uma Certificação SAP, por exemplo, pode custar muito mais do que sua pós-graduação, além de exigir pré-requisitos na área de negócios, que muitas vezes só a experiência e muito estudo irão trazer.

O objetivo neste artigo não é criar barreiras para quem pretende ou está iniciando na carreira, muito pelo contrário, é necessário entender e visualizar como o mercado realmente se comporta para que tenham chance de se preparar melhor para os desafios.

Recentemente ouvi uma declaração de um Gestor da SAP Brasil, que disse “Se hoje eu recebesse 100 currículos de pessoas capacitadas, contrataria todas ! “.  Em resumo a capacitação passa por algumas coisas que citamos aqui, e provavelmente mais algumas dezenas de características técnicas.

Encarem desafios, essa é uma das características do profissional bem sucedido de TI, a consequência é no mínimo mais experiência. Estude sempre, se atualize a todo o momento, seja empreendedor e goste do que faz.  Resumindo essas características fazem parte da fórmula do sucesso.

Uma dica que fica é que o cenário de TI é mundial, a proficiência em outro idioma vai dar muito apoio na demanda que vem de fora para dentro, mesmo atuando no Brasil.

Outro aspecto é que nosso território geográfico para atuação é um dos maiores do mundo, e com isso surgem demandas especificas regionais a cada instante, seja ousado, mude de cidade, de país se for preciso, o momento para isso é o início da carreira, no futuro vai conseguir visualizar o divisor de águas que foi ter tomado esse tipo de decisão.

Para finalizar o profissional de TI em geral trabalha muito, tem carga horária e horários específicos, a produtividade sempre deve estar acima da média, as empresas em sua grande maioria em nosso país não conseguem mensurar ainda a importância e o valor desse trabalho, somos contratados na maioria das vezes após um incidente, por trás de um grande prejuízo financeiro corporativo, somos vistos como custos, em alguns casos falar em Governança, SI, Cobit, Itil etc. ainda é “Grego” para nossos contratantes, os valores de investimentos são medidos, quase sempre, em somente ativos, métricas de TI, infelizmente em boa parte das empresas nacionais ainda é assunto a ser implantado.

Não podemos nos esquecer da transição de culturas, (Leiam o artigo) Choque entre Gerações, que se soma a esse processo.

Atuar no início de carreira em um empresa de Tecnologia também contribui muito para o crescimento profissional, pois sua formação vai ganhar base sólida nos conceitos de TI que ainda estão sendo absorvidos pelo mercado em empresas de outros segmentos.

Vamos lá Galerinha Y, vamos mudar esse cenário !

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Mais de 20 anos de experiência em TIC e 10 em Marketing, Graduado e Pós Graduado nos segmentos, além de MBA em Governança de TI. Especialista em Segurança da Informação, Consultoria de Software, Perfil Profissional e Carreiras, ERP, CRM, WMS, FV , B2B, B2C e Gestão de Infraestrutura de TI. Professor de Graduação e Pós Graduação. Diretor da Consultoria em TIC - Aquila / http://aquilaconsultoria.com.br Gerente de TIC e Marketing na Distribuidora Riomed / SC Skill em ITIL, COBIT, PMI, SCRUM, CMMI, SARBANES OXLEY, PESI, AIM - IFS, ISO Série 2700, 9000 entre outras. Atuou em empresas como: Embratel, Xerox, Telemig e Amazonia Celular, Petrobras, Módulo Security, Victor Hugo, RM Sistemas, Datasul, IFS, Athos Farma, Vale Sul, Casa & Vídeo, Sesef, Delba Marítima, Eschola.com, Stefanini IT Solution, Glaxo, Secretaria da Fazenda da Bahia entre outras. Foi Diretor dos grupos cariocas Insight Soluções e 3W Soluções, atualmente é Executivo de TIC e Marketing na Riomed Distribuição em Santa Catarina e Diretor da Consultoria Empresarial Áquila com sede no Alto Vale do Itajaí. http://www.aquilaconsultoria.com.br Skype: alexander.pinheiro Linkedin: http://www.linkedin.com/pub/alexander-pinheiro/6/310/441 Email: azpinheiro@gmail.com

Alexander Pinheiro

Comentários

3 Comments

  • Esse assunto é muito atual mesmo! Muito bom.
    Vou contar uma história, um plano mirabolante para dominar o mundo…hahaha
    Há um tempo atrás (meses) tive uma idéia muito interessante que não levei a diante e nem pretendo, mas quem tiver essa disposição vai se dar bem (na minha visão).
    Hoje estão surgindo muitas Head Hunters, é um mercado que nasceu devido a essa demanda principalmente, porém, todavia, “se” alguém tiver a proeza de criar uma entidade cuja visão é formar um mercado, não só caçar profissionais, mas sim capacitá-los e dar um selo de certificação colocando-os no meio, mas sem cobrar nada do profissional, mas sim do segundo beneficiado que seria um contratante, e além disso garantir o acompanhamento e a carreira desse profissional, ia sim se dar muito bem. Por que?
    Simples, esse capacitador seria a referência em nome e padronização de mercado e ganharia toda a atenção dos empregadores.
    Conhecem o CIEE? Faz um trabalho nesse ponto de encaminhamento de estagiários, mas não tão complexo e específico. Mas serve como exemplo.
    Eu defendo essa idéia mas não tenho o incentivo, e nem gostaria de assumir a responsabilidade, mas que seria uma boa seria. Uma empresa de Head Hunters poderia muito bem montar esse projeto, e levaria seu nome nas alturas. 😉
    Além de resolver um problema do mercado.

  • Este assunto é interessante.Estou tentando entrar no mercado.Tenho curso técnico com ênfase em programação e vários cursos de programação(sou um apaixonado por programação) mas não estou conseguindo uma chance na área, não sou rico ou de classe média(acho que se eu ganhasse uma herança,gastaria tudo na universidade,pós-graduação e doutorado em TI e nem falei em certificações) mas sonho em me qualificar mais,acho um absurdo exigirem tanto de todos.é claro que em algumas áreas de TI é compreensível tanta exigência mas em programação por exemplo não faz sentido.

You must be logged in to post a comment.

botão emergência ransomware (1)

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.