Cloud Computing

Ξ 1 comentário

Computação em Nuvem do jeito que você quer

publicado por Fabio Hara
Computação em Nuvem do jeito que você quer

Computação em Nuvem do jeito que você quer

Esta é talvez a primeira pergunta a ser feita, porém é a que permite entender mais facilmente todos os conceitos. Gosto de analogias para explicar termos técnicos, portanto vamos analisar uma nuvem.

Uma nuvem não possui forma definida. Uma nuvem pode ser pequena e tornar-se grande (e vice-versa). Uma nuvem pode estar em um lugar e pode ser deslocada para outro. Ok, agora que ficou claro para você este conceito fica fácil explicar tecnicamente o que é nuvem e a analogia.

“O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à utilização da memória e das capacidades de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet, seguindo o princípio da computação em grade” 

(Definição do WIKIPEDIA – http://pt.wikipedia.org/wiki/Computa%C3%A7%C3%A3o_em_nuvem

A analogia com a nuvem torna-se mais fácil agora. Em síntese Cloud Computing significa que um fornecedor de nuvem deve ter datacenters espalhados pelo mundo e acessíveis via Internet. Quando você cria uma aplicação (ou máquina virtual) você pode escolher o tamanho da mesma – VM com pouco processamento, médio, alto ou extra grande (lembra que uma nuvem pode ter vários tamanhos?). Ao subir sua aplicação (ou máquina virtual) na nuvem você pode escolher em qual datacenter deseja hospedar, e até mesmo poder mover ou replicar para outro datacenter no mundo (lembra que uma nuvem pode estar em um lugar e deslocar para outro?). Vamos supor que sua aplicação (ou máquina virtual) está funcionando e de repente recebe uma carga alta de requisições, exigindo mais hardware. Com a computação em nuvem você pode oferecer elasticidade, aumentando a quantidade de maquinas ou instancias para suportar esta demanda e quando baixar estas requisições você pode diminuir, da mesma forma (lembra que uma nuvem pode aumentar ou diminuir?).

Esta é uma visão bem simplista, mas é a mais simples para assimilar para quem está começando a estudar sobre o assunto. Se você chegou a este artigo para estudar sobre o assunto (e não conhece ainda) então a analogia será perfeita para você. Entretanto se já conhece bem do assunto não se preocupe e siga adiante neste artigo.   Se você já trabalha com virtualização ou infraestrutura de rede deve ter achado muito similar o conceito, inclusive muitas pessoas acham que Cloud Computing é virtualização. Na verdade a virtualização é apenas uma parte da computação em nuvem.

Além disso como disse antes é comum ver propagandas de empresas que oferecem Computação em Nuvem. Para que uma solução seja classificada como Cloud Computing é necessário que tenha as seguintes características:    (Definição do WIKIPEDIA –http://pt.wikipedia.org/wiki/Computa%C3%A7%C3%A3o_em_nuvem

Se a solução que você viu em uma propaganda (ou está analisando de algum fornecedor) atende a todos estes requisitos então é válido classificar como Cloud Computing.

Quais são os tipos de nuvem?

Existem vários tipos de nuvem e cada uma oferece vantagens e desvantagens. Aqui vale mais uma vez a analogia com um prédio, bastante utilizado pela Microsoft para exemplificar este exemplo:

Imagine que sua empresa precisa alugar um andar em um prédio (para comportar um novo departamento que vai surgir). Você acha algunas andares para lugar e conversa com o dono do imóvel que deseja alugar. Este dono do imóvel tem vários tipos de andares para alugar, cada um com uma característica:

Na computação em nuvem basicamente você tem 3 tipos (existem outros, porém para efeitos de simplificar este artigo resolvi focar nos 3 principais):

  • IaaS – Infrastructure as a Service (Infraestrutura como serviço)
  • PaaS – Platform as a Service (Plataforma como serviço)
    • Desde a parte básica da infraestrutura até o sistema operacional quem gerencia é o fornecedor de cloud computing. Entretanto você ainda precisa gerenciar as aplicações e os dados das mesmas.
    • Um dos ganhos principais é que você, neste cenário por exemplo, não precisaria se preocupar com atualização de patches ou se a aplicação está lenta porque o servidor está sobrecarregado.
    • Produtos Microsoft que oferecem PaaS:
  • SaaS – Software as a Service (Software como serviço)
    • Você não precisa se preocupar com a infraestrutura básica, com o sistema operacional, com a aplicação e com os dados (ex: backup). Basta acessar e usar.
    • Analogia é a mesma com uma conta de agua: você não se preocupa com o tratamento da agua do reservatório, com o encanamento da rua, etc. Apenas quer abrir a torneira e esperar que de lá saia agua e no final do mês espera pagar uma conta com o total de agua consumida.
    • Produtos Microsoft que oferecem SaaS:

O gráfico abaixo ilustra melhor os níveis de serviços que são gerenciados por você e pelo fornecedor / fabricante da solução de cloud.

Nuvem Pública, Nuvem Privada ou Nuvem Híbrida?

Agora que você já conheceu um pouco mais sobre o que é nuvem então podemos partir para o próximo ponto. Nuvem pública (Public Cloud), Nuvem privada (Private Cloud) ou Nuvem Híbrida (Hybrid Cloud):

O Windows Azure oferece o serviço de Nuvem Pública. Isto significa que o hardware físico é compartilhado, e até mesmo uma situação de duas ou mais empresas concorrentes poderiam consumir serviços de um fornecedor e que por uma coincidência estariam no mesmo hardware. Entretanto cada empresa com sua máquina virtual (ou instancia) não tem comunicação com outra máquina virtual (ou instancia) de outra empresa que esteja no mesmo hardware, pois são serviços isolados entre empresas.

Para as empresas que desejam ter também uma nuvem própria, que não será compartilhado com outras empresas, podem implementar a nuvem privada. Nada mais é do que usar a infraestrutura local com os mesmo recursos de uma nuvem, porém sem compartilhar com outras empresas.

Uma novidade interessante: a Microsoft liberou o Windows Azure Pack, um pacote de serviços que utilizam Windows Server 2012 / R2, System Center 20102 SP1 / R2 e outros softwares para ter a mesma infraestrutura do Azure, porém para ser disponibilizada internamente. Sim, Isto significa que você pode ter o Windows Azure na sua infraestrutura interna. Este pacote é também interessante para provedores de internet que queiram oferecer servicos da mesma forma que o Windows Azure, porem usando sua infraestrutura local.

Para maiores informações sobre o Windows Azure Pack basta acessar o link: http://www.microsoft.com/en-us/server-cloud/windows-azure-pack.aspx A Nuvem híbrida é a união entre a nuvem pública e a nuvem privada. Isto faz sentido para empresas que já implantaram uma nuvem privada, possuem alguns serviços hospedados em nuvem pública e desejam ter integração. Este é um dos pontos em que as soluções de nuvem Microsoft tem seu maior diferencial: além de oferecer nuvem pública e nuvem privada, a Microsoft também oferece integração entre as nuvens, permitindo que as duas soluções “conversem” sem a necessidade de ajustes que não sejam nativos ou dependendo de ferramentas de terceiros.

Exemplos de nuvem híbrida:

  • Imagine que você possua uma nuvem privada, e tenha uma aplicação preparada para rodar em Cloud neste seu ambiente. Em determinado momento esta aplicação pode sofrer uma carga excessiva de demanda e você não tenha recursos computacionais locais na sua nuvem privada para oferecer. Com uma nuvem híbrida, integrada com sua assinatura na nuvem pública, você pode ter o recurso de transbordo. Isto significa que em caso de insuficiência de recursos computacionais locais você pode “transbordar” para sua assinatura na nuvem pública e usar lá mais recursos computacionais disponíveis.
  • O Windows Intune é uma solução na nuvem feita para gerenciar dispositivos móveis e computadores, voltado para empresas de pequeno e médio porte. O System Center 2012 Configuration Manager é uma solução mais robusta, feita para empresas de médio a grande porte, e que gerencia computadores, servidores, etc. Você pode integrar as 2 soluções, estendo o cenário de gerenciamento de dispositivos e computadores, não importa onde estejam.

Um dos serviços na nuvem da Microsoft lançados recentemente é o Global Services Monitor. Através dele você pode monitorar a disponibilidade de um site ou aplicação na Internet, usando para isto datacenters da Microsoft espalhados pelo mundo.

Deixei um vídeo de demonstração no Facebook neste link: https://www.facebook.com/photo.php?v=10201550969281623

Caso tenha mais interesse no produto basta acessar aqui: http://www.microsoft.com/en-us/server-cloud/system-center/global-service-monitor.aspx

Qual tipo de nuvem devo escolher?

Na verdade não existe uma solução única que sirva para todos os cenários, e neste aspecto já temos o primeiro ponto: daqui para frente o que será importante para o profissional, gestor de TI ou consultor é entender quais são os cenários dentro de uma empresa ou cliente que valem a pena ir para a nuvem. Vamos pegar um exemplo simples:

  • Cenário:
    • A empresa de engenharia CONTOSO sempre tem problemas toda vez que o servidor de correio eletrônico fica parado (seja por problemas no hardware, lentidão devido à sobrecarga ou dificuldade de encontrar um especialista para administrar). O servidor da contabilidade todo final de mês tem uma sobrecarga absurda devido ao fechamento, e os demais funcionários da CONTOSO da área de engenharia trabalham com arquivos grandes de CAD e de imagem.
  • Solução proposta:
    • Utilizar o Office 365 para ter o serviço de correio eletrônico e colaboração online.
    • Migrar a aplicação de contabilidade para usar o Windows Azure
    • Servidor de arquivos deve permanecer local. Para maior praticidade é melhor manter (na maioria dos casos) um servidor de arquivos em uma rede local.

Obviamente a solução proposta acima depende de um levantamento prévio de detalhes do ambiente, porém de forma simples esta será uma realidade. Empresas terão parte dos serviços de TI locais e outros na nuvem.

Mais importante do que escolher o tipo de nuvem é ter investir na infraestrutura de acesso à internet (quando se utiliza serviços de nuvem publica). O motivo é que para ter acesso aos serviços na nuvem pública você dependerá de Internet para conectar, portanto investir em um link melhor e com mais disponibilidade são fundamentais.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Um dos primeiros MVPs (Most Valuable Professional) de infraestrutura do Brasil, além de MCTS, MCITP, MCSA, MCSE, MCITP e MCT, com mais de 14 anos de experiência no mercado de infraestrutura de redes Microsoft. Atuou em muitos cases da Microsoft e hoje ocupa a posição de Especialista em Infraestrutura e Virtualização no time de Comunidades Técnicas da Microsoft Brasil. Sua missão é contribuir com os profissionais e comunidades de IT Pros a explorar as funcionalidades e recursos da plataforma Microsoft. Bom, este é o mini-cv formal do Fabio Hara. O mini-cv “informal” do Hara-san (como é mais conhecido) seria: Hara-san costuma jogar partidas lendárias de Gears of War, Call of Duty MW2, Halo:Reach, etc, nas horas de folga com seus amigos. Além disso curte bastante jogar tênis (apesar de jogar mal) e escutar um bom rock anos 80/90. Grande apreciador do Home-brewing, graças aos conhecimentos que foram aprendidos com o Dalai Lama dos Portais Colaborativos Sagrados(Roberval Ranches – mesa). Tambem gosta de treinar Aikidô, e sempre que possível costuma treinar regularmente. Certa vez me perguntaram: “Hara, o que você faz na Microsoft?”. Na epoca eu disse que divulgava novas tecnologias, produtos, etc. Hoje eu posso dizer que não é bem isso. Minha resposta hoje é: “Eu ajudo você com informações e conteúdos que te ajudem a ganhar dinheiro, ser reconhecido e voltar mais cedo para casa para ficar com a sua familia” Site: http://www.fabiohara.com.br/ Twitter: http://Twitter.com/fabiohara Bom, o Hara tambem fez uns videos bacanas no Youtube. Segue alguns deles: Fabio Hara usando Surface – parte 1 Fabio Hara usando o Surface – parte 2 Fabio Hara usando o Surface – parte 3 Fabio Hara usando o Surface – parte 4 final Container do Azure – via Fabio Hara / parte 1 Container do Azure – via Fabio Hara / parte 2

Fabio Hara

Comentários

1 Comment

  • Fábio,

    Pelos meus 40 anos de TI, posso garantir que seu artigo é excelente.
    Esclarecedor e didático.
    É raro encontrar um artigo tão completo e de alcance fácil para leigos e conhecedores do assunto.

    Desejo parabéns e aguardo novos artigos.
    Abraços
    Rapanelli

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.