Gerência de Projetos

Ξ 9 comentários

Gestão de Pessoas: o método espartano

publicado por Israel Bovolini Jr

Acredito que, se você esteve na Terra nos últimos 10 anos, você deve ter assistido ao filme 300, de Zack Snyder. O filme como entretenimento já é fantástico, mas vamos nos aprofundar um pouco mais no significado:

O cenário – 300 guerreiros espartanos contra um exército de mais de 100.000 persas.

Os líderes – Leônidas, um general e regente espartano, contra Xerxes, um rei persa tido como um deus.

Os soldados – Historicamente, os espartanos eram conhecidos por seu culto à excelência, à eficiência como guerreiros . No filme, isso é retratado quando Leônidas é questionado do porquê de seu exército ser tão pequeno. Este responde perguntando a profissão dos outros gregos: “oleiro”, responde um; “escultor”, responde outro. Leônidas pergunta para seu exército: “Espartanos, qual é sua profissão?” O exército inteiro responde com um grito de guerra.  O exército persa era formado por nações conquistadas pelo caminho. Existiam tanto guerreiros experimentados quanto camponeses com machados e picaretas.

Spartans, what is your profesion?

A matemática simples nos diz que os espartanos sofreriam uma derrota clamorosa. No entanto, o rei Leônidas conseguiu motivar 300 guerreiros valorosos a ponto de enfrentarem os números. Como ele conseguiu isso? Através de 6 características-chave:

PENSAMENTO ESTRATÉGICO: Em campo aberto, o exército espartano seria simplesmente engolido pelo persa. Leônidas verificou o terreno e escolheu uma passagem estreita – o desfiladeiro das Termópilas -, onde seu exército conseguiria se proteger e atacar ao mesmo tempo. Traduzindo pra nossa realidade, o GP que consegue ter uma visão global clara do projeto saberá de todos os pontos fracos de sua estratégia e escolherá o cenário de melhor aproveitamento para sua gerência.

TRANSPARÊNCIA: Em nenhum momento Leônidas esconde de seus soldados o que eles irão enfrentar. Eles sabem que somente pelos números eles estão perdidos. O GP que deixa claro para sua equipe quais são as dificuldades esperadas e os benefícios conseguidos caso o prometido seja cumprido tem grandes chances de conseguir motivar seu time.

VISÃO PARA TALENTOS: quando o deformado Ephialtes pede para lutar, Leônidas deixa claro que como guerreiro ele não serviria, mas que ele poderia ajudar cuidando dos feridos e trazendo água e comida. O GP motivador sabe identificar e aprimorar os talentos de cada um da equipe.

LIDERANÇA: Leônidas estava sempre à frente do exército, como o primeiro a receber o ataque do exército inimigo. Da mesma forma, o GP deve estar à frente da equipe para protegê-la e sempre assumir a responsabilidade por qualquer circunstância do projeto.

MARKETING PESSOAL: Um pouco antes da batalha decisiva, Leônidas recorre a um soldado que havia sido ferido e pede para que ele conte a história do que aconteceu aos líderes e cidadãos de Esparta. Se um GP souber explorar bem o sucesso ou fracasso de um projeto, ele tende a ter sucesso.

HUMILDADE: às portas da morte, um soldado segura a mão do rei e diz: “É uma honra morrer ao seu lado”. Ao que Leônidas, agonizando, responde: “Foi uma honra ter vivido ao seu”. Leônidas se coloca aos olhos do soldado como um igual, sem distinção de hierarquia. O GP que deixa o cargo subir à cabeça normalmente não consegue manter a equipe coesa e motivada.

300 – Batalha Final

Apesar da figura do rei/gestor motivador, os espartanos morreram. Mas pararam pra pensar por quê?

“Ah, mas os espartanos foram pegos pelos persas que usaram uma trilha escondida nas montanhas”, você responde. Traduzindo pro nosso mundo, o gestor não detectou que havia uma falha no escopo do projeto, certo? Errado. No filme, Leônidas é avisado que a tal trilha existia, e designou uma parte do exército auxiliar para guardar a trilha – um exército que não tinha a mesma motivação ou treinamento dos espartanos. Neste ponto, o GP errou. Ele deveria ter colocado uma equipe de elite para cobrir o ponto fraco, mas a questão que quero levantar não é essa. Quero destacar a participação de outra pessoa.

O deformado Ephialtes, cuja participação na guerra foi revelar aos persas que existia o ponto fraco em troca de um cargo, e trair a sua equipe fazendo isso, representa o funcionário desmotivado, orgulhoso demais para colocar a mão na massa e fazer a diferença. Atente que a ele foi oferecido um cargo em que ele poderia ter seus talentos empregados (tratar feridos e levar água e comida), mas ele se achava bom demais para isso. Queria ficar na linha de frente, onde poderia ser morto ou levar seus companheiros à morte. A sabedoria do GP Leônidas foi, ao perceber esse orgulho, dispensar o funcionário que poderia comprometer a equipe. Se ele tivesse sido condescendente e colocado Ephialtes no exército, ele seria aquele funcionário que deveria chegar às 09h00, mas chega às 10h00 e dorme na mesa às 11h00, afinal de contas ele é bom demais. Ele perceberia que não teria o talento necessário para levar seu projeto até o fim, mas o orgulho não o deixaria ceder a posição a quem poderia ocupá-la melhor. Caso este funcionário desmotivado trocasse de função – ou desistisse do orgulho, como preferirem – ele teria ido para o back-up do exército e possivelmente teria mais possibilidades de reconhecimento e crescimento de carreira, pois seus talentos seriam empregados para o lado certo. Mas ao final, ele cede a própria auto-imagem e se volta para o lado do inimigo, causando a derrota do projeto.

Como gestor, ter estas qualidades do rei Leônidas podem te levar ao sucesso, mas acima de tudo você precisa saber motivar as pessoas a darem o seu melhor. Não é porque uma pessoa tem uma centena de certificados que ela será melhor que uma pessoa que aprendeu sozinha. A força de vontade de cada um pesa muito na hora de resolver um problema, e cabe ao gestor decidir onde cada ferramenta será empregada, e ao funcionário cabe ter a honra e a humildade de saber quando seus talentos não são determinantes para uma tarefa, e saber abrir mão disso em nome do sucesso do projeto.

A estes que têm esta honra e humildade, eu pergunto: ESPARTANOS, QUAL É SUA PROFISSÃO?

Autor

Trabalho na área de tecnologia há 12 anos, tendo sempre um perfil generalista, atuando desde o levantamento de requisitos, passando por análise de sistemas, desenvolvimento, implantação e fazendo acompanhamento pós-venda. Atualmente me dedico à liderança e coordenação de equipes de desenvolvimento, procurando sempre extrair o máximo de cada um e aplicando seus talentos para que todos saiam satisfeitos. Acredito que não exista um profissional cujos talentos não possam ser aproveitados em algum aspecto de um projeto, basta saber estimulá-lo a isso. LinkedIn: http://br.linkedin.com/in/ibovolini

Israel Bovolini Jr

Comentários

9 Comments

  • Muito bom!
    Uma excelente observação do ponto de vista da liderança motivacional!
    Parabéns pela análise de perfil da liderança mostrada no filme!
    Um abraço,

  • Parabéns Israel,

    a analogia foi muito boa, admirei.
    Não deseja-se milagres mas, uma equipe motivada e imbuída no objetivo comum pode alcançar triunfos. Para tanto, ela precisa ser reconhecida e valorizada no momento certo.

    Por outro lado, o líder que conhece bem cada membro da equipe, seus pontos fortes e fragilidades, administra individualmente sem perder foco no grupo e permanece transparente, também é reconhecido e respeitado, provocando uma união das forças.

  • Israel
    Conheço o caso dos espartanos há muito tempo.
    A sua foi a melhor interpretação que já ouvi.
    Muito boa análise e recomendações.

  • Israel, boa tarde..

    Liderança, Marketing pessoal, definições de primeiro mundo, meu caro..PARABÉNS.

  • Nunca tinha vista por ângulo de processos, na ótica da gestão de pessoal, meus parabéns pela sua ótima coloção.
    sou aluno do curso de Gestão de TI na FATEC-Guaratinguetá.

  • Simplesmente perfeita essa analogia. E é examente de “Leônidas” que a Ti está precisando. Enquanto os líderes não acordarem para a função que eles devem desempenhar, teremos pessoas desmotivadas, projetos com problemas graves e a imagem da TI cada vez mais suja.

    Excelente, parabéns!!!!

  • Fantástico..

    Parabéns Israel, de fato, o verdadeiro líder é aquele que motiva, que sabe identificar os perfis e colocá-los na melhor posição dentro de uma equipe para que estes possam empregar sua função de maneira aperfeiçoada.

  • Ótimo conteúdo, parabéns!!!

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade



Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.