Carreira

Ξ 5 comentários

Gestão de Pessoas em Empresas de TI

publicado por Rodrigo Distasio

Sempre me pergunto se as pessoas que trabalham com TI e tem uma posição de gestão dentro da empresa, onde lidam com outras pessoas, “chefiam” pessoas, não deveriam, efetivamente, saber gerir pessoas. Hoje o mercado de TI, além de dinâmico e sempre muito corrido, nos coloca em uma situação onde somos relegados a “recursos” dentro das empresas.


Não que não sejamos realmente recursos, já que de nós são extraídos o conhecimento e a capacidade de lidar com nossas tarefas diárias. Mas devemos ver as pessoas como mais que isso, devemos enxergar como humanos que estão ali, com o desejo de aprender, de crescer, de se dedicar, literalmente, em muitos casos, vestir a camisa da empresa, ser parte do time.

Em um time, onde todos jogam em conjunto, de acordo com as regras, respeitando e confiando uns nos outros, a vitória acaba prevalecendo .

A grande questão é que hoje as pessoas são relegadas somente a recursos. Sê tem algo a oferecer imediatamente, servem, se não tem, são descartadas.

Falta aos gestores saber como tirar o melhor das pessoas, como extrair os recursos que cada um tem a oferecer, mas isso de maneira, digamos, sustentável.

Ao longo de meus anos de trabalho, vi vários exemplos de pessoas que chegaram as empresas com a esperança de crescer, vontade de vencer, de mostrar empenho, de serem diferenciais. Ao longo de alguns meses tornaram-se pessoas desmotivadas, pessoas que estavam apenas fazendo o seu trabalho (nem sempre da melhor maneira possível), cumprindo suas horas e indo para suas casas sem nenhuma vontade de voltar no dia seguinte. Pessoas que nitidamente possuem potencial enorme, mas mostravam resultados abaixo do esperado.

Por que isso acontecia? Porque estavam sob a liderança de gestores que visavam apenas o resultado final, o lucro e, em muitos casos, o mérito pelas conquistas que sua equipe alcançava. Quando estes recursos não apresentavam mais resultado a esses gestores, bastava trocar o recurso. Tornaram-se pessoas sem brilho e medíocres, porque tinham gestores medíocres. Esses gestores não se preocupavam com os meios aos quais eram obtidos os resultados, desde que esse resultado fosse sempre positivo.

Saber lidar com o ser humano, enxergando-o como tal, sem contabiliza-lo como apenas mais um recurso, mais um número, é algo que as empresas deveriam estimular aos seus gestores. Não que seja tolo de acreditar que as empresas não vão sempre focar no resultado do trabalho e, consequentemente, o retorno financeiro que isso traga.

Sempre acreditei que saber lidar com o ser humano no dia a dia seja um diferencial. Um diferencial que agrega confiança, que agrega companheirismo, que agrega comprometimento, que traz a pessoa para perto. Não estou afirmando que todos precisam ser amigos, mas
precisam ter uma relação de respeito, de credibilidade, de confiança.

Gerir pessoas sabendo como fazer, ou, no mínimo, tendo a preocupação de que as pessoas tenham bem estar, tenham um ambiente agradável, pode trazer mais benefícios e a produtividade esperada na execução das tarefas diárias.

Não estou falando de passar a mão na cabeça das pessoas, de ignorar falhas, erros. Estou falando de saber mostrar as pessoas, da melhor maneira e da forma mais honesta possível, o que é esperado delas, o que podem fazer para crescer. E não só crescer como recursos
para aquela determinada empresa, mas melhorar como indivíduos.

Pessoas que confiam e tem seus gestores como modelos, tendem a se sentir menos insatisfeitas, mais conectadas ao ambiente que trabalham e acabam, com isso, produzindo mais, e com qualidade. Trabalham com a tranquilidade de saber o que é esperado delas, com a confiança que o que produzem é um diferencial no dia a dia, que o resultado final de seu trabalho, agrega valor para a empresa, para a sua equipe e para si próprio.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Formando em Gestao de empresas em TI, trabalho há 6 anos em uma multinacional de grande porte. Atualmente alocado em um projeto de Aplication Outsorcing da Oi Móvel, na liderança de uma equipe de investigação e desenvolvimento no sistema Siebel 8.

Rodrigo Distasio

Comentários

5 Comments

  • Excelente texto!!! Ao ler há a possibilidade de identificar e se identificar com várias situações ocorridas no dia-a-dia das empresas

  • Rodrigo,
    Se entendi bem, você sugere que a especialização em como tratar os recursos humanos da nossa equipe seja a melhor solução para o sucesso de nossas empreitadas na area de T.I ? Acredito que voce está certissimo. o problema é que muitas vezes os elementos da equipe tem problemas que nenhum gestor por mais hábil que seja conseguirá resolver por ser elementos de competencia interna da pessoa e nenhum meio exteno poderá ajudar a resolver.
    Abraços,
    Ivo

  • Alguem conhece alguma bibliografia que fale sobre gestão de pesosas que trabalham na área de TI?

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.