Gestão de Pessoas

Ξ Deixe um comentário

O que aprendi nas finais da NBA sobre gestão de equipes

publicado por Diogo Kryminice

Figura - O que aprendi nas finais da NBA sobre gestão de equipesEstudando sobre como é desafiadora a gestão de equipes e o melhor aproveitamento de habilidades individuais, pensei em qual tipo trás mais resultado? Uma equipe motivada e tecnicamente equiparada, ou uma equipe inferior com um profissional acima da média como referência e liderança? Uma questão bem complicada essa. Resolvi ligar a televisão e acompanhar o sexto jogo dos playoffs da NBA, não tive como não me empolgar com a lição de liderança que recebi nesse dia, e tenho que compartilhá-la!

A decisão da NBA consiste em sete jogos entre os campeões da conferência leste e da conferência oeste, ganha o título quem levar a melhor nos sete jogos. No caso a série estava em 3 jogos para Golden State e 2 jogos para Cleveland, que tinha obrigação de ganhar para provocar a sétima partida.

O jogo tinha todos os ingredientes de uma grande final, Cleveland jogava em casa e tinha que ganhar, seu principal jogador LeBron James voava em quadra, já o Golden State jogava sem pressão, com um time muito equilibrado,  Stephen Curry é implacável em seus arremessos de três pontos e LeBron, bem, ele é um mito.

Durante vários dias era só o que se falava nos canais de televisão americanos e na mídia esportiva em geral, o duelo de dois gigantes do basquete americano, o já consagrado LeBron James, campeão em duas oportunidades, um dos atletas mais influentes do mundo, recordista de pontos, média de 35.8 pontos, 13.3 rebotes nas finais. E Stephen Cureey em busca da afirmação e de seu primeiro título na NBA.

Cleveland centralizava em LeBron James todas as ações, o restante do time era apático, sem capacidade de reação, os reservas entravam mal em quadra, todas as bolas eram sempre passadas para LeBron, ninguém ousava ou decidia, apenas uma alternativa era utilizada e logo a outra equipe soube neutralizar com eficiência esse recurso.

A equipe do Golden State destruía em quadra, arremessos de três certeiros, rebotes controlados, defesa impecável, todos jogavam, todos pontuavam, e quando a estrela do time, Stephen Curry, caia de produção, o time compensava com mais esforço a queda. Um mecanismo perfeito com engrenagens ajustadas. A vitória foi maiúscula.

Faltando dez segundos para o final do jogo, LeBron James cumprimentou Stephen Curry pelo título, o Golden State Warriors acabava com um jejum de 40 anos sem títulos da NBA, uma série eletrizante que me deixou várias lições sobre liderança e talento, e principalmente sobre o poder de um time motivado e bem liderado. No duelo entre individual e coletivo, desta vez o coletivo foi vitorioso.

O que esperávamos era um duelo particular, uma batalha de guerreiros, porém não foi isso que aconteceu. O que assisti foi um exemplo de time bem liderado, uma aula de um homem, o técnico Steve Kerr. Isso mesmo, o cinco vezes campeão da NBA, que jogou ao lado de Michael Jordan e Scott Pipen no Chicago Bulls naquele lendário time hexacampeão. Centrado, focado e principalmente exaltando cada jogador, tirando o máximo de cada um, aproveitando o que cada um tem de melhor, e principalmente depositando confiança total em seus comandados.

Para mim restou o prazer de ver um jogador reserva do Golden State Warriors, Andre Iguodala ser eleito o MVP (Most Value Player) jogador mais valoroso das finais. Quer prova maior de liderança? Que jogo! Que lição!

[Crédito da Imagem: NBA – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Consultor de implantação de softwares ERP's nas áreas de Gestão, Contabilidade, Fiscal, RH, BI e soluções WEB. Atualmente com o SAGE ERP X3, concorrente do SAP B1 e AIO. Instrutor de Treinamento nas áreas Fiscal, Contábil, RH, Financeira, Vendas e Faturamento, Compras, Estoque e Gestão; Graduado em Administração de Empresas, Participante de grupos de pesquisa acadêmica; Palestrante e colaborador de várias empresas atuantes na área Contábil e Fiscal. Atua há dez anos na área Financeira e de Gestão. Professor dos Cursos de Ótica e Podologia, das matérias de: -Gestão Empresarial e Administração em Saúde -Gerenciamento de Pequenos Negócios e Noções de Recursos Humanos -Psicologia de Vendas

Diogo Kryminice

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.