Marketing & Tecnologia

Ξ 1 comentário

O Marketing Digital

publicado por Elisabeth Schaeffer

1) AS CINCO REGRAS DO NOVO MARKETING. (O Marketing Digital)
O novo marketing tem cinco novas regras básicas, cada qual com sua conseqüência:

– Regra 1: A subestrutura digital muda tudo. Está-se criando uma infra-estrutura que terá um impacto maior sobre a sociedade do que a televisão. Por ser tão abrangente e presente, ela é chamada de subestrutura. A comunicação digital está chegando aos consumidores muito mais depressa do que qualquer outra tecnologia que a precedeu. Conseqüência: o acesso substitui os antigos meios.

– Regra 2: A fidelidade à marca desaparece. A revolução digital estimulou a mudança de marcas. A tecnologia diminuiu a barreira ao surgimento de novas empresas ao permitir a criação de produtos e serviços para segmentos mais estreitos do mercado. Na Internet, a escolha chegará a milhões de itens, nos mais diversos locais espalhados pelo mundo. O processo decisório do consumidor fica fácil e transparente com o uso do navegador e dos programas de busca. Conseqüências: a escolha e o preço têm um valor maior do que a marca; espera-se a novidade.

– Regra 3: Redefine-se o conceito de imagem. A imagem é um elemento importante na difusão dos aspectos intangíveis da marca. Usam-se símbolos e timbres em edifícios, caminhões, embalagens e anúncios para conotar qualidade, confiabilidade e outras qualidades imateriais. No entanto, as novas corretoras on-line, por exemplo, realizam cerca de um bilhão de transações por dia na Internet, atraindo novos investidores. Conseqüência: a presença substitui a consciência da marca.

Regra 4: O cliente torna-se seu próprio “marketeiro”. Está surgindo um novo tipo de cliente e um novo tipo de relacionamento totalmente baseados no acesso, na interface, nos serviços incorporados e nos sistemas inteligentes de informações que operam por trás de tudo.

Conseqüência:  é cada vez mais importante entender  as atitudes do consumidor.

– Regra 5: O marketing será centrado na tecnologia da informação. As empresas precisam planejar e implantar sistemas corporativos que permitam ao marketing integrar-se aos sistemas de informação. Muitas agências de publicidade estão investindo agressivamente na compreensão e no domínio tecnológico da Internet para poder ajudar os clientes a construir as marcas por meio de sites ricos em interatividade. Conseqüência: o novo marketing captará conhecimento continuamente.

2) O NOVO PERFIL DO PROFISSIONAL DE MARKETING.

              Ele necessita lidar com as tecnologias disponíveis que facilitará a comunicação com seus clientes.

            2.1) ANTIGAS QUESTÕES:

  • Quais são os melhores mercados para determinado produto?
  • Quais são as principais características do produto analisado?
  • As características dos clientes variam de acordo com o uso do produto?
  • Qual é  a estratégia de posicionamento frente a concorrência?
  • Qual é o mercado potencial para este novo produto?
  • Qual é o seu market share frente a determinados produtos?
  • Quais são os potenciais de consumos de regiões por classes sociais?

Estas respostas, normalmente, são buscadas através das ferramentas como pesquisas, avaliação de desempenho em outros tempos, projetando para uma nova realidade, mas muitas vezes não conseguindo atingir suas metas. Pois nem sempre atingimos o público necessário. As pesquisas muitas vezes são feitas por amostragens que podem não refletir a realidade.

O NOVO PROFISSIONAL DE MARKETING

O profissional olhando o marketing atual que pode possuir a  “digitalização de tudo“, necessita questionar outras variáveis como:

  • O seu concorrente já está na Internet?
  • O que ele está fazendo na Internet?
    • Divulgando a marca;
    • Propaganda;
    • Divulgando conteúdo para atrair o consumidor;
    • Divulgando a empresa como instituição; (sites institucionais)
    • Vendendo;
    • Disponibilizando serviços para seus clientes e força de vendas;
    • Ou somente ocupando um espaço sem agregar nada;
    • Como está se apresentando, qual o design do seu site.
  • A força de vendas do concorrente tem tecnologia suficiente para melhor atender o cliente e agilizar os pedidos na organização?

As respostas a estas perguntas entram na conceituação de projetos e formam relatórios de  pesquisa que auxiliam na definição das suas metas que visualizam o novo canal de comunicação com seus distribuidores e/ou consumidores finais.

A evolução do consumo, a mundialização dos hábitos, os direitos e exigências do consumidor, nos fazem buscar um novo canal de mensagens e serviços mais barato e que atinja quase todos os públicos e povos.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Analista de negócios na empresa Vulcabras|Azaleia. Atendendo as áreas de Marketing e Logística (expedição). Vários projetos sob a sua coordenação técnica, como exemplo: - Portal E-Business para clientes - Portal Focometria Clientes - Automação de Forças de Vendas (escritórios de representantes bem como os vendedores com mobile systems) - Automação de armazem de acabados usando coletores RF e código de barras.

Elisabeth Schaeffer

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes