Mercado

Ξ 2 comentários

O futuro dos ERP’s

publicado por Cezar Taurion

O futuro dos ERP'sEm um dos recentes eventos que participei surgiu um debate interessante sobre o futuro dos ERPs, diante das ondas tecnológicas que estão quebrando sobre nós, ou sejam, as ondas da Cloud Computing, mobilidade, Social Business e Big Data. Como foi uma conversa aberta, no intervalo do cafézinho, pudemos colocar algumas idéias inovadoras e eventualmente disruptoras. E como toda disrupção, gera muita reação contrária… Mas, instigar é necessário e creio que vale a pena compartilhar o que foi debatido.

Interessante que o ERP também teve seu grande momento. Lembro que há pouco mais de uma década atrás as implementaçõe de ERP eram medidas pela gradiosidade de seus projetos. Falava-se com orgulho dos milhões de dólares que seriam investidos (ou gastos) em sua implementações. Muitas foram muito bem sucedidas e outras, fracassos retumbantes.

Havia muita expectativa com seus resultados e cheguei a ouvir, isso em fins da década de 90, um CEO dizer que após o ERP ele conseguiria “se livrar de sua área de TI”, pois tudo o que ele precisava estava no ERP… Ilusão, pois depois da implementação dos ERPs as áreas de TI cresceram mais que nunca pelo simples fato que o ERP atende apenas a uma parte das necessidades de informações das empresas. E esta parte está cada vez menor.

Mas o motivo que levou às empresas adotarem ERP como espinha dorsal de sua TI tem sido, irônicamente, seu “calcanhar de Aquiles”. A integração entre processos, um banco de dados central com visão única da verdade são extremamente positivos, mas tornam a empresa inflexivel e rígida demais para se ajustar a dinâmica dos negócios atuais. Mesmo com parametrização e customizações, a velocidade das mudanças nos atuais cenarios de negócio e a entrada acelerada de novas tecnologias faz com que o ERP pareça um imenso petroleiro manobrando no oceano.

O debate se centrou neste aspecto. A arquitetura atual dos ERPs é adequada ao cenário de negócios do século XXI? O mundo de 2020 comporta um ERP como os de hoje?
Flexibilidade e agilidade torna-se um fator de vantagem competitiva e um sistema que demora a responder passa a ser um problema e não solução.

Algumas ondas tecnológicas estão transformando o cenário da TI. A Computação em Nuvem está comoditizando os servidores, transformando hardware em software e criando novas expectativas de como as empresas passam a consumir recursos computacionais. A mobilidade e a consumerização deslocam o eixo gravitacional da entrada de novas tecnologias da área de TI para os usuários. Os apps móveis exploram novos intrfaces, intuitivos e “context-aware”, totalmente diferentes dos interfaces dos ERPs atuais, voltados para teclado e mouse, com interfaces pouco intuitivos. Além disso os recursos especificos dos dispositivos móveis, como geolocalização permite que invertamos a concepção dos processos. A potencialidade dos recursos dos dispositivos móveis passam a ser refletidos no projeto do aplicativo. Ao invés de pensarmos no smartphone como apenas um meio adicional de entrega de informações, ele passa a ser o cerne do porjeto. A exploração dos recursos como acelerometros, GPS, etc, passam a orientar os processos que serão implementados no aplicativo. “Mobile centric” torna o dispositivo móvel o centro da operação e os processos giram em torno dele. É uma maneira diferente de se projetar sistemas.

Além disso, os ERPs devem se inserir no contexto do Social Business. Isto implica que muitos dos processos passam a ser colaborativos e processos lineares e individualizados precisam se reengenheirados para se tornarem “sociais”. Os ERPs devem se integrar às platformas sociais. Social passa a ser o modelo de interface predominante. Torna-se uma funcionalidade “must have”.

Este novo contexto tem algumas caracteristicas próprias:
a) a velocidade de inovação dos apps móveis extrapola a capacidade de qualquer vendedor de software de atender às demandas. É necessário criar um mecanismo que permita os usuarios desenvolverem seus aplicativos e os conectarem ao ERP.
b) a computação em nuvem permite que o ERP possa operar fora da própria empresa e com isso acaba se tornando mais flexivel, se moldando muito mais facilmente às variações de demanda do workload.
c) O conceito de social business faz com que as redes de conexão entre funcionarios e clientes se espalhe além dos limites da empresa, criando um novo cenário, mais abrangente. Afinal este cenário já estava descrito por Nicholas Negroponte em seu livro “Being Digital” de 1995, quando ele disse “computing is not about computers anymore. It is about living”.

A minha tese (pessoal) é que os ERPs se transformarão, deixando de ser um aplicativo imenso e monolítico com tudo integrado para se tornarem uma plataforma, acessável por meios de APIs. Continua sendo o core dos processos, mas aberto a criação de novas funcionalidades e apps. Passa a ser um conjunto federado de módulos, “loosely coupled”, integrados por uma arquitetura SOA. Na concepção de cloud, podemos pensar em um modelo PaaS, onde a base são os módulos com as funcionalidades essenciais e os aditivos escritos pelos usuarios e ecossistema. Um modelo similar ao adotado pelo force.com.

Este novo design tem uma característica própria. Com cloud computing ele pode ser adotado não apenas pelos grandes fornecedores de ERP atuais, mas está aberto a novos entrantes, o que gera um cenário instigante. Será que os ERPs atuais estarão conosco até o fim da década ou outras alternativas surgirão, ocupando seu espaço?
Para os atuais fornecedores o modelo de cloud altera de forma radical seu modelo de negócios, baseado em vendas de licença e altos custos de manutenção. Não é simples transformar modelos de negócio, mas é uma questão de sobrevivência. Pela teoria de Darwin, não são os maiores e mais fortes, mas os mais adaptáveis que sobrevivem. Veremos…

Outra mudança, a meu entender, que virá com este aproach de APIs e cloud, será a diminuição da dependência da empresa a um unico fornecedor de ERP. Poderemos ter acesso a varios, mesmo porque estando em nuvens fora de casa os problemas de instalações fisicas diminuem drasticamente. E com a evolução da tecnologias de interoperabilidade entre nuvens a conexão entre eles ficará bem mais facilitada. O ponto de entrada para acessar funcionalidades provavelmente passará a ser via app stores, internas e/ou públicas. E qual ERP atenderá a demanda dos apps vai ficar invisivel ao usuario…

Interessante, mas quando olhamos de forma diferenciada para o efeito das ondas tecnológicas podemos visualizar efeitos dramáticos no atual cenário da TI. A propria consumerização ou movimento “power to the people” gera a força necessária para a mudança de uma TI rigida e controlada por um departamento específico como temos hoje para approaches mais abertos, colaborativos e flexíveis, onde a TI deixa de ser a pastora das ovelhas para ser uma advisor dos usuarios. Instigante, mas creio que vale a pena pensar sobre o assunto e seria ótimo ler suas opiniões.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Cezar Taurion é head de Digital Transformation da Kick Ventures e autor de nove livros sobre Transformação Digital, Inovação, Open Source, Cloud Computing e Big Data.

Cezar Taurion

Comentários

2 Comments

  • Sou analista/programador/desenvolvedor desde os tempos em que TI resumia-se aos sistemas em mainframes.
    Passei pelo período de downsizing até chegar nas plataformas baseadas nos ERP’s. Onde trabalhei mantinhamos um sistema legado desenvolvido internamente e a empresa tinha como objetivo passar tudo para o ERP adquirido.
    A princípio fiquei impressionado com tudo que o ERP englobava: todos os módulos de todos os departamentos interligados, ou seja, na teoria é o que o sistema permitia fazer. Parecia que o sistema proprietário estava fadado ao desaparecimento, substituído por ERPs que passariam a ser apenas mais um novo commodity para o mercado.
    Mas com o tempo percebi que configurar um ERP para toda empresa era extremamente complexo, pois se a empresa como um todo não se esforçasse para este objetivo parecia esta meta não seria nunca atingida. E sempre tem áreas da empresa que são verdadeiras “ilhas”.
    Estes esforços muitas vezes eram “atropelados” por novas necessidades de negócio, então o foco passava a ser o sistema legado que tinha muito mais agilidade para se adequar às novas necessidades. E assim foi. Eu saí da empresa mas sei que o sistema legado ainda continua a todo vapor nesta empresa.
    Numa das entrevistas de emprego, um dos sócios de uma empresa de distribuição tinha como preocupação o sucateamento do parque de máquinas que suportavam todo o negócio da empresa. Ele precisava de alguém que gerenciasse aquele “abacaxi”. Acabei não sendo efetivado, mas na ocasião (que não foi tanto tempo atrás) era propor uma computação em nuvem, embora a idéia fosse demasiadamente ousada para aquela ocasião. Nem sei se ele aceitaria um risco tão grande. Porém, hoje vejo que, mesmo que o projeto não fosse bem sucedido, estrategicamente não estava errado.
    Quanto à mudança no cenário da TI, supondo que algum dia não vá mais existir num departamento específico e que todos os profissionais desta área sejam “diluídos” pelos outros departamentos.
    Bem eu já tive esta experiência parecida em duas ocasiões na minha vida profissional: talvez seja um caso pessoal, mas eu me sentia um verdadeiro órfão: não era nem totalmente da TI e nem totalmente do departamento em que minha atividade estava centrada.
    Eu era “o cara” da TI, pronto para resolver questões técnicas do departamento, tanto para resolver problemas mais prosaicas em computação, como para elaborar novas informações estratégicas para o departamento, etc. Mas eu não era propriamente alguém “normal” do “core business”, então nem sempre era chamado para discutir algumas questões intrínsecas ao negócio.
    Por outro lado, embora tivesse o respaldo da TI, era considerado um recurso do departamento X.
    Então, nem sempre as minhas necessidades urgentes eram considerados prioridades para TI.
    Se este tipo de relacionamento vingar no futuro da TI, eu não sei se vai ser parecido com a minha experiência, mas espero que não, pois não foi muito bom.

  • O que será de empresas como a SAP e seu elefante branco?

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.