Carreira

Ξ 6 comentários

Empresas mecanicistas estão com os dias contados

publicado por Alexandre Fernando

Algumas empresas de TI ainda não entenderam o recado. Parece que elas estão trabalhando no início do século passado, baseadas em conceitos que não se aplicam atualmente, ainda mais em uma área inovadora e dependente de mão de obra altamente especializada como a área de TI.

Tempos modernos com chaplin, toyotismo e fordismo parecem ser as únicas fontes inspiradoras para a formação da base do relacionamento dessas empresas com a sua mão de obra.

Os tempos mudam, as épocas passam, a sociedade rejuvenesce e busca talentos criativos e inovadores todos os dias. Não há como ser inovador e criativo em um ambiente altamente rígido e que impõe certo terror aos funcionários.

Ouvi um relato estarrecedor: uma empresa de TI em São Paulo, procura profissionais no mercado, como várias outras. O candidato a funcionário resolve aceitar a proposta por questões de crescimento profissional e abre mão de uma carreira sólida, mas, estagnada.

A empresa aceitou 30 dias de aviso prévio, prometeu que ele poderia dar algum suporte ao seu antigo emprego até que eles estivessem totalmente estabilizados e aceitou que ele concluísse um período de férias já programado.

Parecia o casamento perfeito do funcionário motivado e o símbolo de empresa moderna e arrojada.

Primeiro dia de trabalho: o agora já funcionário, descobre que as coisas não eram bem como lhe foi contado na entrevista.

A lista de proibições incluiam : sem telefone (nem celular), ligações particulares nem pensar. Sem visitas ao e-mail pessoal, internet então, impossível. MSN e outros comunicadores instantâneos são abominados. É entrar, sentar e trabalhar, 8 horas, initerruptamente, além da infraestrutura de TI ser bem diferente do que lhe havia sido informado pelo entrevistador.

Resultado: o funcionário, suportou apenas um dia de trabalho. Pediu demissão. Uma pessoa íntegra, com conhecimento específico apurado, certificações, nível superior, senso ético aflorado, e motivado e disposto a vestir a camisa da empresa.

Esse para mim é o exemplo de como uma pessoa que tem um futuro brilhante pode ir da motivação à desmotivação em um único dia de trabalho. Como que uma empresa de TI pode ter um ambiente tão pesado impondo uma rotina tensa aos funcionários. Deve ser cultura da empresa, só pode ser. É clássico de empresa que não consegue resolver seus problemas internos e resolve aplicar técnicas de organização da mão de obra um tanto que ultrapassadas.

Empresas com esse perfil estão fadadas ao fracasso. Isto não é mais aceito. O conceito de mão de obra foi substituído pelo conceito de colaborador e de recursos humanos. A aplicação da responsabilidade, autoridade e do trabalho movido por resultados.

Algumas áreas do trabalho precisam de um tratamento mais rígido, mas, certamente não exagerado.

Na área de TI a inovação, a busca pelo conhecimento e a criatividade precisam de ambientes modernos, arrojados e leves para se desenvolverem.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Programador Sênior e Consultor ERP. Atua em projetos na área de desenvolvimento de sistemas corporativos desde 1995. Graduado Tecnólogo em Informática para a Gestão de Negócios (2010) FATEC - Faculdade de Tecnologia de Jundiaí http://www.fatecjd.edu.br BLOG

Alexandre Fernando

Comentários

6 Comments

  • Concordo plenamente. O trabalho com Tecnologia exige que o profissional seja mantido “à rédea solta”, pois é um trabalho que exige profunda concentração e uma mente aberta para que se consiga pensar “fora da caixa”. Com restrições demais, o funcionário perde a capacidade de resolver problemas com soluções criativas e inovadoras, acabando com sua motivação. Há que se pensar que, se um funcionário de qualquer setor quiser enrolar, ele vai enrolar. Ao invés de navegar na internet, vai instalar um ponto de rede na sala de cafezinho e ficar carregando papel de um lado pro outro pra fingir que está trabalhando. O que se deve fazer é ESTIMULAR a criatividade, não podá-la

  • Oi Alexandre!

    Depreende-se das suas políticas que o que esta empresa quer não é dos trabalhadores mas escravos …

    Não era isso abolido mais de 100 anos em muitos países?

    Inovação – e productvity alta – requer uma mente estimulada, e não políticas, que coloca uma pessoa em uma caixa.

  • Eu também concordo com tudo isso. Sempre trabalhei em empresas que, infelizmente, tinham este conceito. Houve até caso em que o coordenador de TI tinha acesso a MSN, Telefone a vontade, entrava e saía a hora que queria. Os analistas, que tinham que resolver o problema, tinham ligações particulares monitoradas, não tinham acesso a MSN, horário para entrar (e não para sair). E quando ocorriam problemas no sistema ? Os analistas estavam presentes, e o coordenador: Plantão remoto!!! Os prazos sempre eram cumpridos. Quando me revoltei com tudo e nada mudava, pedi demissão, devido a esta mentalidade retrógada. É claro, a pessoa tem que ter responsabilidade. Na empresa, todos nós tinhamos, e o único que não via isso era o coordenador.

  • Caríssimos, isso ainda existe? SIM.

    Trabalhei em empresas onde a política era: Se não está vinculado diretamente aos interesses da empresa, não precisa.

    Hoje, trabalho numa empresa que determina acesso restrito a e-mails e no máximo Linkedin. Mídias sociais, nem pensar…!

  • Em todos lugares que trabalhei, me fizeram várias promessas nas entrevistas e quando comecei a trabalhar, tudo mudou. Nenhuma promessa foi cumprida! E não precisei nem de um mês para perceber. Isso é uma coisa que te desmotiva totalmente. É como se fizesse um acordo, na verdade é um acordo, onde uma das partes não faz o seu papel. E aí? Como proceder? O engraçado é que depois você é tachado como mal profissional, sem determinação por aí vai…

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.