Carreira

Ξ 8 comentários

Os caras da Informática já foram mais respeitados

publicado por Rafael Sá Oliveira

Picanha no espeto, fogo alto na churrasqueira e uma cervejinha gelada na mão – Ambiente totalmente impróprio para discussões sobre TI, não é mesmo? Mas foi exatamente assim que brotou a ideia do meu primeiro artigo, isto porque neste churrasquinho de final de semana estavam grandes e experientes profissionais do ramo de tecnologia da informação, telefonia e grande porte.

No auge de minha pouca idade e humilde experiência, comparado com os senhores presentes, resolvi fazer uma pergunta: – O que mudou nesses últimos 30 anos para os profissionais de TI?

O que se sucedeu foram inúmeras abordagens e opiniões de grande aprendizado para mim; mas uma frase dita por uma Analista de Sistemas de grande porte, semeou o silêncio e vários balançares de cabeça em concordância: – “Os caras da Informática já foram mais respeitados!”.

Compilando os argumentos de todos escrevo este texto para informação e reflexão.

Nos tempos atuais, onde a terceirização de serviços se tornou um sólido recurso para as empresas, quem mais sofre são os empregados; mas por quê? Há duas décadas, se contratava um profissional por sua capacidade técnica e seu poder de apagar incêndios, algo prático para empresas e funcionários, nos bons e maus momentos, criando um vínculo entre eles. Em contra partida isso gerou também o enaltecer de “os  caras”, aqueles que detinham o conhecimento de uma determinada área, enquanto os outros funcionários e a empresa jamais sabiam o que, e como, eles realizavam tudo. Claro que um dia isso teria que mudar para a garantia de que o conhecimento passasse a ser da empresa e não de um funcionário…e mudou!

Hoje o que se vê são esses mesmos profissionais de 30 anos atrás botando a mão na massa durante 10% do seu tempo de trabalho e na maioria restante elaboram relatórios de execução de atividades e de testes para que as empresa terceirizada possa ter subsídios na hora de provar a realização dos serviços ao cliente; eles não vestem mais as camisas das empresas dos clientes, pois sabem que amanhã estarão trabalhando em novos contratos. O Protecionismo da informação estimulado pelas empresas, apesar de necessário, é usado de forma ineficaz e apenas muda-se o dono do conhecimento: Antes era “o cara” agora são “os terceiros”. Em suma: os clientes continuam reféns dos outros.

Nessas 3 décadas, muitos profissionais tiveram que se adequar as novas práticas e ao mercado e conseguiram com louvor, porém restou um ar saudoso do tempo em que os caras de TI provavam sua capacidade realizando o que precisavam, e não deixando de trabalhar 90% do tempo.E por isso, estes profissionais de larga experiência, “dinossauros” para quem gosta do termo (eu não gosto), não se sentem tão valorizados como antes, e não devido aos salários, já hoje são bem mais atrativos que anteriormente, mas sim em virtude do ambiente de trabalho, da falta de vínculo com a empresa e do respeito adquirido por suas realizações.

Nos tempos em que a informação tem maior valor que o dinheiro é extremamente necessário cuidar deste bem com a devida atenção e há de se pensar nos negócios, porém não ao preço de minimizar a participação de grandes profissionais e suas benfeitorias. Os grandes comerciantes de serviços de tecnologia da informação devem entender que o maior bem que uma empresa pode adquirir, e que deve manter, são seus recursos humanos.

Se não abrir os olhos para estes acontecimentos e começarmos a refletir sobre o real valor das coisas, daqui a alguns anos estes poderão acontecer com você. Está preparado para ser menos respeitado pelo mercado?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

RAFAEL SÁ OLIVEIRA Gestor de TI, com 12 anos em TI, adequado e certificado nas boas práticas da ITIL® , CobiT®, ISO 20000 e Balanced Scorecard , com conhecimento em Gerenciamento de Projetos, Gerenciamento de TI, Administração Estratégica, Gestão de Pessoas e de equipes de alto desempenho, treinamento e capacitação de equipes. ✔ rsobsb.comAbout.meLinkedInTwitter

Rafael Sá Oliveira

Comentários

8 Comments

  • Muito bom! Este é um profissional que entende de sua profissição. Continue assim!

  • Obrigado meu Caro Marco pelo elogio!
    Fico feliz que tenha gostado do artigo!
    Abraço!

  • Tenho a mesma visão sobre o assunto. Acho que a informação da empresa é muito valiosa, e os profissionais que cuidam dela deveriam ter uma relação mais íntima com a empresa e seu material humano, coisa que, na minha opinião, jamais uma terceirizada poderia ter.

    • Pois é Pedro, é como costumo dizer:

      A energia de ativação depende da Área de contato

      Quanto menor for o contato, menor é a intimidade; motivo pelo qual relacionamentos a distância não costumam dar certo, seja no campo pessoal e no profissional!

      Grande Abraço e volte sempre!

  • Caro Rafa,

    Gosto muito da maneira como vocêe escreve e da sua abordagem em relação ao assunto. Parebens pelo artigo!!

    Destaco também, que não é apenas na área de TI que isso está acontecendo, essa “desumanização dos recursos humanos” está tomando conta de todas as áreas e realmente precisamos refletir sobre o assunto e tomar atitudes antes que seja tarde demais!

    Abraço!

    • Obrigado minha cara Ana pelos elogios e contribuição!

      Volte sempre!

      Abração!

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.