Desenvolvimento

Ξ 2 comentários

O mercado e o desenvolvimento para dispositivos móveis

publicado por Aluizio Araujo

Olá a todos, este é o meu primeiro artigo para a TI Especialistas. Pretendo numa seqüência de artigos, ambientar o leitor (seja ele desenvolvedor ou não) a respeito do mundo de desenvolvimento para dispositivos móveis sempre voltado para negócios. Boa leitura!

Substituir caneta, papel e as famigeradas maletas com pastas contendo prospectos de produtos, tabelas de preços, fichas com nome dos clientes por apenas um dispositivo que cabe na palma da mão que possa armazenar essas e muitas outras informações é uma idéia tentadora e está em plena expansão.

A demanda por recursos tecnológicos que proporcionem maior praticidade e agilidade na realização de tarefas cotidianas seja em casa, no trabalho, nos momentos de lazer ou até mesmo no trânsito, tem exigido dos fabricantes de eletrônicos portáteis como celulares, tablets, smartphones, Personal Digital Assistants (PDAs) cada vez maior superação na criatividade e inovação a fim de atender a este requisito.

À estes dispositivos, outras tecnologias como: 3G, GPS, Wifi, etc., foram agregadas e permitiram aos usuários inúmeras possibilidades de utilização, como jamais se pensou. Por este motivo eles estão ocupando cada vez mais espaço na vida das pessoas.

De acordo com ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações), foram registrados até maio de 2011 mais de 215 milhões de acessos na telefonia celular e só nos primeiros meses deste ano mais de 12 milhões de novas habilitações. Este número corresponde a 5,95% de crescimento em relação aos últimos onze anos.

No mercado corporativo a utilização do conceito de mobilidade também está em plena expansão, é a chamada “força de trabalho móvel”. Por isso diversas empresas estão buscando incorporar aplicações móveis a seu dia-a-dia para agilizar seus negócios e integrar as aplicações móveis com seus sistemas de back-end.

Um estudo patrocinado pela Unisys Corporation e conduzido pela International Data Corporation (IDC), mostra que no Brasil, 37% dos chamados trabalhadores de informação, ou iWorkers (funcionários que utilizam as tecnologias da informação como parte de seu dia a dia) utilizam smartphone para acessar aplicações de negócios nas suas empresas, tornando o país um dos líderes neste tipo de uso deste dispositivo no trabalho.

Mais uma vez podemos perceber o quão crescente é este nicho de mercado e o tamanho da oportunidade criada para a área de desenvolvimento de sistemas móveis.

Contudo, desenvolver aplicações móveis, apesar de toda essa estatística empolgante e enorme crescimento tecnológico á disposição, trás á tona um antigo paradigma do desenvolvimento software que é a portabilidade da aplicação.

Portabilidade refere-se á capacidade de um determinado programa de computador ser compilado ou executado em diferentes arquiteturas ou sistemas operacionais.

Cada dispositivo pode ter ou não um sistema operacional. Existem no mercado diversos sistemas operacionais diferentes: Windows Mobile, Android, Symbian, Blackberry, Bada, Palm OS, Mac OS X, etc.

É exatamente este paradigma que torna difícil a vida dos desenvolvedores de sistemas, particularmente os de dispositivos móveis, pois todos os dias novos dispositivos, novos recursos e novas versões dos sistemas operacionais são lançados por empresas que são referência tecnológica para todas as outras, empresas como: Google, Microsoft, Apple, entre outras. Essa enorme quantidade de novidade faz com que as pessoas troquem de dispositivo cada vez mais rápido.

Segundo estudos divulgados recentemente, o tempo de troca de celular baixou de 22 meses em 2003 para menos de 12 meses em 2011. Este número deve cair ainda mais.

Portanto, ao escolher o dispositivo para desenvolver qualquer aplicação, deve-se procurar sempre aquele que primeiramente tenha os recursos de que a aplicação necessita, observar a linguagem de desenvolvimento que pareça mais familiar e principalmente, escolher bem o sistema operacional no qual a aplicação irá rodar, uma vez que, quanto mais dispositivos rodarem a aplicação, maior a quantidade de possíveis clientes.

Bom pessoal chegamos ao fim deste artigo. Nos próximos textos falaremos sobre: IDEs, linguagens, componentes, enfim, muito assunto pela frente. Espero que tenham gostado. Até a próxima!

Referências:

UNISYS CORPORATION

ANATEL, http://www.anatel.gov.br/Portal/exibirPortalInternet.do#

WIKIPEDIA, http://pt.wikipedia.org/wiki/Dispositivo_m%C3%B3vel

POWERS, Lars; SNELL, Mike. Microsoft 2008 Unleashed. Indianapolis: Pearson Education, Inc., 2008.

TROELSEN, Andrew. Profissional C# e a Plataforma .Net 3.5 Curso Completo: Dominando completamente o Universo .Net. Rio de Janeiro: Alta Books Editora, 2009.

WIGLEY, Andy; ROXBURGH, Peter. Building .Net Applications For Mobile Devices. Washington: Microsoft Press, 2002.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Desenvolvedor de sistemas para dispositivos móveis (Windows mobile / Android). Graduado em Sistemas de Informação pelo CEFET. Pós-graduando em Gestão de Tecnologia da Informação pela Faculdade Alfa. Especialista em Análise e Projeto de Software Orientado a Objetos pela LG Formando Talentos. Experiência como consultor de Business Intelligence e sistemas CRM.

Aluizio Araujo

Comentários

2 Comments

  • “Cada dispositivo pode ter ou não um sistema operacional.”
    Tecnicamente, todo dispositivo tem um sistema operacional. Acho que você queria dizer que um dispositivo pode ou não ser smart (ter SDK e permitir a criação de apps), certo?

    • David, muito obrigado. Sua observação está corretíssima. Grande abraço.

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.