Carreira

Ξ 4 comentários

Como se manter empregado?

publicado por Alberto Parada

Como se manter empregado?Semelhante ao casamento, o início em um novo emprego começa com a lua-de-mel onde tudo é novo e maravilhoso. É o momento do conhecimento mútuo onde todos são solícitos e amáveis. Entender como as coisas funcionam, quais são os processos formais e informais da empresa, assim como no casamento onde definimos os limites de cada um, o que pode e o que não pode ser feito e quem é responsável pelo quê. Mas, principalmente: o que se espera da relação que acaba de nascer.

As contratações acontecem por uma necessidade específica da corporação, que podem ser um novo cliente, uma alteração de estratégia ou até uma mudança de chefia.

É muito comum o profissional ser contratado para uma atividade e ser alocado em outra bem diferente da inicial. Para os técnicos, estas mudanças estão limitadas a clientes, projetos ou chefia. Dificilmente um especialista em uma tecnologia é levado a atuar em outra que pouco ou nada conhece. O que está longe de ser verdade para quem assume um cargo de liderança ou gerência. Quantas vezes um gestor é contratado para responder por um cliente e, quando assume, é designado para coisas absolutamente diferentes?

No casamento, as coisas não são muito diferentes. Casa-se com uma expectativa e, meses depois, descobre-se que está anos-luz do que se pretendia na época de namoro.

Manter-se vivo no matrimônio e empregado na corporação é uma tarefa que requer muita habilidade. Para os técnicos o esforço é menor. Sua empregabilidade está muito mais ligada ao que conhece do que quem ele conhece; sua formação e conhecimento são os grandes avalizadores do seu emprego. Mesmo tendo chefes ou clientes que não morram de amores por ele, raramente são cortados por um comportamento ou por situações políticas. Normalmente seu risco de corte está mais ligado ao final de um projeto ou de uma operação.

A dica para este profissional é manter-se atualizado e plugado nas oportunidades do mercado. Normalmente elas surgem através da rede de relacionamento dos pares, ou dos antigos gestores.

Os técnicos são como as pessoas que namoram. Possuem uma boa aparência, são inteligentes e as oportunidades de relacionamento sem grandes compromissos e com muitas emoções são enormes.

Para os profissionais que, semelhantes aos casados, possuem outro tipo de responsabilidade, sua segurança profissional não está mais apenas no seu conhecimento. Ela é ligada fundamentalmente à politica de boa vizinhança. Como no casamento, garantir o emprego é saber viver bem com os amigos e familiares do cônjuge. Uma política mal feita pode representar, por melhor que se seja e por mais desempenho que se tenha, o final da linha em uma relação.

No mundo corporativo não é diferente. Um excelente trabalho no cliente, uma venda estrondosa ou uma lucratividade acima da esperada em um projeto não são, necessariamente, garantia de tranquilidade. Nada adianta ser um higth potetion se a relação interpessoal com quem decide sua vida na corporação é ruim.

Quantos casos de profissionais medíocres bem relacionados você conhece que se mantém no emprego por serem bem relacionados com quem decide? É semelhante àquele cunhado chato que ninguém na família gosta mas que todo mundo engole porque é queridinho de alguns.

Na verdade para quem quer ter sucesso na vida corporativa como gestor ou na vida conjugal tem que desenvolver a habilidade da boa vizinhança. Isso não quer dizer ser “puxa saco”, pelo contrário. Estes são os primeiros a serem cortados. No mundo corporativo tem que estar perto de quem decide e saber como ganhar a sua confiança. Até porque maus resultados se justificam, mas falta de confiança não. Semelhante à vida pessoal, pois, por mais que a sua esposa possa amá-lo, ter a aprovação da sogra é garantia de uma relação longínqua e tranquila.

[Crédito da Imagem: Se manter empregado – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Fundador do : descomplicandocarreiras.com.br

Alberto Parada

Comentários

4 Comments

  • Permita-me discordar do artigo, mesmo técnicos bons perdem seus empregos por questões políticas e não de conhecimento.
    Quanto ao texto pareceu-me uma comparação já bastante utilizada entre emprego e casamento e que , pelo menos eu, não considero real.
    Uma análise freudiana do texto mostra uma pessoa, aparentemente, com dificuldades em lidar tanto com a perda de emprego ( a culpa é do Outro e nunca do Eu) como com o casamento pois pelo jeito só é bom enquanto não há compromisso.
    Abraço

  • Excelente Matéria Parada!

    Sua mensagem vai ao encontro do “âmago” da realidade organizacional e abre os nossos olhos em todos os sentidos, pois a relação interpessoal é a parte mais importante de nossas vidas corporativas. Segundo o Guia PMBOK, o Gerente de Projetos destina 90% de todo seu esforço a chamada “Comunicação”; se um Gerente se comunica todo esse tempo com as pessoas, muito provavelmente, todos os que fazem parte dos canais de comunicação se comunicam simultaneamente o que nos leva a perceber que ter amigos e fazer amigos, com quem e em quem se possa confiar é algo válido em todas as esferas envolvidas.

    Forte Abraço e mais uma vez: Parabéns!!!

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes