Carreira

Ξ 4 comentários

Será que é uma bobagem?

publicado por M.C.Sisi

Parece bobagem…
mas será que é mesmo?

Gostaria de propor aqui uma reflexão em nossa busca por melhores resultados.
Muitos de nós passamos nossa formação toda em escolas tradicionais, nada muito diferente, moderno ou revolucionário. Neste ambiente, muitas vezes encontramos algum grau de dificuldade  na assimilação de conteúdos específicos, dentro da matemática, ciências, português ou qualquer outra. Muito provavelmente algo bem específico como por exemplo o que são hiatos ou quais as partes da flor.

 

O conjunto de informações que recebemos sobre o mundo em que vivemos é realmente muito interessante. Perceber a existência do ar, conhecê-lo um pouco mais e assim por diante em relação a todos os conteúdos.
Mas, sua especificidade é bem cansativa para a maioria de nós. A não ser em assuntos onde nosso interesse se vê desperto por algum motivo especial, todos os demais nos parecem “cultura inútil”, informações que não terão um uso prático a curto e médio prazo. Dispensáveis neste momento, de maneira geral.
Essa “maneira de ensinar” focada em conteúdos vem sendo questionada há bastante tempo e o MEC, atento a isso, redesenhou diversos percursos na transmissão de conteúdos. Vem orientando o meio educacional para ampliar o raciocínio e a capacidade crítica do indivíduo. Apoia fortemente a pesquisa em todos os níveis de ensino. A intenção é despertar o aluno para suas capacidades próprias, seu potencial de assimilação, interpretação e inovação. É fornecer uma educação mais robusta, encorpada, com fundamento e lógica pessoais, não apenas repasses.

 

Nós professores, habituados a retransmissão de conteúdos, sentimo-nos “tentados” a acreditar que saber, por exemplo, o que é um navegador (programa utilizado para navegação na internet – internet explorer, firefox, chrome etc) é uma informação básica e fundamental. Sem saber isso como manter uma comunicação sobre o assunto?
Pode ser… pode até ser que a comunicação sobre o assunto realmente precise dessa “base”. Mas certamente, como já está provado, no uso do aparato, da ferramenta navegador, em sua utilização diária para os fins a que se propõe, esse conhecimento é totalmente desnecessário. Milhões de usuários beneficiam-se dos navegadores para seus passeios pela internet e não sentem a menor falta em saber que seu nome é esse: navegador. Isso de maneira nenhuma os impede de usá-lo em seu benefício.
Ora, mas então seria mesmo necessária a cobrança desta informação numa prova, por exemplo? Num concurso? Faria sentido “avaliar” o indivíduo, sua competência na manipulação da ferramenta, sua produtividade nela, baseando-se no fato de que ele sequer sabe o nome da ferramenta?

 

Particularmente acredito que não.

 

Me faz muito mais sentido pessoas aptas a realizar uma análise sobre quem são, onde estão e para onde querem ir. Capazes de avaliar, comparando ou experimentando, os percursos possíveis para si. Planejando estas ações. Realizando estes projetos e descobrindo neste caminho quais suas melhores opções. Pessoais.
A idéia não é nova, muitos pensadores a defenderam, mas ainda me fica a pergunta: como poderíamos nós, professores com esta percepção, implementá-la?

Aguardo sua sugestão!

Obrigada.

p.s.: de quais maneiras poderíamos nos valer das novas e antigas tecnologias, dentro do atual ambiente escolar padrão, para atingir este intento?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Autor

Especialista em Educação e Tecnologias da Informação e Comunicação :::Summary Atuo em TI desde 1991 com capacitação de equipes, consultoria e palestras em instituições de ensino públicas e particulares e empresas em todos os níveis hierárquicos. :::Specialties TIC - Tecnologias da Informação e Comunicação. EAD - Educação a Distância. Analista de Sistemas Web. :::Education Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - campus Senhor do Bonfim - Licenciatura Plena em Tecnologias da Informação e Comunicação, 2010 - 2014 Universidade Cidade de São Paulo - Especialista, Tecnologias e Educação a Distância, 2010 - 2011 Fundação Armando Alvares Penteado - Licenciada, Artes Plásticas, 1989 - 1991 :::Interests Sementes todas... as que se espalham, que germinam, as que morrem sem germinar... ... não importa muito onde vão parar, são sementes... contém em si, infinitas possibilidades.........

M.C.Sisi

Comentários

4 Comments

  • Prezado(a) M.C.Sisi, parabéns pelas colocações. São sou pedagogo, mas acredito que a Educação necessita enfatizar disciplinas sobre o entendimento de contextos e valores (filosofia, sociologia, etc), assim como estimular a geração de novos conhecimentos (laboratórios, simulações, formas de expressão, brainstorms, etc). Abraço.

    • Obrigada por sua participação Roberto. Você possui filhos? Em alguma das escolas que eles frequentaram existiam conteúdos e didáticas alternativos?
      Abraço.

    • Olá Sisi, tenho 4 filhos, mas, apenas no último, tive a oportunidade de vivenciar uma escola com proposta educacional alternativa, focada em projetos, criação, diversidade, etc e tal. – Colégio Apoio (Recife). Abraço

    • Muito obrigada pela informação Roberto. Sou de SP, capital e estou de mudança para Recife. Vou adorar conversar mais com você e pegar as “dicas” de Recife rsrsrs
      mcsisi@gmail.com
      Ainda tenho 3 pequenas pra escola (com 3, 5 e 7 anos). Toda indicação será muito útil.

      Abraço

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade


Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.