Carreira

Ξ 7 comentários

Onde está o Gerente de Projetos que as empresas de TI precisam?

publicado por Luis Pedro de Souza

Onde está o Gerente de Projetos que as empresas de TI precisam?E se invertermos a pergunta: onde estão os projetos que me interessam?

A resposta pode estar no planejamento da carreira.

Em toda atividade humana, a etapa de planejamento é de suma importância. Quando se trata de planejamento de carreira esta importância se torna vital.

Planejar a própria carreira significa por em prática a ideia de ser protagonista da sua história. Significa a possibilidade de tomar as rédeas do próprio destino, em vez de aguardar passivamente que a eventual empresa empregadora determine o que espera do profissional.

A carreira do gerente de projetos

O Gerente de Projetos, vulgo GP, é um papel carregado de grandes responsabilidades e traz consigo a insígnia do desafio. Flexibilidade, bom senso e liderança são algumas das características requeridas para a profissão. O GP deve ser capaz de entender os detalhes do projeto e ao mesmo tempo ter uma visão global do mesmo, além de todas as demais atribuições formais que o contratante exige, independente da área de negócio.

Na área de TI especificamente o ambiente é ainda mais exigente. Os projetos de software tendem miseravelmente a descambar no meio do caminho e é muito comum apresentarem problemas de baixa qualidade e estouro de custos e prazos, entre outros.

Assim, gerenciar projetos de software, exige as mesmas habilidades que para os projetos de outras áreas, com doses extras de desafio: a evolução da tecnologia da informação propiciou a disseminação de usuários de software a níveis antes inimagináveis, tornando os projetos desta área ainda mais complexos e destinados a um público extremamente exigente e ávido por novidades em prazos curtíssimos.

Num cenário assim, avançar na carreira parece ser para poucos.

Abordagem estratégica do planejamento de carreira

Planejamento estratégico é largamente aplicado a empresas, administrações públicas de cidades, estados, países e nos mais variados tipos de organizações. Por que então não se utilizaria para pessoas?

Neste ponto, cabe ao profissional buscar muita informação, orientação e conhecimento para traçar sua trajetória. Há várias fontes para gerar um plano de carreira eficiente e muito trabalho pela frente. A boa notícia é que este é que os poucos que trilham este caminho são justamente os que têm mais chance de se destacar lá adiante.

O papel estratégico do gerenciamento de projetos

Os projetos são frequentemente utilizados como meio de atingir metas e objetivos organizacionais no contexto do planejamento estratégico.

Adequadamente gerenciados dentro de portfólios e programas, os projetos fornecem poderoso feedback à direção da empresa, de forma que os ajustes no plano estratégico se tornam norteadores dos investimentos em projetos.

Convergência

Bem, então temos carreira profissional e projetos ambos dependentes de alinhamento estratégico? Siiim!

E mais. Visualizar o ponto em que GP e organização se alinham graças às ações resultantes de tais estratégias pode ser o pulo do gato. É ali que os caminhos se cruzam!

Mas como enxergar e atingir este ponto? Pra isso aparentemente não há fórmula pronta, e cada pessoa tem que criar a sua.

Tenho visto muitas dicas por aí e como já apliquei e continuo a aplicar várias delas, humildemente apresento algumas:

  • Atenção ao mercado. Informe-se continuamente como está o mercado de GP, como as empresas estão se movimentando e que oportunidades existem.
  • Qualificação. Estude sempre, diariamente. Cada assunto importante no dia-a-dia de um GP merece atenção especial e requer obtenção de informações relevantes. Certificações são importantes, principalmente se aplicáveis a curto prazo no ambiente de trabalho.
  • Relacionamento. Fortaleça e estreite laços com outros profissionais, em especial GPs.
  • Alinhamento. Lembre-se: empresas e GPs dependem de projetos. GPs que tem capacidade de conduzir com sucesso seus projetos e agregam o máximo de valor ao seu contratante são os profissionais que o mercado procura.

Concluindo

Este breve artigo não tem a pretensão apresentar nenhuma solução milagrosa a quem o lê.

Tem simplesmente a intenção de compartilhar algumas informações e percepções no intuito de contribuir para que mais pessoas, em especial GPs, definam suas ações profissionais com base nos seus próprios objetivos e planos.

Sucesso a todos!

[Crédito da Imagem: Gerente de Projetos – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Autor

Profissional com larga atuação em desenvolvimento de software, com experiência em diversos sistemas de grande porte. Profissional PMP, atua como gerente de projetos integrando equipes de alta performance. Acredita na liderança pelo exemplo e aposta no sucesso como resultado de trabalho eficiente, pautado pela ética.

Luis Pedro de Souza

Comentários

7 Comments

  • Interessante o paralelo da estratégia empresarial com uma estratégia para a própria carreira.

    Seguem dois itens, mais na linha comportamental e de posicionamento, que considero importantes:

    Resiliência. Os planos as vezes mudam. Apesar da manutenção de expectativas mitigar muito o risco neste sentido, é importante ser capaz de lidar com problemas ou impedimentos e resistir à pressão, choque, estresse etc. – sem surtar (isso é bem mais desafiador quando há desalinhamento de interesses).

    Fazer sentido. O Sentido do papel e do perfil do GP no contexto em que se está inserido é necessário para a colheita de bons frutos de lado a lado. Além disso, PMI(clássico) ou Scrum?

  • Obrigado pela contribuição Renato.

    Em seu livro Plano de Carreira – foco no indivíduo, o professor Djalma Oliveira nos apresenta um roteiro para a elaboração do planejamento de carreira individual que aborda exatamente essa analogia entre estratégia empresarial e pessoal.

    Ali encontramos as seguintes fases para a criação do plano de carreira:
    1. Análise do mercado atual e futuro;
    2. Análise da vocação e da capacitação profissional;
    3. Estabelecimento da vantagem competitiva;
    4. Estabelecimento dos objetivos e estratégias;
    5. Estabelecimento do código de ética profissional;
    6. Análise da evolução profissional.

    Nos próximos posts colocarei detalhes de cada fase. Por enquanto gostaria de aprofundar a análise de mercado.

    É nesta fase inicial que o profissional pode e deve identificar cenários reais e verificar sua afinidade com cada um deles.

    A partir daí, o profissional pode estabelecer sua visão, aquilo que quer para o seu futuro. Vejam a semelhança com a prática nas organizações, quando lá na origem se definem missão, visão e valores, para então partir para o estabelecimento de estratégias alinhadas com estes pilares.

    Então GPs? Já pensaram na visão para suas carreiras?

    • Planejamento de carreira visa atingir um objetivo, o sucesso.
      Entendendo que o Sucesso não vem por acaso e tão pouco por sorte é preciso empenhar muita energia, trabalho, disciplina, organização e clareza no sentido de saber onde se quer chegar e o que precisara ser feito para garantir que as metas sejam atingidas.
      Para isso é imprescindível que se conheça o mercado atual e através de uma prospecção planejar um possível futuro.
      Efetivamente é muito mais fácil chegar a algum lugar quando se sabe aonde se quer chegar… sobretudo tendo em mente o tempo em que metas escalonadas será atingida, sem que haja perda demasiada de energia.
      Quando temos o respaldo de uma analise criteriosa do mercado é possível estabelecer as necessidades, as capacitações que atualmente são desejadas e o quanto elas serão aproveitadas ao longo do tempo e o quanto agregam valor projetando no tempo: curto, médio e longo prazo, sendo possível analisar as reais possibilidades de atingir o objetivo final.
      A vocação: é um detalhe importante visto que através de uma analise poderá ser mensurado o grau de esforço na busca da capacitação profissional e das atividades relacionadas a carreira em foco, identificando a disposição natural para absorver e aprimorar conhecimento, evidenciando as facilidades e dificuldades que serão vivenciadas. Sobretudo na Aplicação desse conhecimento na pratica. Igualmente em Gerencia de Projetos são identificados os colaboradores que para um determinado projeto serão escalados conforme sua capacitação e habilidades para atuarem no projeto.
      São tarefas rotineiras na Gerencia de Projetos que se aplicam no Gerenciamento de Carreira iniciando com uma analise de possibilidades.
      Contudo tão importante quanto definir as metas é ter organização. É preciso analisar de forma criteriosa o projeto de Carreira, as pretensões e de que maneira será possível alcançar o objetivo pré-posto.
      Assim como em grandes projetos é preciso ter planos de contingencia, já que é preciso lidar com agentes externos (mercado, situação econômica ).
      Tratando- se de carreira estabelecer vantagens competitivas desde conhecimento técnico até aprimoramento de capacidades naturais (vocação) evidencia o nível profissional que se esta no mercado de trabalho.
      Outro ponto importante é estabelecer o código de ética profissional a forma como serão tratadas as problemáticas que envolvem o convívio com profissionais com posturas, opiniões e necessidades tão diferentes.
      É com base nesses códigos que serão tomadas decisões e que nos darão respaldo moral e servirão de norte para nossas ações. Contribuindo para aumentar a gama de colaboradores na busca da ascensão profissional.
      Prazos: inevitavelmente temos que trabalhar com o tempo que se traduz em prazos para atingir cada meta objetivando o resultado final. Afinal de contas um projeto sem prazos definidos para cada etapa torna muito difícil o seu controle e aferição.
      Estar atendo ao mercado, já que planos podem e devem sofrer ajustes sempre que perdem a aderência ao projeto, o que fatalmente dificultaria o ” atingir metas” que consequentemente poderiam garantir o sucesso do projeto.
      Enfim cuidar da carreira exige atenção, trabalho, comprometimento, disciplina e estar disposto a encarar desafios constantes.
      A utilização de conceitos de GP creio que é aplicável no projeto de carreira, assim como, num projeto de Vida. Se analisarmos já que estamos em tempos de Copa do Mundo… Assim como todo brasileiro é um pouco técnico de futebol… Gerenciar carreira, finanças, família, também exige muitas habilidades igualmente exigidas de um GP.

  • Seguem abaixo alguns esclarecimentos aos participantes do debate:

    O artigo acima é fruto do processo de elaboração do trabalho final do seu autor, na disciplina Projeto II, 1º semestre de 2014, do curso de Gestão de TI da Unisinos, modalidade EAD.

    Seu tema está alinhado à questão norteadora do referido trabalho que é: como os gerentes de projetos de TI podem planejar suas carreiras, a fim de conduzir projetos adequados aos seus perfis e agregar o máximo de valor aos seus projetos.

    Os objetivos específicos são:
    1) Aproximar os temas planejamento de carreira e gerenciamento de projetos;
    2) Identificar aspectos relevantes para profissionais e empresas que trabalham com projetos de TI;
    3) Incrementar base de conhecimento e estudo para profissionais de gerenciamento de projetos em TI, gerando ao final uma compilação dos assuntos abordados e debatidos, com possíveis orientações sobre a elaboração de seus próprios planos de carreira.

    A estratégia de pesquisa adotada foi pesquisa-ação, e o instrumento para colocar tal estratégia em prática, o presente fórum.

    Os participantes deste debate foram convidados pelo autor e sua participação é voluntária e seus nomes e cargos constarão para efeito de fonte de informações coletadas no decorrer da execução do trabalho, exceto os que não desejarem estas informações pessoais divulgadas.

    O resultado deste debate, incluindo interpretações e considerações do autor, será parte integrante do referido trabalho.

  • Boa tarde Luís muito bem colocada a tua frase “A boa notícia é que este é que os poucos que trilham este caminho são justamente os que têm mais chance de se destacar lá adiante.” Mas porque mesmo assim poucas pessoas planejam as suas carreiras, se o planejamento é algo fundamental ao sucesso?

    Tive a oportunidade de por um período trabalhar com planejamento estratégico, e os empresários aos quais eram apresentados a ferramenta, reconheciam o valor dela, mas não estavam dispostos a aplicar em suas empresas, por que não tinham tempo disponível para a implantação, atropelados que estavam pelas atividades do dia-a-dia que consumiam todas a sua energia, Certamente estes empresários tinham um objetivo que gostariam de alcançar, mas não eram capazes de assumir o leme deste barco e navegar para lá.

    O planejamento de carreira, vejo, passa pelo mesmo caminho, exigindo dos profissionais como colocado em outro comentário, resiliência, acrescento também disciplina (isto exige sacrifícios) e objetivos.

    Enfim acredito que o planejamento de carreira tem como alicerce componentes comportamentais.

  • Grande Artigo Luis Pedro.

    Na realidade pegando o meu caso como exemplo, as coisas foram acontecendo meio que naturalmente, eu sempre optei em resolver uma coisa de cada vez, sem olhar muito ao que encontrar ali na frente. Tipo, por medo de errar o degrau, subir um de cada vez. Acreditava que algumas coisas que defendo hoje, eram inúteis e de total perda de tempo. Mas daí vem a tal maturidade. Vem a qualidade de software, vem o papel de gerente de projetos e todo o caminhão de responsabilidades que vem junto. Coisa que quando alguém olha de fora e diz, “bah… esse cada não faz nada”. 🙂 ou pior “O que tu faz afinal ?”
    Sempre tive a oportunidade de ter boas referências, tanto pessoais quanto profissionais. Melhor, recebi oportunidades !
    Enfim, já estou trabalhando como GP desde 2004… o primeiro projeto foi meio que empurrado goela abaixo, mas depois passei a gostar do brinquedo.
    Mais tarde é que passei a estudar um pouco e entender a Teoria da pratica que eu estava exercendo… quase que uma engenharia reversa ! 🙂
    Enfim, na minha humilde experiência como GP, apanhei bastante e também aprendi muito. Vou compartilhar um pouco do que acredito e defendo:
    # Pessoas. Por mais que existam centenas de processos e ferramentas para auxiliar na gestão de projetos ou no desenvolvimento de software, tudo gira em torno de pessoas, o GP precisa ter sensibilidade suficiente para entender o seu time, buscar o melhor de cada um. A motivação é fundamental, todos precisam se sentir parte integral do time.
    # Respeito e Liderança. Este pra mim é fundamental, em toda e qualquer relação, ainda mais em projetos. O respeito é algo que devemos conquistar, jamais impor !
    # Bom Humor e paciência. Fundamental ! Pode estar caindo a casa, mas o GP precisa estar firme.
    # Comunicação. Este item… quase ninguém da muito valor, mas se isso falhar, tudo falha.
    # Gestão de Riscos. Este item realmente faz a diferença. Acredite ! Mas faça de verdade, não apenas pra cumprir tabela.

    Enfim, daria pra falar muito aqui sobre isso. Mas o que eu sempre digo, é que o GP é um cara que esta no projeto somente pra servir cafezinho, deixar o pessoal trabalhar e tomar porrada ! 🙂

    Espero ter ajudado !
    Grande abraço !!
    Marco Bianchini.

  • Prezados amigos,
    Ontem entreguei o relatório final desta pesquisa.
    Quero deixar aqui meu agradecimento a vocês pela enorme contribuição que me deram. Sei que encontrar tempo pra participar de atividades como esta não é fácil e sei que vocês não mediram esforços pra me apoiar nessa empreitada.
    Fica desde já o convite à leitura do relatório final, que vou encaminhar (sei que normalmente é uma leitura chata, mas garanto que não me alonguei muito – e além do mais tem a participação especial de vocês kkk).
    Muito obrigado mesmo!
    Abraços!

    uma

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade



Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes