Mercado

Ξ 3 comentários

O fim do “boom” da computação

publicado por Thomas Mazon Oliveira

O fim do "boom" da computaçãoBom, o que exatamente quero dizer com “O fim do boom da computação”? Hoje vivenciamos um boom na área de TI, consequentemente uma demanda crescente e emergencial de profissionais, mas também, é possível notar a falta de profissionais preparados: qualificação x produtividade. Ok, mas porque disto? Eu exemplifico este fato, me usando como exemplo.

“Sou formado em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Maringá – UEM, este curso deve ser um dos mais “puxados” da grade da Universidade, foram 4 anos, com praticamente 10 aulas todos os dias, onde tive matérias como Calculo I e II, Física II, Calculo Numérico, Geometria Analítica, Estatística, Introdução a Administração entre outros, tenho 6 certificações, sendo 3 Oracle e 3 IBM e mais duas Pós Graduações e hoje eu concorro com pessoas, que não desmerecendo o curso ou a pessoa, mas comparado ao que passei, fizeram um curso de TECNOLOGO, de 2 anos, com uma carga horária de 440 horas, ou seja, a mesma de uma Pós Graduação qualquer e que saíram com um diploma de Curso superior.”

Seguindo, usemos o fator Qualificação Universitária como sendo apenas 40% do todo, vamos ao prático. Quem atua diariamente nesta área sabe e já observou que o maior problema hoje, não são pessoas formadas, qualificadas, mas sim pessoas que FAZEM. Pessoas que, teoricamente possuem a qualificação necessária para realização de uma atividade, mas não à fazem. Mas por quê? Porque não possuem todo o conhecimento necessário para uma atividade, mas também não são capazes de “se virar”, considere “se virar” como: vascular em fóruns, procurar artigos por si só (dar um google) e o que considero o pior: nem se quer TENTAM. Mas este não é o foco que proponho atenção.

Minha proposta de tópico é: E o que faremos com essas pessoas, mal preparadas e sem vontade, quando o boom acabar?

Considere que: quando esse momento chegar, essas pessoas estão em um patamar muito difícil de retornar, sendo eles: Cargo, Salário e Acomodação.

Agora pensemos: quando o boom acabar, as empresas passaram inevitavelmente por uma reestruturação, ou como chamamos “enxugaram seu quadro de trabalho” e lógico que sempre há alguém vendo o que você faz, sendo assim, eles sabem quem realmente faz e quem engana. Nesta situação eles optarão por continuar com o que FAZ! Ok, boa escolha, mas e como governo e sociedade absorverão os indivíduos que não conseguiram se alocar novamente, mas que no momento estão em um padrão de vida muito alto?

Deixo a vocês a pergunta e gostaria das opniões.

[Crédito da Imagem: Boom – ShutterSotck]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Formado em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Maringá. Pós graduações e seis certificações, sendo três Oracle e três IBM. Atuando na area desde 2006, trabalhando principalmente como consultor para o HSBC. Tive a oportunidade de morar na Argentina por 6 meses como consultor também do HSBC e relacionado a trabalho já fiz projetos e estive em Londres, India e Mexico. No HSBC trabalhamos com tecnologias e frameworks próprios, todos baseados em frameworks free. Após 6 anos trabalhando para o HSBC, abri minha consultoria e realizei trabalho com a GVT, Embracon, Usiminas e SASCAR. Em 2011, devido a contatos, dei uma acessoria em assunto de Tecnologia para a Policia Civil do Paraná, focado na area de combustíveis. Desde então tenho a Fatho Consultoria e Investigações e também sou Vice Presidente da Assoc. Brasileira de Combate a Fraudes de Combustíveis - ABCFC.

Thomas Mazon Oliveira

Comentários

3 Comments

  • Eu acho que a formação universitária e suas extensões irão, cada vez mais, se destinar ao que realmente devem se propor: pesquisa acadêmica.
    É um erro vincular alto grau de formação com mercado de trabalho.
    Universidde, guardadas as devidas proporções, é para uma elite intelectual (não confundir com elite econômica).
    Cursos técnicos preparariam melhor para o trabalho.
    Cientistas, como está alcunhado, deveriam focar em pesquisa e melhorias do meio.

    De qualquer forma, vale a reflexão.
    Só uma pequena crítica Thomaz, cuidado com os tempos verbais (optaram/optarão…etc)

    att.

    • Pedro,

      Muito obrigado pela resposta, pelo observação dos erros, afinal este foi meu primeiro artigo.

      Quanto a resposta em si, tento chamar a atenção não para a formação academica em si, como mencionei ela representa apenas 40% do fator contratação. Minha preocupação na verdade esta na produtividade e efetividade do trabalho.

  • Vejo também o lado do corporativismo e da exploração,
    empresas não precisam sempre de gênios que custam caro, muito gestores do tipo Zé são inseguros e preferem ter uma equipe sardinha formados na Uni-Esquina com salários baixos, que ter insubordinados muito preparados e questionadores.
    No geral as empresas tem as mesmas características, trabalham na era das planilhas onde as pessoas se mantém por politicagem corporativista, pra isso não é preciso certificações XYZ.

You must be logged in to post a comment.

botão emergência ransomware (1)

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.