Governança

Ξ 2 comentários

Como justificar investimentos em TI para projetos intangíveis?

publicado por TODP (Thiago O. de Paula)

Dada a dificuldade de identificar e avaliar os diversos aspectos relacionados aos investimentos em TI, muitos executivos acabam tendo dúvidas sobre o seu verdadeiro retorno. A justificativa de projetos em TI deve assumir que, aspectos tangíveis e intangíveis (plugin de um aplicativo que traz conveniência para o usuário, serviço de integração com outras ferramentas etc) são representativos e que, se ambos forem considerados, darão maior credibilidade às medidas do valor do investimento.

Na década de 90, foram realizadas pesquisas medindo a relação entre os investimentos em TI e a produtividade, criando o termo “paradoxo da produtividade”. Esse termo significa a dificuldade de verificar a influência positiva dos investimentos, a produtividade da organização e a existência do efeito “tardio”, ou seja, a diferença temporal entre os gastos em TI e os ganhos nos resultados da empresa.

As ferramentas da teoria financeira (métodos analíticos, métodos de simulação, teoria dos jogos, CAPM, etc.) não são adequadas para a avaliação e seleção de projetos de investimentos tecnológicos, pois se restringem aos estágios de avaliação e estão baseados apenas nos critérios financeiros.

Percebendo esta dificuldade, foi desenvolvido o método AHP, baseado no MCDSSs (Multicriteria Decision Support Systems) na Wharton School of Business por Thomas A. Saaty. Este método permite, aos tomadores de decisão, modelar problemas complexos numa estrutura hierárquica, mostrando as relações entre metas, objetivos (critérios), sub-objetivos e alternativos. Lembrando que, este artigo se limita a uma visão superficial sobre a teoria MCDSSs e à aplicação prática para os gerentes de TI.

Para maiores informações acesse o site http://mychoicemydecision.com.

Agora que já falamos da teoria e sua origem, vamos colocar a mão na massa. Usaremos o método AHP para selecionar o celular mais adequado às necessidades encontradas.

Siga os passos abaixo para criar os dados de entrada no sistema.

Passo1 – Definição do que será feito. Exemplo: Qual celular comprar?

Passo2 – Seleção das opções de aquisição para atender o objetivo principal. Exemplo: celular1, celular2, celular3 e celular4.

Passo3 – Criação de critérios para avaliação das opções. Exemplo: Conectividade, tempo de bateria, design e dimensões.

Obs.: Note que os critérios podem ser tangíveis ou intangíveis.

Acesse o site http://mychoicemydecision.com/izracun.aspx

 

Calculation

Insira o objetivo, as alternativas e os critérios;

 

Qual celular comprar?

Avalie a importância de cada critério comparado ao outro;

 

Criteria: Conectividade

Criteria: Tempo de Bateria

Avalie cada opção por critério;

 

My Decision

Ao final, teremos o resultado da avaliação baseado no método, que no meu caso foi o celular1.

Podemos incrementar esta avaliação usando o método de benefício comparado com o custo.

Para  isto, clique em “benefits compared to the costs”.

benefits compared to the costs

Insira o custo de cada alternativa;

benefits compared to the costs

Com isto, teremos uma avaliação de benefícios comparado com o custo.

benefits compared to the costs

Antes de concluir, gostaria de agradecer o convite do Augusto Vespermann para ser articulista no portal TI Especialistas e ao articulista e amigo Luiz Eduardo Improta que tem me ajudado muito na carreira profissional.

Deixo o texto de Suresh e Meredith (1985, p.124) como reflexão e espero ter adicionado um pouco de conhecimento para as suas atividades de gestão em TI.

 “As principais vantagens dos modelos de escores são a capacidade de múltiplos critérios, a simplicidade e a facilidade de uso, a consistência com políticas gerenciais e a flexibilidade. (…) O uso de uma aproximação multicriterial para a tomada de decisão, tal como o modelo de escore, é vital para os níveis estratégicos de decisão e tem que formar uma parte integrante do exercício de justificativa”.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Profissional com experiência em: - Planejamento e gestão do alinhamento da TI com a estratégia de negócios corporativa; - Sólidos conhecimentos em gestão de aderência da TI da organização aos padrões Cobit, ITIL V3; - Implementação e gestão da qualidade de processos de TI; - Gerenciamento de projetos de TI baseado no PMI; - Elaboração, negociação e gestão de contratos de serviços de TI; - Análise para tomada de decisão em relação à TI de uma corporação usando multicritérios; - Planejamento da gestão da disponibilidade e segurança de serviços de TI; - Conhecimentos em análise SWOT, BSC, CMMI; - Construção de Planos de Continuidade de Negócios; http://br.linkedin.com/in/thiagopaula

TODP (Thiago O. de Paula)

Comentários

2 Comments

  • Thiago,

    Parabéns pelo artigo!

    Realmente é um método bacana pela simplicidade conceitual e pela robustez das alternativas de análise disponibilizadas.

    Obrigado pela dica, pois eu não o conhecia.

    Paulo Cabral

  • Obrigado pelo comentário Cabral. O objetivo é compartilhar o conhecimento e divulgar ferramentas que auxiliem o processo da Governança de TI.

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes