Carreira

Ξ Deixe um comentário

Você está insatisfeito com o trabalho? 50% dos profissionais dizem que sim

publicado por Rodrigo Pace de Barros

Você está insatisfeito com o trabalho? 50% dos profissionais dizem que simSaiu no site da Revista Exame no dia 06/11/2014 um gráfico ilustrando uma situação que todos, de uma forma ou de outra, já percebemos no nosso dia a dia: 50% dos profissionais estão insatisfeitos com o trabalho. Apesar de impressionante, entre todos com os quais falei a respeito, houve um misto de “eu já sabia” e “me inclua nessa”.

A pesquisa foi desenvolvida em torno de números e percentuais que descrevem como, hoje, os profissionais encaram seus empregos. Nas questões que envolvem os próprios profissionais, como por exemplo desenvolvimento de carisma, atualização de currículo, manutenção da saúde de perfis em redes sociais, os números foram comuns: Todos se dedicam muito. De certa forma, isso demonstra um certo grau de insatisfação com o emprego agual, uma vez que a maioria, conforme os números apontam, está com o sinal de alerta ligado. Esse alerta, então, ajuda na geração de mais stress e insatisfação, menos saúde física e psicológica, menos rendimento no dia a dia e maior chance de ser convidado a dar uma passadinha no RH. É um ciclo vicioso.

Alguns poderão argumentar que sim, buscam a melhoria de suas carreiras e vidas profissionais. Porém, qual é o objetivo? Você já parou para pensar no seu?

O copo está meio cheio

Se temos 50% dos profissionais insatisfeitos, 75% com o currículo sempre atualizado e 78% foram procurados por recrutadores nos últimos 12 meses, algo parece estranho. Concorda?Estar em um trabalho que não gera satisfação remete à imagem de bois indo ao matadouro. Todos caminham sem saber ao certo aonde chegarão. No filme Alice no País das Maravilhas, em dado momento, Alice encontra o Gato. Ela pergunta para onde leva a estrada que ela está seguindo. O gato, então, a questiona: “Para onde você quer ir?”. Alice, em dúvida responde que não sabe. Então, sabiamente o gato diz que “Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve“.Não é possível evoluir em um local onde você não se sinta bem. Apesar disso, se perguntarmos a cada um dos entrevistados se eles deixariam seus cargos, aposto que a resposta seria única: “Não, pois não posso arriscar!”.

Concordamos com eles. Todos temos compromissos pessoais e familiares e, corretamente, não podemos abrir mão dos nossos empregos, mesmo que eles não nos façam felizes. Alguns podem dizer que salários bons geram pessoas felizes. Porém, como já tratado em diversos artigos disponíveis na Internet, dinheiro gera um estado de felicidade temporário. Ao final de um determinado prazo, começamos a enxergar que dinheiro realmente não compra felicidade.

Então perguntamos: “Qual a saída, Batman???”. Pode parecer estranho, mas a saída mora em nós mesmos. Ela passa pelo autoconhecimento e, também, pela identificação de nossos valores pessoais, como veremos abaixo

Os portões da felicidade: “Vamos abrir a porta da Esperança!”

É possível unir trabalho e paixão. A definição de sucesso no tempo dos nossos pais era “subir a escada corporativa por meio das promoções” segundo o Business Talent Group. Esta old school já não serve mais. Hoje, mais conscientes de nós mesmos, queremos paixão, realização, crescimento profissional e pessoal e, claro, uma boa remuneração. Evoluímos, portanto.Para atingir este nível, precisamos antes de mais nada, conhecermos a nós mesmos muito bem. Este conhecimento nos mostrará nossos valores fundamentais. Isso nos move e nos faz acordar felizes na segunda-feira, sem esbravejar por ser segunda-feira. É a mudança de paradigma que todos buscamos e que os 50% insatisfeitos da pesquisa da Revista Exame buscam incessantemente. Todos buscamos.Na busca pela autodescoberta, algumas pessoas conseguem se autoanalisar e chegar a resultados incríveis: valores são identificados, planos de ação traçados e metas definidas. Porém, a maioria dos mortais precisa de uma ajuda. Esta ajuda profissional deve passar, sem preconceitos, por psicólogos e coaches:

  • Psicólogos: Eles podem nos ajudar por meio da terapia. O processo é mais lento, porém funciona.
  • Coaches: Eles auxiliam muito os profissionais a encontrarem um motivo para trabalhar. O processo é bem mais curto do que uma terapia, porém seus resultados também são ótimos. Mas cuidado: saiba escolher seu Coach. Busque referências e pesquise muito.

Para ajudar, é interessante ler sobre o assunto. Procure profissionais com referência, se for o caso. Leia sobre a diferença entre Coaches, Headhunters e mentores. Esclareça suas dúvidas e busque o profissional correto para o seu caso e que atenda às suas necessidades.Existe esperança. Ela mora dentro de nós mesmos. Basta querer. Já temos todas as ferramentas necessárias para isso, porém, é preciso força de vontade para remexer os porões da nossa consciência. As vezes isso requer coragem, dedicação, foco, disciplina e fé. Porém, somos fortes. Vamos conseguir.Deixe a turma dos 50% insatisfeitos. Faça parte do time do copo meio vazio. Imagine um mundo mais colorido e leve. É lá onde queremos chegar. E chegaremos.

Feliz segunda-feira pra você!

[Crédito da imagem: Insatisfeito com o trabalho – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Autor

Rodrigo Pace de Barros, PMP Coach de Carreira Especialista em Profissionais de TI Possui 17 anos de experiência em projetos de Segurança de TI e ambientes de missão crítica em empresas de grande porte. Atua há 10 anos na Telefonica Vivo como especialista em Projetos de Segurança da Informação, compliances e certificações e, atualmente ocupa o cargo de consultor especialista de Pré-Vendas. É formado pela Unesp de São José do Rio Preto e possui MBA em Gestão de TI pela FIAP. Colunista em diversos portais de TI e Gestão de carreiras, palestrante, instrutor e assessor de carreiras especializado em TI. Site: http://www.rodrigopace.com.br Criador do Desafio LinkedIn: www.desafiolinkedin.com.br Contato: rodrigo@rodrigopace.com.br LinkedIn: http://br.linkedin.com/in/rodrigopace/ Facebook: https://www.facebook.com/rodrigopace.com.br Twitter: @RodrigoPaceDH

Rodrigo Pace de Barros

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade


Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes