Carreira

Ξ 9 comentários

O estado da arte da carreira em Ciência da Computação

publicado por Angélica Mascaro

Em um extenso relatório lançado recentemente sobre a carreira em Ciência da Computação, a Dice.com expõe alguns pontos bastante interessantes. Nesse relatório, ele aponta a dificuldade de grandes empresas em encontrarem profissionais qualificados e quais as qualificações mais procuradas. Enfim, o estado da arte da carreira de TI nos EUA, que pode ser extendido para o Brasil em quase todos os pontos.

Ainda há muito mais vagas que profissionais

emprego. O primeiro ponto discutido pela Dice.com é que sobram vagas de em TI. A taxa de desemprego em tecnologia não passa dos 4% nos EUA (menos da metade da média nacional).

“Há facilmente dois ou três empregos para cada pós-graduação de ciência da computação. Fácil”, diz Anne Hunter, do Massachusetts Institute of Technology.

De um canto a outro, as empresas que precisam de tecnologia falam que estão lutando bravamente para ocupar as vagas em aberto com pessoas qualificadas com o que a tecnologia tem de mais novo. Por outro lado, a quantidade de títulos de bacharelado em Ciência da Computação ou Engenharia da Computação decresceu nos últimos anos.

O mercado mobile chegou devastando

Eu lembro de ouvir essa frase enquanto estava na graduação: “Quando você se formar, você já estará desatualizado”. Nas palavras do programador Fahnbulleh no relatório da Dice:

“Se você ficar fora por 2 anos, você pode estar por fora para sempre”. E acrescenta: “Em dois anos tudo mudou. Há dois anos nós não tínhamos Android. Há 4 anos não tínhamos iPhone. Essas duas plataformas chegaram e dominaram o mercado”.

Aplicativos de baixo custo como os populares Andry Birds são vendidos por cerca de um dólar, mas tem acumulado aproximadamente 100 milhões de downloads, o que pode significar milhões de dólares em receita para seus desenvolvedores.

Quais as tecnologias da moda?

“Embora os custos de hardware estejam sendo cortados pela metade, software continua caro e cada vez mais importante. Há milhões de linhas de código no seu automóvel, no seu celular e até na sua tostadeira. Alguém precisa escrever esse código”  diz o Prof. David Beard.
As estatísticas parecem mostrar que Fahnbulleh está correto na visão sobre tecnologias móveis: Android está em primeiro lugar dentre as tecnologias que mais aumentaram a sua procura no banco de empregos da Dice, no último ano.
Dentre as tecnologias mais requisitadas, as tradicionais continuam em alta. Mesmo depois de tantos anos, o C++ continua em alta e as gigantes de TI mundiais buscam por esses profissionais.

Outra habilidade aparece como um destaque: o gerenciamento de projetos. Como diria o professor Beard:
“Você não pode trazer em uma pessoa técnica e transformá-la em gerente. Além de saber fazer o trabalho, os gerentes também precisam saber orçamentos, eles precisam ter algum grau de habilidades com pessoas e estar familiarizado com RH e regras internacionais, já que negócios de hoje está sendo realizado em vários países.”
A busca por profissionais qualificados continua.
Acesse o overview completo da Dice aqui.
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Eu sou Angélica Mascaro, Mestre em Ciência da Computação. Trabalho como Engenheira de Pesquisa e Desenvolvimento em projetos envolvendo Visão Computacional, especialmente na área de Processamento de Imagens de Documentos (OCRs). Em 2011, fui uma das vencedoras do prêmio Google Brazil Women in Technology Award, que selecionou 3 estudantes como exemplos de mulheres envolvidas na tecnologia. Moro em Recife-PE, adoro música, cinema e redes sociais. Sobre mim: http://about.me/angelica_am Twitter: @angelicamascaro Linked In: http://br.linkedin.com/in/angelicamascaro Blog: Cereja++

Angélica Mascaro

Comentários

9 Comments

  • Artigo Interessante mas descordo de alguns pontos.

    Outra habilidade aparece como um destaque: o gerenciamento de projetos. Como diria o professor Beard:
    “Você não pode trazer em uma pessoa técnica e transformá-la em gerente. Além de saber fazer o trabalho, os gerentes também precisam saber orçamentos, eles precisam ter algum grau de habilidades com pessoas e estar familiarizado com RH e regras internacionais, já que negócios de hoje está sendo realizado em vários países.”

    Isso é uma aberração, pode até funcionar no mercado do professor, mas nos ultimos quinze anos de mercado vejo dezenas de casos mal sucedidos de projetos que ficaram a marcê exclusivamente de GPs, e sou categórico, isso NÃO funciona. Os técnicos são fundamentais e vejo GP como complemento da atividade dos tecnicos. E finalmente acho muuuito mais factível um tecnico se tornar um gerente que o contrário, não que seja impossível. Enfim é um tema muito interessante.

    • Eu concordo em termos contigo, Caio. Acho uma aberração essa história de gerentes que não sabem direito das coisas do projeto e apenas coordenam o projeto.
      Mas acho que o professor quis falar que também não dá para levar qlq um pra gerencia. Aquela historia de que alguem muito bom tecnicamente não necessariamente é um bom gerente.
      Já vi dos dois casos, é ruim.. :/

    • Exatamente isso que quis dizer Angélica.. qualquer um também não da certo. Até porque tem muito tecnico que o lugar dele tem que ser técnico sempre e são ótimos assim. Infelizmente no Brasil de um modo geral, tem essa (contra)cultura de o profissional de TI tem que virar coordenador, gerente, diretor, enfim.. muitos profissionais se perdem.. por sucumbirem a isso, até porque geralmente é a unica forma que tem para serem melhor remunerados. Mas como disse, esse é um excelente assunto.

    • Vou te dizer Caio, eu sou meio revoltada com essa situacao.. Pra mim, existem mentes brilhantes (sem perfil pra gerencia) que não tem muito espaço pra crescer na maioria das empresas aqui do Brasil.
      Isso eh horrivel!
      Uma das coisas que me chamou atencao no Google, quando assisti uma palestra de um engenheiro de lá, era justamente ele falando disso: “No Google vc pode terminar a carreira como desenvolvedor, que a empresa vai te valorizar por isso”.
      Po, existem tantos cargos/empresas aqui no Brasil que precisam de mentes brilhantes pra desenvolver ideias, algoritmos, por que esse pessoal (em geral) nao eh valorizado!? :/

  • Esplêndida colocação do colega Caio. Concordo em número, gênero e grau com seus posts.

  • É isso ai Angélica é de revoltar mesmo. Nos ultimos seis anos fui gestor da célula Microsoft de uma consultoria em São Paulo e conduzi minha gestão baseada no meu perfil técnico, aliás nunca o abandonei já que mesmo gestor atuava como arquiteto que sou. Meus artigos aqui no TIEspecialistas e em outros sites falam por si. Em projetos menores eu mesmo fazia as veses de GP nos maiores tinha um para cuidar das atividades diárias, interação com cliente, definição e mudanças de prioridades enfim.. Ele jamais tinha autonomia para, SOZINHO, definir prazos, distribuir tarefas entre a equipe, definir arquitetura e atividades similares. Com esse modelo obtivemos sucesso na grande maioria das atividades e estou por encarar um novo desafio e levarei essse modelo comigo. Quanto o mercado internacional já tive algumas experiencias fora do país e o modelo deles é exatamente esse que você descreveu do pessoal do google e que, na medida do possível, tento implantar nas equipes que gerencio. Garcia, muito obrigado pelo comentário. abraços.

  • Legal a discussão, mas eu penso que nossa realidade ainda está longe daquilo que outros países oferecem em termos de educação e seu reflexo para o cotidiano das sociedades. Penso que vaidades e imediatismo no Brasil ainda são termos mais importantes do que projetos consistentes de longo prazo. Minha visão sugere que o sistema educacional brasileiro ainda gradua professores com enfoque essencialmente teórico, o que se reflete na mão de obra disponibilizada ao mercado. Eu como profissional formado em CC logo percebi que a barreira entre teoria e prática é bastante acentuada no cotidiano privado e, em alguns casos, pode ser intransponível (tempo versus necessidade). Isto me parece ser uma explicação simples para a deficiência técnica (falta de profissionais) em todos os níveis do mercado brasileiro.

  • Olá Angelica , eu queri ter o seu hotmail para poder fazer umas perguntas sobre a sua profissão , por que eu estou fazendo um trabalho de escola sobre a profissão que eu pretendo fazer .

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes