TI Corporativa

Ξ Deixe um comentário

Estratégia para política da formação de preços – EPFP

publicado por Carlos Roberto Miranda

Figura - Estratégia para política da formação de preços - EPFPA atual crise e onda de demissões inconsequentes dos últimos tempos tem levado muitas pessoas a trabalhar por conta própria, buscando possíveis oportunidades na Internet ou desenvolver alguma atividade rentável, porém sem dependência empregatícia.

Já são registrados absurdos 11% de desempregados no Brasil e não há tendência de queda destes números no curto prazo.

Um pensamento comum e geral, portanto, que toma conta da população é “Se não há oferta de emprego no mercado de trabalho que possa me garantir os proventos para a minha subsistência e assegurar sustento à minha família, encarar uma oportunidade para desenvolver algum negócio próprio, talvez possa me trazer algum rendimento financeiro”.

Atualmente um profissional que perde um emprego, que se via com uma carreira fixa e estável precisa, mais do que nunca, aprender a vender o seu conhecimento de profissional que é e, consequentemente vai precisar aprender a cobrar um determinado preço pelos serviços que pretende realizar pela nova atividade de forma autônoma ou liberal. E não se engane pensando que o trabalho próprio e independente é uma atividade descompromissada de horários, exigências ou sem patrão como muitos imaginam, ao contrário, o seu cliente será o seu patrão e dificilmente uma atividade própria vive de um cliente apenas. Pode se preparar para muitos chefes e patrões que irão exigir seu compromisso e atenção totais.

empreendedorismo, apesar de tudo, é uma atividade apaixonante porém, como tudo na vida, o empreendedorismo não promove unanimidade, mas se você está disposto a assumir o seu espírito empreendedor certamente você está alimentando uma das pesquisas a seguir.
40% dos moradores em favelas, tem intenção de abrir o seu próprio negócio”, Instituto Data Favela, Data Popular e Central Única de Favelas.
60% dos estudantes universitários, tem intenção de abrir o seu próprio negócio”, Estudo Endeavor.
62% dos estudantes em curso técnico do comércio, tem intenção de abrir o seu próprio negócio”, revista Negócios em Projeção.
76% dos brasileiros (3 a cada 4) tem intenção de abrir o seu próprio negócio “, pesquisa Endeavor.

Diante destes números não há como ficar indiferente ao mercado, é óbvio que o empreendedorismo é que deve ditar a nova pauta econômica voltada a suprir às necessidades de demandas do mercado de trabalho.

Sabemos que o ponto crítico nos negócios, mesmo entre empreendedores experientes, é a estratégia na formação de preços, seja ela manual ou digital a partir das planilhas eletrônicas que facilitam os cálculos. Porém, atividades de negócios econômicos próprios são sinônimos de riscos e riscos devem e podem ser calculados contudo, sem qualquer familiaridade estratégica estes novos empreendedores que estão surgindo podem perder muito dinheiro enquanto arriscam nos seus negócios por não saberem lidar com o fator do precificar que um empreendimento exige destes empreendedores ou simplesmente por não estarem preparados para responder, de pronto, a uma pergunta básica e elementar dos negócios que é: “Qual é o preço do seu produto ou serviço?” ou “Quanto você cobra?” enfim, “Quanto é?”

O preço ($) é o fator determinante na competitividade dos negócios seja para uma grande, média ou pequena empresa, como para aquele (a) vendedor (a) de balas ou de cafezinho lá da esquina ou do ponto de ônibus.

Se você não souber quanto cobrar pelo seu produto ou serviço oferecido poderá estar colocando em risco de perda o que poderia ser um risco de muitos lucros e ganhos para você.

Se você não soube responder à pergunta acima ou ficou em dúvida de quanto cobrar, pare agora, pegue uma folha de papel e um lápis e me acompanhe no passo-a-passo que preparei abaixo para você não correr o risco de ter que parar depois.

Apesar de isto ser muito importante quero que você saiba também que muitos empreendedores experientes também não sabem precificar seus produtos e serviços e se você aprender agora estará ganhando vantagem sobre eles e sobre o seu concorrente. Então vamos em frente.

Passo 1

A fórmula geral para se obter o preço de venda para todo e qualquer produto ou serviço é:
PV = C + D + R, onde…
PV = Preço de Venda;
C = Custos;
D = Despesas;
R = Resultado.

Passo 2.

Custos (C), são todos os gastos que se tem e que estão envolvidos e relacionados com a produção, aquisição e serviço.
Despesas (D), são todos os gastos que se tem e que estão envolvidos e relacionados com a venda, a administração e o financeiro.
Resultado (R), é a apuração do negócio realizado que pode se dar como:
– Positivo, que é o lucro que se pretende nos negócios;
– Negativo, que é o prejuízo que deve estar fora de cogitação nos negócios;
– ou Zero, que é um resultado nulo nos nossos negócios. Não se perdeu, porém não se ganhou nada com o negócio. Conhecido também como o equilíbrio das negociações.

Passo 3.

Agora, orientando-se pela fórmula, substitua as letras pelos respectivos gastos (dos Custos e das Despesas) correspondentes que você identificar e listar na sua produção sem desmerecer nenhum item, mesmo aqueles que você julgar ter um gasto aparentemente pequeno, inclua-o também. Por exemplo, se para fazer 100 ovos de Páscoa você tem gastos com barra de chocolate, leite, açúcar, ovos, a sua mão-de-obra para produzir, etc., que por exemplo podem somar R$ 325,00, isto deve ser lançado como Custo em  uma planilha porquê são tipos de gastos envolvidos e relacionados com a produção dos ovos de Páscoa que uma pessoa produz;

A lista de todos os gastos para vender os ovos pode incluir despesas com embalagens, alguma divulgação que você faz com panfletagem, o transporte para entregar os ovos e talvez, até, algum espaço que você alugou para vendê-los e uma comissão de, por exemplo, 10% para um ajudante e tudo isto deve ser somado para ser lançado como Despesas, pois estes são gastos envolvidos e relacionados com a venda do produto que foi produzido, vamos supor que a somatória totalizou R$ 600,00.

Assim temos o cálculo dos Custos = R$ 325,00, mais o cálculo das Despesas = R$ 600,00, que nos apresenta um Gasto Total de R$ 925,00.

Passo 4.

Portanto, se com R$ 925,00 você produz 100 (cem) ovos de Páscoa, para saber o gasto de cada unidade de ovo de páscoa que você produzir basta dividir o Gasto Total pela quantidade unitária produzida ou seja, 925 / 100 para obter o gasto de cada ovo que é igual a R$ 9,25.
Portanto, para produzir um ovo de Páscoa gasta-se R$ 9,25 (Isto é apenas um exemplo fictício e por este motivo não estou incluindo os demais fatores que logicamente seriam indispensáveis para se produzir e comercializar ovos de Páscoa).

Passo 5.

Porém, não se deve trabalhar apenas para cobrir os gastos de um negócio, então, agora vamos finalizar o nosso resumo com um cálculo para obter o Resultado (R) em lucro, que também é a finalidade do nosso negócio além do prazer de produzir um produto tão tentador em muitas pessoas.

Pois bem, podemos perfeitamente desejar o nosso lucro conforme a dificuldade de produzir cada tipo de ovo e para isto vamos criar uma tabela com os percentuais (%) que julgarmos justos para cada tipo de produção ou seja:

      • produção simples ou sem dificuldades = 15%
      • produção com dificuldade mediana = 25%
      • produção mais elaborada ou mais complexa = 35%

Assim, para obtermos o Preço de Venda (PV) de um ovo que foi produzido sem dificuldade  calculamos a partir do preço unitário obtido acima ou seja, (9,25 x 0,15) + 9,25 = 10,6375 (em uma calculadora pode-se somar diretamente 9,25 + 15% = 10,64), com este preço obtemos um lucro de R$ 1,39 para cada ovo produzido e vendido ou R$ 139,00 pelos 100 ovos produzidos e vendidos (1,39 x 100 = 139,00); se multiplicarmos o gasto de um tipo de ovo produzido com dificuldade mediana vamos obter, (9,25 x 0,25) + 9,25 = 11,56 e este será o PV para cada tipo desses ovos e; finalizando vamos multiplicar o gasto de um ovo com produção complexa, (9,25 x 0,35) + 9,25 = 12,49 que será o PV para cada ovo de Páscoa desse tipo.

Importante

Observe que na descrição do Passo 3, eu incluí a sua própria mão-de-obra ao custo, caso contrário você terá que pagar para alguém produzir o que deseja e ainda assim teria que incluir no cálculo uma retirada para você, e também os 10% de um possível ajudante como despesa e isto é lógico. Eu não poderia retirar do Resultado em lucro, pois o lucro de um empreendimento é justamente todo o montante de capital que entra no cálculo do Preço de Venda ou PV, porém que eu não posso ter gasto algum sobre ele, mas que vai me servir, provavelmente para ser utilizado como capital de giro ou como investimento para se obter novos recursos ao meu negócio.

É evidente que aqui eu apresentei apenas um resumo simplista de tudo o quanto deve ser observado na composição do preço de venda de um determinado produto, mas tudo o que mais for apurado deverá partir sempre da fórmula do Preço de Venda ou PV apresentada no início (Passo 1) deste passo-a-passo. Portanto guarde-a bem, pois a partir daí é possível calcular a segurança do seu negócio, o ponto de equilíbrio do negócio, os resultados pelos desejáveis lucros ou as perdas, a margem de lucro, preço especial a ser praticado como é o caso de descontos, parcelamentos ou aceitação de cartões ou outros.

Estas são algumas das estratégias que precisam ser observadas e todas elas partem da fórmula básica de cálculo apresentada acima como PV = C + D + R, como princípio à formação dos seus preços para produção, comércio ou serviço para quaisquer tipos de negócios.

Um grande abraço e até breve.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Consultor de TI e atualmente divulgando as lógicas de estrutura e dinâmicas da EH (Essência Humana), de autoria própria. http://www.crmtreinamento.blogspot.com.br crm@crmtreinamento@yahoo.com.br

Carlos Roberto Miranda

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.