TI Corporativa

Ξ 1 comentário

Alinhamento estratégico de TI e o agile

publicado por Flávio Steffens

Alinhamento estratégico de TI e o agileUm dos valores do Agile Manifesto nos diz que:

“Colaboração do cliente é mais importante que negociação de contratos”

Este valor ágil é, talvez, um dos mais complicados de se implementar, pois envolve um terceiro ator, no caso o cliente. Por outro lado, este valor traz a tona uma outra discussão bastante comum em qualquer empresa: a eterna divisão entre TI e o resto da empresa.

Algumas pessoas devem se perguntar: “O que diabos a colaboração do cliente tem a ver com essa divisão?”. Ora, muito simples. Em 99,9% dos casos onde ocorre esta divisão, a realidade é que a área de TI nunca está em contato direto com o cliente. Sempre há alguma coisa antes, e daí você pode chamar como quiser: atendimento, executivos de conta, marketing, prospecção, gerentes de projeto, vendas, analistas de requisitos, analistas de negócio, etc.

Essa divisão, muito comum em empresas departamentalizadas, afasta de forma perigosa a TI do cliente. As reais necessidades do cliente passam por um telefone sem fio até chegar aos responsáveis pela produção. O resultado mais comum é a criação de feudos e as famosas acusações e desculpas “Nós só fizemos o que nos foi passado” ou “Esse pessoal da TI não faz nada direito”.

Já deu para sentir a encrenca, ou ainda não?

E então temos a geração de documentos detalhadíssimos sem valor nenhum, funcionalidades desenvolvidas que nunca serão usadas, prioridades definidas sem critério algum, bugs e defeitos emergindo de forma exponencial. Sem contar os conflitos que só pioram e se desgastam com o tempo.

Durante o meu curso de MBA, tivemos uma disciplina chamada “TI e estratégia competitiva”, onde o alinhamento estratégico de TI e negócio (podemos chamar de negócio essas áreas mencionadas) foi abordado. Fiquei impressionado com as conclusões que foram passadas: a grande maioria das empresas ainda separa a TI do resto, como se estivéssemos na década de 60.

Um case estudado no curso foi da implantação de um ERP em uma grande empresa farmacêutica. A implantação foi um fracasso total. E mais do que isso, foi a pá de cal para a concordada da empresa. Tudo devido a essa falta de alinhamento entre a TI e o resto da empresa.

Como pode haver colaboração do cliente em cenários como estes?

Não há mais espaço para aquela visão de que o “setor de TI” é uma sala cheia de luzinhas e computadores cuspindo papéis com códigos. Na era do conhecimento, só tem vantagem competitiva aquelas empresas que atendem seus clientes sem desperdício nenhum.

Mas para isso, as organizações precisam perceber que TI precisa atuar junto com o negócio. Junto com o cliente.

[Crédito da Imagem: Alinhamento Estratégico – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Flávio Steffens de Castro é empreendedor na Woompa (www.woompa.com.br), criador do crowdfunding Bicharia (www.bicharia.com.br) e gerente de projetos desde 2006. Trabalha com métodos ágeis de gerenciamento de projetos desde 2007, sendo CSM e autor do blog Agileway (www.agileway.com.br).

Flávio Steffens

Comentários

1 Comment

  • A metodologia Ágil vem se disciminando a passos largos no cenário corporativo, quer seja por sua flexibilidade e maneira como os problemas são mitigados e resolvidos quer seja para simplemente dizer que a empresa tornou-se Ágil, sem entender os fundamentos e premissias da metodologia.
    Existem muitos mitos em torno da metodologia Ágil e do manifesto Ágil, entre os mitos esta este citado no artigo “Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos”, que quando não bem compreendido e embasado, estara fadado ao fracaso na sua implementação corporativa.
    É preciso esclarecer que a metodologia Ágil sozinha não é sinônimo de sucesso, muito pelo contratário, surgirão tantos problemas que culminarão com o cancelamento ou insucesso do projeto e a famosa frase : – Metodologia Ágil é uma falácia !
    Para uma implantação bem sucedida é necessário, antes de tudo, preparar a empresa para ser ágil, utilizando-se um modelo de referêrencia como a ISO/IEC 12207:2008, nos caso de soluções tecnologicas, sugiro também a utilização do RM-ODP: The ISO Reference Model for Open
    Distributed Processing, um modelo de referencia para desenvolvimento de produtos de software corporativo.
    A utilização de um modelo de referência nos fornecerá uma visão mais detalhada, voltanto ao problema mencionado no artigo, o modelo de referência nos indicara que o Cliente ou um Representante do Cliente, deverá estar sempre envolvido no processo Ágil para: Priorizar as atividades a serem desenvolvidas, acompanhar as atividades, aceitar ou rejeitar as atividades entregues, fornececer feedback e principalmente, sanar dúvidas referente ao business do cliente.

    Um grande abraço.

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes