Marketing & Tecnologia

Ξ 1 comentário

76% dos consumidores não acreditam em propaganda. E você, acredita?

publicado por Thaina Carvalho

76% dos consumidores não acreditam em propaganda. E você, acredita?76% dos consumidores não acreditam em propaganda. Esse número foi divulgado no SXSW. A primeira coisa que acontece quando um profissional de marketing vê um número desses é entrar em um momento de reflexão, iniciado com a frase: o que será que estamos fazendo de errado? A resposta: Estamos nos afastando dos clientes.

Newsletter, banners online nos mais variados e populares portais do segmento de atuação, website com layout impecável e otimizado com as mais avançadas técnicas de SEO, links patrocinados em grandes buscadores e mais 439 ações que otimizam a exposição da marca nos mais variados lugares, online e off-line, possíveis e imagináveis na face da Terra. Pronto. Missão cumprida? Não mesmo.

Ricardo Nunes, presidente da Ricardo Eletro, está todo sábado em uma das suas lojas para conversar LITERALMENTE com seus clientes. Como ele mesmo diz, tem que cheirar o cliente! Tem que colocar o produto nas costas e levar na casa dele. O que ele quer dizer é que temos que estar próximos, e não é próximo através dos nossos “canais de atendimento”, é próximo MESMO! É necessário entender a necessidade do cliente e SER a solução!
Separei alguns pontos para levarmos essa reflexão adiante:

  1. Pessoas querem falar com pessoas e não com marcas.
    Agora não existem mais B2C ou B2B, existe o H2H, ou seja, de humano para humano, de pessoa para pessoa. Esse modelo de intereção com os clientes, onde definíamos se a comunicação era para consumidor final ou para empresas, precisa ser atualizado, porque o mais importante é entender que na outra ponta também existe uma pessoa. E pessoas querem interagir com pessoas. Não importa se ela está representando uma empresa, ela continua sendo uma pessoa.
  2. Falando em interação: pessoas querem conversar, interagir!
    A palavra agora é INTERAÇÃO. As pessoas querem dar opinião, querem dizer se gostaram ou não do serviço e querem que sua opinião seja levada em consideração. Elas vão entrar nas mídias sociais, achar sua empresa e deixar a opinião sobre seu serviço, e nem sempre será uma opinião positiva. Tem sucesso aquele que souber aproveitar essa interação para fidelizar o cliente. É como um relacionamento entre dois amigos: às vezes haverá conflitos, mas se você souber “pedir e dar desculpas” o relacionamento fortalece.
  3. Pessoas querem ter seus problemas resolvidos e não decorar quais os benefícios da sua empresa.O modelo atual das empresas prioriza enfatizar o que elas oferecem. Tem uma parte no filme “O lobo de Wall Street” (se ainda não assistiu, vale a pena) que representa muito bem o que estamos conversando aqui. Como você faria para vender uma caneta? Se você começar sua abordagem com algo como: ela é de ouro, tem a ponta macia, bla bla bla, pode parar. Como diria o pessoal da Porta dos fundos, “errou feio, errou rude”. Apresente uma necessidade. Por que seu cliente precisaria de uma caneta? Apresente o problema de não ter uma caneta, não as qualidades dela, porque se não existe a necessidade da caneta, não tem porque entender se ela é ou não boa para escrever.
  4. A conversão não é o final do jogo
    Não é porque você conseguiu fechar a venda que o jogo acabou. Agora é que ele começa.  Mais do que conseguir vender é conseguir vender a segunda vez. Fique por perto, pergunte como foi a experiência de compra do cliente, entenda como você pode melhorar, mesmo quando só tiver feedback positivo. Volte a ser vendedor de sapato! Beije os pés dele se for necessário. Tem que ter contato físico mesmo… Somos pessoas!
  5. Supere as expectativasPor fim, Surpreender. Esse deve ser o grande diferencial que sua empresa pode ter do seu concorrente. Se o seu adversário está só vendendo o melhor chocolate da França, pense fora da caixa e entregue os morangos e a receita do fondue e claro, depois ligue para o cliente perguntando se a receita deu certo. Isso sim fideliza e abre portas para novas oportunidades de negócio.“Newsletter semanal, banners online nos mais variados e populares portais do segmento de atuação, website com layout impecável e otimizado com as mais avançadas técnicas de SEO, links patrocinados em grandes buscadores e mais 439 ações que otimizam a exposição da marca nos mais variados lugares, online e off-line, possíveis e imagináveis na face da Terra”, é obrigação. Agora esses 5 pontos de reflexão mencionados acima é para passarmos a noite pensando e voltar amanhã com novas ações, ações de pessoa para pessoa.

E aí? 76% dos consumidores não acreditam em propaganda. E você, acredita?

[Crédito da Imagem: Marketing – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Graduação em Comunicação Social com ênfase em Publicidade e Propaganda e Tecnólogo em criação publicitária, atua na área de marketing há mais de 7 anos, sendo 5 deles voltados para marketing de serviços B2B direcionado ao segmento de tecnologia e segurança da Informação em ambientes de internet. Atualmente é gestora de marketing na TrustSign.

Thaina Carvalho

Comentários

1 Comment

  • Olá Thaina!

    Excelente reflexão.

    Geralmente nos preocupamos tanto com números e estatísticas que esquecemos de olhar como vai o nosso relacionamento com o cliente e o que ele espera de verdade.

    Para surpreender não precisa de muito esforço, já que muitas empresas mal conseguem entregar o que foi combinado, então se faz um pouco além, certamente o cliente já vai se sentir surpreendido.

    Parabéns pelo excelente artigo,

    Abraços,

    Priscila

You must be logged in to post a comment.

botão emergência ransomware (1)

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.