Carreira

Ξ 4 comentários

Referência ou Estatística: onde você se encaixa?

publicado por William Telles

Figura - Referência ou Estatística: onde você se encaixa?Aproveitando o gancho do artigo passado, hoje vou falar um pouco mais sobre o fato que gerou a minha conclusão do artigo anterior.

Outro dia estava em São Paulo a trabalho, e no final do dia combinei um happy hour com um amigo para comemorar o aniversário dele. Profissional também renomado da área de Segurança da Informação e professor assim como eu, me pediu para fazer uso de uma das minhas falas que me acompanham há muito tempo: “…cara, ou você é lembrado pelo que faz ou é apenas mais um. Ou sua reputação te precede ou talvez seu trabalho não tenha o valor que você imagina. Ou seja, ou você é referência para os outros ou é apenas mais um, é estatística…”. Eu autorizei e disse à ele para ficar à vontade para usar como e quando quisesse.

Conheço uma pá de “profiçionais” que se lançam a cada dia no mercado com um mínimo de bagagem teórica, profissional ou de vida, e que se autointitulam CONSULTORES. Isso, de fato, não me gera indignação, mas apenas uma simples pergunta: como isso é possível? Talvez pudesse até perguntar como a mídia usa muito hoje: “Pode isso, Arnaldo?”

Possuo duas graduações (uma em fase de conclusão neste ano), duas pós-graduações, uma grande quantidade de treinamentos e cursos, me qualificando neste momento para as certificações Green Belt e Black Belt, e mesmo assim percebo que existe muita informação ainda para adquirir, e informação que gere conhecimento, tanto em Segurança da Informação quanto em Gestão, não informação fútil…

Acredito que se hoje minha reputação me precede, isso tem um baita background. Vários ex-alunos em posições de destaque no mercado de trabalho, sendo reconhecidos pelos seus conhecimentos teóricos postos em prática, e gratos aos seus mestres. Diversos trabalhos executados com louvor e reconhecimento do cliente. Um nível de conhecimento teórico e prático testado e aprovado trabalho após trabalho realizado. Ou seja, isso não surge da noite para o dia. Mas não surge mesmo !!!

Certa vez assistindo a palestra de um amigo também coach, gostei muito de uma de suas colocações: “…vocês sabem o que é maturidade? Quem quiser eu posso desenhar: I-D-A-D-E + M-A-D-U-R-A, ou seja, nem que você queira muito vai poder mudar a ordem cronológica dos fatos. Maturidade é experiência adquirida com o passar dos anos…”. Juro que nunca tinha olhado dessa forma. Não há como comparar a experiência de vida de um sujeito de 25 anos com um de 50 anos de idade. São 25 anos a mais de vida vivida. 25 anos a mais de vitórias e derrotas, de alegrias e tristezas, e se o camarada não estudou nada neste período, ainda assim possui 25 anos a mais de conhecimento tácito.

Fato cômico aconteceu na Universidade Federal de Goiás, campus Jataí. Certa vez fui convidado para ser Keynote Speaker em um congresso de TI promovido por eles e uma coisa me chamou a atenção e depois rir muito do episódio. Uma aluna do curso de Sistemas de informação me pediu para escrever um artigo específico para seu trabalho de conclusão de curso. Eu agradeci a honra e a oportunidade, e me comprometi a fazê-lo. A sua resposta foi, no mínimo, inusitada pra mim: “…professor, se o senhor puder vir na minha formatura, eu ficaria muito feliz de poder dançar com o meu referencial teórico…”. Aqui, fala sério! Depois de me sentir meio Matusalém, personagem bíblico, senti na pele como alguns poucos felizardos nesta vida contribuem para o crescimento pessoal e profissional de outras pessoas, assim como eu pude fazer.

Agora vamos falar um pouco de você. Que histórico profissional você tem construído? Qual foi a última vez que você parou para olhar pra trás, nos últimos 5 anos por exemplo, e fez uma avaliação simples mesmo de como você evoluiu ou não profissionalmente. Quais foram suas contribuições para a comunidade profissional? O que você fez que foi digno de ser seguido por outras pessoas? O que você fez que valeu tanto a pena ter feito que outros, sem que você pedisse, reconheceram o seu valor e sentiram o desejo de, de alguma forma, serem como você?

Se sua avaliação foi positiva, se percebeu que se tornou uma referência profissional ou pessoal para alguém, meus parabéns e votos que continue fazendo diferença. Mas se sua avaliação te mostrou que você foi apenas mais um em um cenário profissional que aponta para a busca de profissionais que tenham um “algo a mais” para oferecer, eu, se fosse você, estaria bastante preocupado…

Como o único fato irreversível e incontestável nesta vida é a morte do nosso corpo físico, vale aqui a máxima “enquanto se há vida, há esperança”. Mãos à obra! Se você não conseguir guardar muita coisa deste artigo em sua cabeça, guarde pelo menos o seguinte: “Pra ser diferente, é preciso fazer algo diferente“. Se já viu isso em algum lugar, agora é hora de gravar essa máxima na cabeça e por isso em prática de uma vez por todas!

Você não precisa inventar uma nova forma de criptografia de dados para ter o reconhecimento da comunidade de segurança da informação, por exemplo, mas precisa fugir ao convencional, ultrapassar as barreiras dos limites que você mesmo se impõe. Isso mesmo! Somos nós, na maioria das vezes, que nos impomos barreiras.

Quem ainda não viu, recomendo fortemente que assista um vídeo disponível no Youtube, do colega da USP Prof. Clóvis de Barros Filho, intitulado “sobre ter culhão”. Apesar do título forte e talvez ofensivo para alguns, garanto que os termos de baixo calão presentes no vídeo quase passam despercebidos diante de um conteúdo tão forte e contundente. Você come, bebe, dorme, da mesma forma que todo mundo, então porque se sentir inferior a alguém? Ou no caso deste nosso artigo, porque se contentar em ser mais um? Em ser estatística?

Seja mais! Faça mais! Vá além do que você “acha” que pode. Faça diferença…seja referência para alguém. O mundo é composto por estatísticas, mas conduzido por referências. A escolha é sua! Boa sorte, saúde e sucesso.

[Crédito da Imagem: Referência Profissional – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Engenheiro da Computação, Administrador de Empresas (graduando 2015), MBA em Gestão Empresarial, Especialista em Governança de TI, Segurança da Informação e Computação Forense. Profissional com mais de 20 anos de atuação em TI. Capacitado em COBIT 5, ITIL V3, ISO 20000, 27001, 27002, 22301, BPM e Gerenciamento de Projetos padrão PMI®, e tendo gerenciado projetos na área financeira com equipes internacionais, bem como liderado e treinado Gestores de TI, Infraestrutura, Desenvolvimento de Sistemas, e Escritório de Projetos (PMO).

William Telles

Comentários

4 Comments

  • Parabéns pelo artigo William!

    Ao ler as suas palavras fui encaixando as perspectivas em meu perfil e logo no inicio pensei: Tenho mestrado, MBA, estou estudando ainda e agora….demitido. Será que virei uma estatística?? O que fiz de errado??

    Na sequencia do texto pude perceber que realmente faço a minha parte para ser uma referência em tudo o que faço. O outro lado é que o mundo corporativo, talvez não percebe isso e olha somente para os números de uma folha de pagamento e não para o valor do conhecimento tácito agregado. Muito além de ficar chateado, olhei para o texto e conclui que estou fazendo a minha parte a cada dia. Sei que sou uma referência para muitas pessoas e isso é a motivação para tirar mais um aprendizado desse momento para saber orientar no futuro a quem precisar.

    Não se aprende no banco da faculdade como o mundo real funciona, como professor procuro sempre colocar as diferentes perspectivas para os meus alunos sobre tudo o que debatemos. A tecnologia é ótima, mas também tem seu lado negro.

    Vão os cabelos e ficam os registros das memórias em nossas vidas. Sucesso para você futuro administrador…abraços.

    • Obrigado Fernando!

  • Caro William,

    Primeiramente parabéns por sua iniciativa e pelo artigo que compartilhara conosco. Contudo, devo me opor a parte do seu posicionamento e para isso iniciarei utilizando-me de uma frase do Flávio Augusto, fundador da WiseUp: “Em 20 anos empreendendo, tive algumas dezenas de milhares de funcionários e vi muitos meninos de 18 anos mais maduros que homens de 40. Definitivamente, maturidade é bem diferente de experiência”

    Apesar de muito importante, formação superior e pós-graduação não são garantias de sucesso e amadurecimento, prova disso são profissionais renomados que sequer concluíram ou frequentaram uma universidade, como Steve Jobs, da Apple, Samuel Klein, das Casas Bahia, Silvio Santos, da SBT e o jovem Mark Zuckerberg, do Facebook.

    Atuo profissionalmente há apenas 9 anos, também tenho formação superior e estou concluindo meu MBA, mas tenho em mente que meu reconhecimento profissional e pessoal é proporcional aos resultados que apresento. Acredito que o nível de maturidade está intrinsecamente ligado a quantidade de experiencias e riscos que cada indivíduo aceita submeter-se, ou seja, não acredito que uma pessoa de 50 anos que nunca saiu de sua zona de conforto seja mais maduro que outra com apenas 35 que tenha se submetido a um número razoável de situações desafiadoras.

    Portanto, é evidente que quanto maior a idade maior a probabilidade de maturidade, mas não é uma regra, assim como formação superior não é garantia de sucesso.

    Assim você, espero ter colaborado de alguma forma.

    Grande abraço.

    • Quase toda regra possui excessão, mas são de fato “excessões”.
      Obrigado pela contribuição!

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes