Desenvolvimento

Ξ Deixe um comentário

Qualidade em TI – A prevenção de falhas

publicado por Paul Robert Bergami

Qualidade em TI – A prevenção de falhasEm nosso último texto falamos que devemos iniciar as ações para a Qualidade em TI pelo pior, começar de trás para frente, pelas falhas, pela Prevenção de Falhas em Software.

Prevenção de Falhas em Software é o processo que estabelece os mecanismos para evitar a falha em produção. Tem como principal objetivo garantir que, uma vez identificadas e endereçadas, as falhas em software não voltem a ocorrer.

Identificar e corrigir defeitos acrescenta muito aos custos de desenvolvimento e manutenção de software. Isto inclui os custos de teste, de correção, da insatisfação de usuários, das garantias e do atendimento. Não contando aí, como já falamos anteriormente, os custos imensuráveis da perda de reputação da organização no mercado.

Outro importante fator, além das economias de custo e esforço na institucionalização da Prevenção de Falhas, é implantar o foco contínuo de melhoria de processos.

A Prevenção de Falhas não é feita por uma ou outra pessoa esporadicamente. Todos os colaboradores da organização devem estar envolvidos e conscientes de sua importância. É instrutivo fazer com que as pessoas pensem em seus problemas como se fossem altamente críticos.

Como o uso de software está cada vez mais presente nos serviços e nos produtos, mais a qualidade destes é determinada pela qualidade dos softwares. E falhas em softwares podem se tornar catastróficas para a sociedade.

Para implantar a Prevenção de Falhas, assim como qualquer outro programa de qualidade, há que se iniciar pelo “Compromisso pela Qualidade” por parte da alta direção da organização. Enquanto este nível retardar ou redirecionar projetos para atingir outras metas, não haverá comprometimento na implantação do programa de qualidade. Este aspecto, assegurar qualidade, deve ser reforçado até que as pessoas acreditem na sua importância.

Um item chave é designar o processo de Prevenção de Falhas para um time. Time este formado por profissionais de diferentes áreas, Quality Assurance, Gestão de Serviços, Gerência de Configuração e Especialistas em Metodologias. As responsabilidades deste time devem ser:

  • Priorizar todas as ações;
  • Estabelecer um plano de implantação para as ações de alta prioridade;
  • Designar responsabilidades;
  • Acompanhar implantação;
  • Reportar o progresso;
  • Assegurar que todos os casos de sucesso sejam reconhecidos e as responsabilidades individuais identificadas;
  • Continuar com as próximas ações de prioridade.

O processo de Prevenção de Falhas é contínuo. A cada instante foca a prevenção das falhas mais relevantes remanescentes. Depois de implantado, o processo segue seu ciclo.

Os passos para a implantação de um programa de Prevenção de Falhas são:

  • Reporte de defeitos – inclui informação suficiente para caracterizar cada falha e determinar suas causas (o registro faz parte de outro processo);
  • Análise causal – onde a causa das falhas, ou defeito provocador, de maior ocorrência e gravidade são determinados;
  • Ações de implantação determinadas, as ações devem ser implantadas. Isto geralmente envolve todas as partes da organização em um esforço concentrado de melhoria;
  • Acompanhamento do desempenho – dados de desempenho são levantados e todas as ações são acompanhadas e compiladas;
  • Recomeçar – porém concentrando esforços nas falhas de maior relevância remanescentes.

Em todos estes passos, os engenheiros de software devem estar envolvidos, nas reuniões de identificação das falhas relevantes remanescentes e análise destas, assim como no processo de prevenção. As pessoas devem receber retorno deste tipo de ação.

O Processo de Prevenção de Falhas é uma mudança complexa no processo de software que irá transformar as organizações.

Como iniciar um Processo de Prevenção de Falhas é o tema do próximo texto: Qualidade em TI – Aprendendo com as falhas.

[Crédito da Imagem: Qualidade – ShutterStock]

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Professor de Qualidade de Software, Auditoria de Sistemas e MBA/TI, Economista pela FEA-USP com pós em Qualidade e Produtividade pela POLI-USP, especialista em qualidade de software para usuários e fornecedores de TI. Mais de 30 anos como Gestor em TI para Bancos, Consultorias, Marketing, Serviços e Governo. Focado em soluções pragmáticas de TI que aliam resultado e satisfação de clientes e acionistas, experiência internacional em London/UK no desenvolvimento de aplicativos bancários mundiais e Nova York/USA em consultoria para conformidade à Sarbanes & Oxley. br.linkedin.com/in/bergamipaul/

Paul Robert Bergami

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.

Artigos Recentes