Carreira

Ξ 11 comentários

Gerente de Projetos – Salários atrativos e novas oportunidades

publicado por Vinicius Passos Silva

Um dos profissionais mais procurados pelo mercado de trabalho atualmente é o Gestor de Projetos. Essa demanda se explica primeiramente pela importância do profissional na elaboração e acompanhamento de projetos das mais diversas naturezas e em qualquer ramo de atividade. Em segundo lugar e é aí que se apresenta uma grande oportunidade para quem pretende impulsionar a carreira profissional, é a escassez deste especialista.

Como poucos ainda sabem, qualquer profissional, independente da área de graduação, pode se especializar em gerenciamento de projetos. Hoje existem diversos cursos de pós graduação, MBA em Gerencia de Projetos e é claro a Certificação PMP, reconhecida mundialmente.

Um gerente de projetos ganha cerca de R$ 5.000,00 mensais, no início da carreira. Este valor pode dobrar ou até mesmo triplicar, dependendo da experiência e de cursos de especialização como o PMP da PMI.


Outro atrativo são os novos postos de trabalho que devem ser criados com o advento da Copa do Mundo, em 2014, e das Olimpíadas, em 2016, no Rio de Janeiro.

Estes eventos vão abrir oportunidades para uma grande gama de profissionais. Se analisarmos a cadeia de eventos que as duas grandes competições formarão, a maioria dos setores produtivos vai necessitar de pessoas capacitadas para gerenciar novos projetos em diferentes setores da economia.

O Gerente de Projetos é aquele profissional que acompanha todas as atividades pertinentes ao Projetos, garantindo a gestão da cadeia de processos que envolve a iniciação, planejamento, execução, monitoramento, controle e encerramento do projeto. Esses processos abrangem 9 áreas de conhecimento, são elas: Gerência de Escopo do Projeto, Gerência de Tempo, Gerência de Custo, Gerência de Qualidade, Gerência de Integração, Gerência de recursos Humanos, Gerência de Comunicação, Gerência de Riscos e Gerência de Aquisições. Na minha opinião o gerente de projetos divide a responsabilidade, dentro de uma organização, de garantir mais rapidez, custos adequados e elevado nível de qualidade para produtos e serviços.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Vinícius Passos Silva é Graduado em Análise de Sistemas com especialização em Gerência de Projetos e 12 anos de atuação no mercado de Tecnologia da Informação aplicando as melhores práticas no gerenciamento de projetos de Infraestrutura, implantação, migração, upgrade, integração e auditoria de sistemas, para empresas nacionais e multinacionais dos mais variados segmentos. Sólidos conhecimentos em projetos de implantação de ERP.

Vinicius Passos Silva

Comentários

11 Comments

  • Muito oportuno, direto e claro o teu post. É um prazer para mim dar o meu pitaco. Acredito ser importante que se definam os papéis de cada membro da equipe de forma clara para que não hajam distorções nos projetos. Luto e muito por isto. Estamos acostumados a ver a falta de respeito em vários casos como o de programalistas, projetista fazendo testes ao invés de participar da montagem dos clicos de testes, entre outras. Já ouvi mais de uma vez o seguinte: GP é o cara que mais ganha na equipe para não fazer nada. É lamentável mas, existem pessoas que pensam assim. É por isto que chamamos de equipe ou time. Um por todos e todos por um. Isso sim é uma equipe.

    Embora esteja dentro do contexto das nove áreas de processos, gostaria de salientar que uma das maiores atribuições do GP é a negociação. Em cada uma das áreas de processos. Um GP gasta em torno de 80% do seu tempo em comunicação. Talvez seja por isto que algumas pessoas não entendam o papel do GP e acreditem que ele seja indispensável. Não estou puxando a brasa para a minha sardinha não. É só conversar com qualquer GP que ele te dirá o quanto tem que negociar durante um projeto.

    Agora também tem uma coisa interessante. Quando alguém pergunta o que tu faz e tu dizes que é GP e explica tudinho, no final em geral, a pessoa do outro lado faz aquela cara de vaca olhando para o termometro. Risos. Muitas vezes, nós mesmos (GPs) temos dificuldade em explicar. risos. Mas faz parte do nosso folclore de TI e rende bons momentos de risos e relaxamentos.

    Estou escrevendo um post para cada área de processo. Creio que será de valia para que algumas pessoas entendam um pouco mais a nossa posição.

    Parabéns pelo teu post.

    Um fraternal abraço a todos.

  • Discordo que há carência de Gerentes de Projetos.

    Com a comoditização dos MBAs em Gerenciamento de Projetos e com a falência das técnicas comercializadas pelo PMI (exceto com adequações radicais), qualquer profissional técnico (de nível superior) com bom senso e boa capacidade organizacional tem condições de administrar os rumos dos projetos.

    Além disso, em muitas áreas, a hierarquia empresarial está se tornando cada vez mais horizontal, reduzindo o espaço pra os tradicionais gerentes. Assim, as atribuições de gerentes de projetos estão sendo assumidas por profissionais de base, como analistas de negócios, atendimento, analistas de projetos e até técnicos, como citado anteriormente.

    Outro fato bem conhecido é que, no Brasil, há carência por profissionais técnicos especialistas (como engenheiros e analistas de sistemas) e não por profissionais de administração (como gerente de projetos).

    Certamente há controvérsias e respeito seu post. Gostaria apenas registrar aqui que vejo claramente o papel do gerente de projetos, tão amplamente aclamado, como uma moda, uma corrente puxada por quem ganha com isso: PMI, FGV, entre outros.

    • Adriano concordo com você ; primeiro o PMI burocratizou tanto seus processos que está sendo sobreposto pelas metodologias Ágeis (que prefiro e uso a anos, +de15) , o PMI está ficando igual a ISO9000 muitos tem , mas é um diferencial !?
      Concordo com você que qualquer BOM profissional pode gerir um projeto , pois o principal para tocar um projeto é comunicação e relacionamentos e um pouco de conhecimento da área em questão…
      sds
      Paulo

  • Também discordo. Sou GP e busco nova oportunidade junto ao mercado. Pergunta se consigo… Claro que não… Será que é porque as empresas não querem pagar o valor deste profissional, após tantos anos de experiência, e investimentos de sua parte em seu desenvolvimento e qualificação?
    Particularmente, conhecendo o cenário (lugar comum) de muitos projetos em muitas empresas de TIC, lhes digo: até proposta para trabalhar por R$ 3.500,00 já me fizeram, acreditam? Pois é, acreditem se quiserem! Ou seja, as oportunidades (e necessidades) existem, apenas as empresas querem o profissional (e que ele assuma TODAS as responsabilidades de um GP) pelo valor de um profissional recém-formado na faculdade. Tenham dó!

  • È necessario que o mercado entenda que um G.P. não é necessariamente ou exclusivamente um professional de TI.
    A Tecnología da Informação é uma ferramenta hoje largamente utilizada, mas a engenharia ainda é a mesma, as matemáticas e a física são as mesmas e é com essas ferramentas que se fazem cálculos, dimensionamentos, lay out´s etc, etc, e se fazem negociações de preços e prazos.
    De certa forma se trata de projetos de forma ampla e isso está muito bem, mais para Gerenciar Projetos de Engenharia, Montagem, Distribuição etc, etc, ainda a experiencia técnica é muito mais necessaria.

    Orlando

    • Concordo plenamente com você Orlando, inclusive, em meu artigo disse que – “Como poucos ainda sabem, qualquer profissional, independente da área de graduação, pode se especializar em gerenciamento de projetos.”

  • Prezados(as),
    estou muito interessado em virar um GP. Hoje sou Analista de Sistemas, mas gostaria muito de sair da parte técnica e caminhar rumo a Gerência de Projetos. O que vocês me aconselham? Qual o melhor caminho a seguir? Devo fazer um MBA ou focar mais nas certificações exigidas pelo mercado? Agradeço desde já aos que se disporem a me ajudar. Feloz 2012 a TODOS !!!

  • Senhores,

    O principal motivo da desvalorização do GP na atualidade é simples: o profissional, técnico, está excessivamente desvalorizado no mercado.
    Sendo assim, a ascensão profissional na TI ficou generalizadamente segregada da seguinte maneira:
    Ou o profissional segue o rumo gerencial;
    Ou o profissional segue o rumo técnico.
    Mas porque os egressos das universidades e faculdades estão optando pela carreira gestora ao invés da técnica?
    Porque, obviamente, é muito mais “fácil” você sair de uma graduação em CC/SI/EC (entre outras) e “emendar” um MBA ou Pós em Gestão de Projetos / Processos / De Pessoas/ Empresarial, e o maior agravante é que o GP não necessariamente tem de ser da área de TI (assim que a grande maioria das empresas do mercado enxerga). Estou a 11 anos na área de Engenharia de Software e a 2 e meio aqui na Petrobras. Meu gerente de projetos é um engenheiro mecânico! 😛
    Já seguindo a carreira técnica, o cara precisa de ralar bastante, obter certificações técnicas (em diversar linguagens) e tirar a sonhada certificação de arquiteto de software. Ok, ralou e conseguiu? Agora vai pra sampa porque não será em qualquer lugar do Brasil que pagarão o que um arquiteto Java ou .NET merece.

    Então amigos, fica claro o porque dos recentes egressos estarem todos voltados para a área de gestão do que a área técnica. Isso é culpa do mercado! Assim como eu e vocês deste fórum, todos querem um bom salário! A culpa não são dos novos profissionais!!!

  • Muito interessante todos os comentários, pois são várias visões e vivências.
    Gostaria de dar um breve relato após 32 de carreira.
    Vejo que muita coisa é moda e novos nomes para coisas que sempre existiram. Muitas siglas que dizem a mesma coisa. Muita gente se beneficiando financeiramente com certificações, etc. Empresas que dizem ao publico, possuímos certificação ISO, mas seus processos e serviços são precários e seus empregados ganhando muito pouco.
    Acho sim que é sempre válido buscar novas profissões, novas metodologias, certificações, pois isso faz parte do processo evolutivo profissional, mas acredito que há um exagero em muitas situações criados para beneficios de poucos.
    Existem inversões de valores, sobreposição de tarefas e atividades, mas enfim, como conter tudo isso?
    O que mais me preocupa na verdade, é a falta de emprego e a baixa frequente dos salários ao contrário do que diz nosso governo federal.
    Converso com profissionais recrutadores e eles comentam que por exemplo os salários de Gerentes estão caindo mês a mês, chega-se ao absurdo de oferecer 2.000,00 para um Gerente Adm/Fin.
    Boa semana a todos!!!!

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.