Carreira

Ξ 9 comentários

Fernando Collor e o “Apedeuta”

publicado por Thalvaner Moreira Dolabella

O Senador Fernando Collor de Mello “… tomou a palavra no Senado para falar do telefonema desaforado que, dias antes, dera à sucursal da revista Isto É, em Brasília, desancando um repórter… em seu discurso, chamou o jornalista de “apedeuta”, “aquele que não tem instrução, ignorante”. (Revista Língua Portuguesa, Ano cinco, no. 62, Dezembro de 2010, pág. 18).

Vivemos num mundo onde a rapidez da comunicação e a velocidade do entendimento tendem a ser compatíveis.

Quando vamos escrever alguma coisa, a regra número um é eleger o(s) leitor (es) ideal (is). A maioria tende a escrever para si, revisando – quando o faz – pela sua ótica o que escreveu. Se o Exmo. Sr. Senador quisesse se fazer entender em tempo hábil, fatalmente sairia frustrado da não menos ilustríssima tribuna.

Devemos nos abstrair enquanto autores, fazendo/simulando o papel de leitores. Fatalmente descobriremos afirmações, citações, jargões que são de conhecimento restrito. Feita a abstração, devemos reescrever o texto, retirando do nosso leitor a dura tarefa de entender, ou mesmo imaginar, o que estaríamos pretendendo.

Esta regra vale também, e principalmente, para o mundo corporativo, onde contratos podem ser contestados por falta de entendimento/clareza (o Cliente achou que estava clara determinada condição e o prestador de serviço achou que esta condição não cabia no que fora contratado). Quando um vendedor (TI) repassa o contrato para quem vai desenhar a solução, a clareza dever ser absoluta. Ou o prejuízo é certo e o culpado, prolixo.

Um simples e-mail requer o conhecimento do nosso amigo, o “leitor ideal”. Já vi exemplos de pessoas que enviam uma nota a seu superior como se estivesse “twitando”, que envia um currículo para seleção com erros grotescos de português, de gramática, ou concordância. Por melhor profissional que a pessoa seja, um texto é o seu retrato perante quem lê e toma decisões. E isso certamente pesará na decisão.

A idéia deve ser clara. Termos técnicos devem ser esclarecidos, quando necessário. Não seja prolixo (discurso longo e, muitas vezes, vazio), seja conciso (qualidade de dizer o máximo possível com o mínimo de palavras) e preciso (qualidade de utilizar a palavra certa para dizer exatamente o que se quer).  Evite o excesso de “quês”, tornando o texto duro e desarmonioso. Fuja do mal do milênio: o gerundismo.  “Vamos estar enviando isso na próxima quarta feira”. Prefira “enviaremos ou vamos enviar”. Dá mais confiança para o interlocutor. “Vamos estar marcando aquela reunião”. Será que ela vai ser marcada mesmo?  Não é melhor –  “vamos marcar aquela reunião”?

Uma boa dica é ler muito. De tudo. O cérebro guarda a grafia das palavras. Experimente colocar o sujeito, o verbo e o complemento. Se estiver seguro, use metáforas, elas valem mais do que mil palavras. Anote idéias. Elas poderão ser úteis.

Faça de seus textos o seu cartão de visita. Deixe o leitor se sentir atraído por ele, deslizar pelas palavras sem se esforçar. Verá que terá em suas mãos um grande aliado.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Compare preços de Uber, 99 e Taxi

Minimum Way

Autor

Pós-graduado em Gestão Estratégica de Processos de Negócios, pelo IEC-PUC/MG, e formado em Letras, pela mesma Universidade. Consultor na área da Qualidade na IBM do Brasil. Certificado ITIL Foundation V2 e V3. Atuação em certificações ISO 9001, 20.000 e 27.000. Atualmente, como autodidata, estou estudando (Livros) - TQC Controle da Qualidade Total no estilo Japonês - Falconi; Integração das Ferramentas da Qualidade ao PDCA e ao Programa Seis Sigma - Silvio Aguiar; e Qualidade: Enfoques e Ferramentas - Paulo Augusto Cauchick Miguel.

Thalvaner Moreira Dolabella

Comentários

9 Comments

  • Mais uma vez, show de bola o texto, concordo plenamente.

    • Valeu, meu amigo. Obrigado.

  • Muito bom!!!!! Feliz de quem tem esta habilidade. Vc demonstrou ter.

    • Oi, Eliane.

      Que bom que gostou. Um texto só atinge seu objetivo quando o seu leitor, no caso, o meu leitor, consegue construir o sentido proposto. Valeu. Por favor, tenho outras duas publicações, gostaria também de receber seu comentário.

      Grande abraço.

  • Isso ái Thalvaner. A comunicação é a base de todas as relações e nada se constrói sozinho. Por sinal, assim foi o fim de Collor – sozinho.
    Abraço

  • Caro Roberto.

    É disso que eu gosto quando escrevo. Novas leituras, novas descobertas. Cada nova inferência, desde que autorizada pelo texto, é a parte mais gostosa da produção.

    Obrigado e continue me prestigiando. A gente acaba tomando gosto.

    Fraterno abraço.

  • Fantástico.

    Concordo plenamente com seu texto.

    Um dos grandes “pecados” do uso de jargões, especialmente os técnicos, é que o alvo do texto (leitor ideal) quase nunca os entende.

    • Caro Dyego, bom dia.

      Obrigado pelo retorno e pelo comentário. A idéia é essa mesma. Quando formos produzir textos, temos que pensar nas dificuldades daqueles que terão que construir os sentidos possíveis.

      Grande abraço.

You must be logged in to post a comment.

Busca

Patrocínio

Publicidade




Siga-nos!

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.