Mercado

Ξ Deixe um comentário

O ouro, as moedas, o bitcoin e o futuro das operações financeiras

publicado por Leandro França de Mello

Figura - BitcoinNo início de março, algo fundamentalmente disruptivo no mercado de cryptomoedas aconteceu e acendeu os botões de alertas em algumas mesas de operação ao redor do mundo: o valor de mercado do Bitcoin se equiparou ao marketcap do ouro.

O bitcoin já vem em uma ascendência de preço nos últimos 3 anos, num rally que vem se mantendo e mostrando o potencial de crescimento da “moeda”(?!). Deixo a palavra moeda em evidência por diversos motivos: o bitcoin ainda não serve como meio de troca, pouquíssimos estabelecimentos no mundo o aceitam. Ok, há pouco tempo a Gafisa, fez um lançamento no qual dizia que aceitaria bitcoin como forma de pagamento. Não sabemos até hoje se alguém apareceu e comprou um apartamento com bitcoins.

O valor de bitcoin ultrapassou US$1.000 no mês passado, a primeira vez que atingiu tais alturas desde o final de 2013. Mas não se engane: esta tecnologia estranha e controversa não está mais perto de se tornar uma moeda corrente só por causa da sua excessiva valorização. Mesmo Olaf Carlson-Wee, o primeiro funcionário da Coinbase, a empresa de bitcoin mais importante dos EUA e que comprou seu primeiro bitcoin em 2011, quando valia US$ 2. Escreveu sua tese de graduação sobre a tecnologia no mesmo ano. Contudo, mesmo com todo esse entusiasmo sobre o bitcoin, Wee não acredita que um dia a cryptomoeda irá substituir o dólar ou qualquer outra moeda fiat.

“Trata-se de um grande erro achar que o bitcoin possa vir um dia substituir as moedas fiat”, diz Carlson-Wee.

Este sentimento aparentemente pessimista é o que você ouve mais e mais frequentemente, não só de pessoas à margem da comunidade bitcoin, mas aqueles que estão no centro dela. O Bitcoin não é algo que a pessoa média jamais usará para comprar e vender coisas, dizem eles, particularmente nos EUA e em outros países ocidentais. O mundo simplesmente não precisa de uma moeda digital dedicada. Já é muito fácil pagar coisas com dólares, graças a cartões de débito, via internet ou por vários outros serviços pelo smartphone. Mesmo que houvesse a necessidade, muitos obstáculos legais, regulatórios e culturais estão no caminho de bitcoin para a adoção pelo mainstream. Contudo, o bitcoin pode ser útil principalmente como ouro digital – como um investimento. A especulação em torno da moeda digital é típico de quem opera com o mercado do metal precioso e é por isso que o valor da bitcoin está em ascensão: o preço está subindo porque as pessoas pensam que o preço vai continuar subindo – particularmente as pessoas na China, que agora dominam a paisagem bitcoin.

Bitcoin é também uma maneira útil de mover dinheiro através das fronteiras internacionais, e que provavelmente será sua principal aplicação nos próximos anos. Mas para Carlson-Wee, bitcoin é mais valioso como algo completamente diferente – não como uma moeda nova, não como um novo ouro, não como uma nova Western Union, nem mesmo como um novo mercado de ações, mas como algo que permitirá que fenômenos financeiros que nunca existiram antes possam ser possíveis, o que Carlson-Wee chama de “finanças programáticas”. Por meio da ideia de uma cadeia de blocos – o famoso blockchain -, Carlson-Wee acredita que o blockchain irá impulsionar as empresas que, essencialmente, possuem e operam em mercados que possa haver espaço para inovação. Mesmo os mercados mais burocráticos como bancos e cartórios. Eis aí um papel mais importante do que qualquer moeda.

Ele acredita tão fortemente nesse fenômeno disruptivo, que no verão passado ele deixou a Coinbase para iniciar a Polychain Capital, um novo tipo de hedge fund destinado a apoiar esta nova safra de negócios. Com o aporte de US$ 10 milhões em capital de risco de empresas como Andreessen Horowitz e Union Square Ventures, a Polychain investe apenas em bitcoin e outros “tokens” digitais que habitam um blockchain, o ledger(livro registro) online distribuído que torna o bitcoin e qualquer outra cryptomoeda possível. Isso pode parecer que a Polychain simplesmente só investe em cryptomoedas, mas a ideia é mais ambiciosa do que isso. Graças ao Ethereum e outras alternativas à rede bitcoin, esses tokens são cada vez mais comuns na Internet, e eles são destinados a funcionar como versões digitais de qualquer coisa que tenha valor – não apenas dinheiro. Ethereum, por exemplo, executa “contratos inteligentes” – softwares que potencialmente podem basear negócios inteiros.

Carlson-Wee se recusa a discutir os investimentos específicos da empresa. Mas um exemplo do tipo de investimento que ele tem em seu radar é Projeto Golem, um esforço para criar uma nova encarnação da world wide web que é completamente descentralizada. Agora, a web pode ser distribuída através de muitos servidores, mas ainda é executado por autoridades centrais como ICANN, e ainda tem pontos centrais de falha. O Golem está criando um sistema alternativo completamente distribuído. Nenhuma pessoa, empresa ou governo possui. Nenhum indivíduo ou grupo pode decidir como funciona ou quando encerrá-lo. Ele opera de acordo com a vontade de muitos.

Há também Filecoin, um serviço de armazenamento de dados tipo a Amazon-cloud que opera sem a Amazon ou qualquer outra autoridade central. E talvez o mais famoso, pelo menos nos círculos das cryptomoedas, a Organização Autônoma Descentralizada, mais conhecida como a DAO. Também construído sobre o blockchain Ethereum, o DAO operado como um novo tipo de fundo de capital de risco, não controlado por ninguém, mas por milhares de pessoas espalhadas por todo a internet. É um exemplo chave de como as coisas podem dar errado nesse mercado também, pois mostra a fraqueza dos contratos inteligentes: foi hackeado no ano passado em US$ 50 milhões. O tipo de empresas blockchain que o interesse Carlson-Wee ainda estão muito longe de maturidade e nunca serão completamente seguras contra ataques on-line, Carslon-Wee admite.

Mas ele também acredita que há maneiras mais seguras de construir sistemas como o DAO. Eles devem ser construídos de forma modular, diz ele, de forma muito parecida com qualquer software seguro. E acredita que, em última análise, as operações descentralizadas como o Golem ou o DAO serão a norma. Um dia, diz ele, o mundo usará um Facebook descentralizado, não o próprio Facebook, um Uber descentralizado, um Etsy descentralizado, e assim por diante em todos os setores da economia. “Vamos ver setores inteiros explorados por contratos de software que viveram sob o blockchain”, diz ele. Carlson-Wee não é a primeira pessoa a propor tal futuro, e ele reconhece que esse fenômeno chegar a todos, ainda há um longo caminho pela frente. Mas seu fundo está apostando que o fará.

Se Polychain compra os tokens digitais que sustentam o Projeto Golem, é literalmente comprar um pedaço da operação. E esta é a única maneira de comprar na operação. O Projeto Golem não é realmente uma empresa. O projeto não tem ações, apenas tokens que rodam em um blockchain. Quando a Polychain compra esses tokens, não é um investimento de Venture Capital. E não é realmente uma compra de ações. É uma terceira coisa que ainda não tem nome. – “Não há companhia. Não há estoques “, diz Richard Craib, CEO de outro fundo de hedge baseado em criptoempresas, a Numerai, que também investiu na Polychain.

Estes novos conceitos financeiros radicais oferecem o melhor contexto para pensar sobre bitcoin. Não é algo que vai melhorar ou dar ao mundo um novo tipo de dinheiro ou ações. É algo que dará ao mundo coisas/negócios que ainda nem existem.

Artigos Relacionados

Autor

Leandro é analista de sistemas,professor e empreendedor na internet desde a década de 90. Desde então,vem desenvolvendo projetos no setor público e privado. Seu foco de estudo são as tecnologias baseadas em Open Source, inovações do Linux, Google e tudo que tiver relação disruptiva com TI e os negócios. Leandro França de Mello é entusiastas das tecnologias de código aberto, pesquisador e CEO da EXP Codes, uma boutique de soluções em TI.

Leandro França de Mello

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Autores

Pesquisar:

Siga-nos!

Patrocínio

Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar

Inscreva-se em nossa Newsletter