Cloud Computing

Ξ Deixe um comentário

Blockchain e IoT uma combinação perfeita

publicado por Leandro França de Mello

Figura - Blockchain e IoT uma combinação perfeitaA Internet das Coisas (IoT) é uma indústria em rápido crescimento destinada a transformar casas, cidades, fazendas, fábricas e praticamente tudo o mais, tornando-os inteligentes e mais eficientes. De acordo com o Gartner, até 2020, haverá mais de 20 bilhões de coisas conectadas em todo o mundo, alimentando um mercado que valerá pelo menos US$ 3 trilhões.

Mas o crescimento caótico do IoT introduzirá vários desafios, incluindo identificar, conectar, proteger e gerenciar tantos dispositivos. Será muito desafiador para a infra-estrutura atual e arquitetura subjacente à Internet e serviços on-line apoiar enorme ecossistemas IoT no futuro.

Isto é algo que talvez possa ser resolvido através de blockchain, a tecnologia de inventário distribuído, como um livro razão por trás de criptomoedas como Bitcoin e Ethereum, que está provando o seu valor em muitas outras indústrias, incluindo IoT.

O Blockchain permitirá que os ecossistemas de IoT rompam com o tradicional paradigma de rede baseado em conectores, onde os dispositivos dependam de um servidor central na nuvem para identificar e autenticar dispositivos individuais.

O modelo de segurança do blockchain

Enquanto o modelo centralizado funcionou perfeitamente nas últimas décadas, ele se tornará problemático quando o número de nós de rede crescer em milhões, gerando bilhões de transações, porque aumentará exponencialmente os requisitos computacionais – e, por extensão, os custos.

Os servidores também podem tornar-se um gargalo e um único ponto de falha, o que tornará as redes IoT vulneráveis a ataques de Negação de Serviço (DoS / DDoS), onde os servidores são direcionados e reduzidos ao serem inundados com tráfego de dispositivos comprometidos.

Isso pode impactar criticamente os ecossistemas IoT, especialmente quando eles assumem tarefas mais sensíveis.

Além disso, as redes centralizadas serão difíceis de estabelecer em muitos setores industriais, como grandes fazendas, onde os nós IoT se expandirão em áreas imensas com escassas redes de conectividade.

O Blockchain permitirá a criação de malhas de redes mais seguras, nas quais os dispositivos IoT se interconectam de forma confiável, evitando ameaças como a falsificação de dispositivos e a personificação.

Com cada nó legítimo sendo registrado na cadeia de bloqueio, os dispositivos serão facilmente capazes de identificar e autenticar uns aos outros sem a necessidade de servidores centrais ou autoridades de certificação, onde a rede será escalável para suportar bilhões de dispositivos sem a necessidade de recursos adicionais.

Várias empresas já estão colocando blockchain para alimentar redes IoT. Um exemplo é o Filament, uma startup que fornece hardware e software IoT para aplicações industriais, como agricultura, manufatura e indústrias de petróleo e gás.

Os sensores sem fio da Filament, denominados Taps, criam redes autônomas de baixa potência que permitem às empresas gerenciar operações físicas de mineração ou fluxos de água em campos agrícolas sem depender de alternativas de nuvem centralizadas. A identificação e a intercomunicação do dispositivo é assegurada por uma cadeia de blocos como dos bitcoin que mantém a identidade única de cada nó participante na rede.

A gigante australiana de telecomunicações Telstra é outra empresa que alavanca a tecnologia do blockchain para proteger os ecossistemas inteligentes da IoT doméstica. Os hashes criptográficos do firmware do dispositivo são armazenados em uma cadeia de blocos privados para minimizar o tempo de verificação e obter a resistência à violação e a detecção de violação em tempo real.

Como a maioria dos dispositivos domésticos inteligentes são controlados por meio de aplicativos para dispositivos móveis, a Telstra expande ainda mais o modelo e adiciona informações biométricas do usuário aos hashes do blockchain a fim de vincular a identidade do usuário e evitar que dispositivos móveis comprometidos assumam a rede. Desta forma, o blockchain será capaz de verificar tanto a identidade de dispositivos IoT, quanto a identidade das pessoas interagindo com esses dispositivos.

O futuro da IoT

Embora ainda em seus primeiros estágios de desenvolvimento, IoT é composto principalmente de tecnologias que permitem a coleta de dados, monitoramento remoto e controle de dispositivos. À medida que avançarmos, o IoT irá se tornar uma rede de dispositivos autônomos que podem interagir uns com os outros e com seu ambiente e tomar decisões inteligentes sem intervenção humana.

Este é o lugar onde o blockchain pode brilhar e formar a base que suportará uma economia compartilhada baseada em comunicações da máquina-à-máquina (M2M).

Já estamos vendo iniciativas emergentes neste campo, incluindo o ADEPT (Automated Decentralized P2P Telemetry), um sistema IoT descentralizado criado pela IBM e pela Samsung, que permite que bilhões de dispositivos transmitam transações entre pares e realizem auto-manutenção.

A plataforma foi testada em vários cenários, incluindo um que envolve uma máquina de lavar inteligente que pode automaticamente comprar e pagar por detergente com bitcoins ou ether quando se esgota e será capaz de negociar os melhores preços dos produtos de limpeza baseado nas preferências do seu dono.

Como a espinha dorsal de todas essas interações, blockchain cria uma plataforma segura e democratizada que é independente e nivela o campo para todas as partes envolvidas, certificando-se de que todos jogam justo e nenhuma entidade única está no controle.

Blockchain também permitirá a monetização de dados, onde os proprietários de dispositivos IoT e sensores podem compartilhar os dados gerados IoT em troca de micropagamentos em tempo real. O Tilepay, por exemplo, oferece um mercado on-line seguro e descentralizado onde os usuários podem registrar seus dispositivos na cadeia de blocos e vender seus dados em tempo real em troca de moeda digital.

Blockchain e IoT também têm casos de uso interessantes que podem ajudar a tornar as fontes de energia renováveis em mainstream, onde a energia produzida por painéis solares IoT gera valor em criptomoedas que serão registrados no blockchain. Qualquer pessoa que ingressar na rede pode fazer investimentos em tecnologia de energia renovável. Organizações como Nasdaq e Chain of Things, um think tank que conduz pesquisas sobre aplicações alternativas para blockchain e IoT, estão explorando esse campo.

O Blockchain, portanto, apresenta muitas promissoras oportunidades para o futuro da IoT. Os desafios, no entanto permanecem, como modelos de consenso e os custos computacionais de verificação de transações. Mas ainda estamos nos estágios iniciais do desenvolvimento de cadeias de blocos, e esses obstáculos serão eventualmente superados, abrindo o caminho para muitas possibilidades emocionantes.

Artigos Relacionados

Autor

Leandro é analista de sistemas,professor e empreendedor na internet desde a década de 90. Desde então,vem desenvolvendo projetos no setor público e privado. Seu foco de estudo são as tecnologias baseadas em Open Source, inovações do Linux, Google e tudo que tiver relação disruptiva com TI e os negócios. Evangelista das cryptomoedas, está envolvido com projetos como Golem Project, Numer.AI e HumaniQ. Leandro é CEO da EXP Codes - empresa focada em AI e Analytics As a Service.

Leandro França de Mello

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Autores

Pesquisar:

Siga-nos!

Patrocínio

Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar

Inscreva-se em nossa Newsletter

Artigos Recentes