BI

Ξ Deixe um comentário

Empresas adotam análises em tempo real para embarcar na nova “Era do Cliente”

publicado por Fernanda Benhami

Figura - Empresas adotam análises em tempo real para embarcar na nova “Era do Cliente”Com o avanço da transformação digital e o volume crescente de dados circulando entre empresas e pessoas, a competitividade tornou-se sinônimo de Business Intelligence, ou o modo como processamos e utilizamos esses dados na inteligência dos negócios. Na “Era do Cliente”, esse conhecimento oferece a oportunidade de distinguir indivíduos em um público e tratá-los de forma singular.

As ferramentas de inteligência analítica possibilitaram uma interação baseada em análise preditiva, personalizada e conveniente com os clientes, alavancando maiores receitas com a entrega de conteúdos relevantes. Nesse sentido, a velocidade com que fazemos isto, especialmente em tempo real, está se tornando um forte diferencial de sucesso.

De acordo o Gartner, em 2017, 75% das empresas já terão investido em Big Data. Das companhias com o melhor desempenho em 2016, cerca de 70% delas estará fazendo análises preditivas em real time.

Dentro dos objetivos de trazer velocidade, relevância e redução de custos, podemos nos basear em três pilares essenciais do Real Time Analytics: o contexto pessoal, de relacionamento e de tempo real.

Avaliar o comportamento do consumidor com a compra e contratação de serviços, a atuação nas redes sociais e até as necessidades expressadas do cliente são valiosos indicadores pessoais. No contexto de relacionamento, as empresas estão capturando o ciclo de compras do cliente e, como ele, tem utilizado os produtos e serviços. Isso está possibilitando desenvolver ações efetivas de abordagem de acordo com cada indivíduo, potencializando a curva de consumo do cliente ou retendo-o por mais tempo.

Mas o grande diferencial para o momento atual do mercado, que exige respostas rápidas – quase instantâneas, está no contexto do tempo real. O processamento da informação enquanto gerada revelam “momentos da verdade”, indicando a melhor forma de lidar com ele. Quanto mais rápido isso é feito, mais eficiente é a ação. Nesse cenário, a experiência do cliente será desafiada pelas limitações organizacionais e tecnológicas, e caberá às empresas decidir se ficam a ver navios ou embarcam em tempo real.

Artigos Relacionados




Autor

Fernanda Benhami, gerente de produto de Customer Intelligence do SAS América Latina

Fernanda Benhami

Comentários

You must be logged in to post a comment.

Busca

Siga-nos!

Patrocínio

Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar

Newsletter: Inscreva-se

Para se inscrever em nossa newsletter preencha o formulário.